POLICRONICIDADE E A SAÚDE DE ENFERMEIRAS (OS) QUE TRABALHAM EM HOSPITAL: ESTUDO DESCRITIVO

Audrey Vidal Pereira

Resumo


Objetivo: analisar em que medida as experiências de policronicidade afetam a saúde de enfermeiras(os) que trabalham em hospital. Método: estudo descritivo com abordagem qualitativa. O registro dos tempos diários foi computado por 42 enfermeiras(os) que viviam na região metropolitana do Estado do Rio de Janeiro - Brasil. A análise temática viabilizou que as informações fossem refletidas através de conceitos como policronia e monocronia. Resultados e Discussão: as enfermeiras têm uma tendência de naturalizar e consentir a vivência de policronicidade e os enfermeiros de negar e resistir. Conclusão: estudo aponta que as enfermeiras ao associarem as experiências de policronicidade à presença de filhos, aos cuidados de idosos e à execução de atividades domésticas, remetem às desigualdades de gênero cuja desorganização do tempo afeta de modo desproporcional a saúde das mesmas. Para realizar comparações específicas e possíveis generalizações existe a necessidade de futuras e ampliadas investigações.

Palavras-chave


usos do tempo; policronicidade; saúde; enfermeiras; enfermeiros

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/rg.v18i2.1140

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Gênero, Niterói, Rio de Janeiro, Brasil - ISNN 2316-1108

Licença Creative Commons  Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.