UMA NOVA ABORDAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA RESTINGA DE MARICÁ, RJ - BRASIL

Autores

  • Alexandre Verçosa Greco Colégio Estadual Maria Zulmira Tôrres
  • Ana Tereza Araujo Rodarte Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Ana Angélica Monteiro de Barros Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Heloísa Alves de Lima Carvalho Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Maria Célia Rodrigues Correia Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Patrick de Oliveira Colégio Estadual Sol Nascente

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2013.v1n2p83

Resumo

As restingas são ecossistemas litorâneos ameaçadas de extinção devido à sua degradação decorrente da privatização de áreas públicas, implantação de loteamentos e condomínios, além de grandes projetos turísticos. Devido aos problemas ambientais ocorrentes na restinga, faz-se necessário associar a pesquisa acadêmica à educação ambiental como ferramenta de ensino para conscientizar a preservação desse ambiente. Nesse tipo de ambiente as Myrtaceae destacam-se nas restingas do estado do Rio de Janeiro pela sua riqueza de espécies. Estudos de biologia floral são importantes para a compreensão da dinâmica dos ecossistemas, uma vez que a pesquisa fenológica permite, por exemplo, estabelecer o período em que os recursos vegetais estão disponíveis para a fauna. O objetivo do trabalho foi integrar dos dados gerados na pesquisa fenológica com plantas da família Myrtaceae na Restinga de Maricá com as atividades desenvolvidas na educação ambiental junto às escolas públicas desse município. A pesquisa desenvolveu-se na Área de Proteção Ambiental da Restinga de Maricá (RJ), ao longo de um transecto de 500 m sobre o cordão arenoso interno. Foram observadas em campo doze espécies de Myrtaceae quanto à floração com maior intensidade na estação quente e chuvosa e disponibilidade de frutos ao longo de todo ano. As atividades de educação ambiental foram realizadas com alunos que visitaram a restinga utilizando a Trilha do Barco e a cartilha como matéria de apoio, onde redigiram uma redação abordando os objetivos da Carta de Belgrado. Todos os estudantes consideraram positiva a experiência na restinga, onde percebeu-se que a maioria dos alunos ficou sensibilizada, como observado em suas expressões na aula de campo e nas redações produzidas. A utilização de ambientes naturais para aulas em trilhas interpretativas e a produção de cartilhas com informações dessas regiões, mostram-se importantes ferramentas didáticas para práticas de educação ambiental. O trabalho mostrou a importância em associar a pesquisa acadêmica às atividades de educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Verçosa Greco, Colégio Estadual Maria Zulmira Tôrres

Professor do Colégio Estadual Maria Zulmira Tôrres 

Ana Tereza Araujo Rodarte, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Museu Nacional/UFRJ, LABFLOR

Ana Angélica Monteiro de Barros, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Faculdade de Formação de Professores da UERJ, DCIEN, GEIA

Heloísa Alves de Lima Carvalho, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Museu Nacional/UFRJ, LABFLOR

Maria Célia Rodrigues Correia, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Museu Nacional/UFRJ, LABFLOR

Patrick de Oliveira, Colégio Estadual Sol Nascente

Professor do Colégio Estadual Sol Nascente

Referências

ARAUJO, D. S. D. Análise florística e fitogeográfica das restingas do estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Federal do Rio de Janeiro. 169 p., 2000.

ARAUJO, D. S. D.; MACIEL, N. C. Restingas fluminenses: Biodiversidade e preservação. Boletim FBCN, n. 25, p. 27-51, 1998.

BRASIL. LEI N. ° 9.795 de 1999. Política Nacional de Educação Ambiental. Dispõe sobre a educação ambiental. Institui a política nacional de educação ambiental e dá outras providências. 1999. Disponível em: <http://www.presidencia.gov.br/CCIVIL/LEIS/L9985.htm >. Acesso em: 13 dez.2011.

CLINI, C. T.; FIGUEIREDO, R. M.; FIGUEIREDO, R. A. Avaliando uma ação de educação ambiental: mudança de valores e atitudes a longo prazo. Argumento, v. 3, n. 6, p. 30-36, 2001.

CONAMA. Resolução N. º 303, de 20 de março de 2002. Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. 2002.

CURADO, P.M.; ANGELINI, R. Avaliação de atividade de educação ambiental em trilha interpretativa, dois a três anos após sua realização. Acta Scientiarum; Biological Sciences, v. 28, n. 4, p. 395-401, 2006.

GRECO, A. V.; RODARTE, A. T. R.; BARROS, A. A. M. Restinga de Maricá. Uma nova trilha na educação ambiental. Faculdade de Formação de Professores/UERJ, 39 p., 2011.

GUEDES-BRUNI, R. R. et al. Inventário florístico. In: SYLVESTRE, L. S.; ROSA, M. M. T. (Ed). Manual metodológico para estudos botânicos na Mata Atlântica. Seropédica: Ed. Universidade Rural, p. 24-50, 2002.

HOLANDA, P. C. Conservação dos ecossistemas litorâneos. In: “Workshop” Nacional de educação para o meio ambiente. Ceará, 1988.

KOTTEK, M. et al. World map of the Köppen-Geiger climate classification updated. Meteorologische Zeitschrift, v. 15, p. 259-263, 2006.

MENGHINI, F. B. As trilhas interpretativas como recurso pedagógico: caminhos traçados para a educação ambiental. Dissertação de mestrado. Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, SC. 103 p., 2005.

MORELLATO, L. P. C.; LEITÃO-FILHO, H. F. Estratégias fenológicas de espécies arbóreas em floresta semidecídua na Serra do Japí, Jundiaí, São Paulo. Revista Brasileira de Biologia, v. 50, n.1, p. 163-173, 1990.

MORELLATO, L. P. C. Estudo da fenologia de árvores, arbustos e lianas de uma floresta semidecídua no sudeste do Brasil. 176 p. Tese (Doutorado em Botânica)- Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1991.

MORELLATO, L. P. C. Sazonalidade e dinâmica dos ecossistemas florestais na Serra do Japi. In: MORELLATO, L.P.C. (Org.). História natural da Serra do Japi: ecologia e preservação de uma área florestal no sudeste do Brasil. Campinas: Editora da UNICAMP, 1992. p. 98-110.

MORELLATO, L. P. C et al. Phenology of Atlantic rain forest trees: a comparative study. Biotropica, v. 32, n. 4B, p. 811-823, 2000.

PIZO, M. A. The seed dispersers and fruit syndromes of Myrtaceae in Brazilian Atlantic Forest. In: LEVEY, D.J.; SILVA, W.R. ; GALETTI, M. (Ed.). Frugivores and seed dispersers: biodiversity and conservation perspectives. Wallingford: CABI Publishing ,2002. p. 129-143.

REIGOTA, M. O que é Educação Ambiental. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1994.107 p.

ROBIM, M. J.; TABANEZ, M. F. Subsídios para implantação da trilha interpretativa da Cachoeira–Parque Estadual de Campos do Jordão. Revista do Instituto Florestal, v. 5, n. 1, p. 65-89, 1993.

RODARTE, A. T. R. Caracterização espacial, temporal e biologia floral das espécies de restinga, com ênfase nos recursos florais. 189 p. Tese (Doutorado em botânica)- Museu Nacional/UFRJ, Rio de Janeiro, 2008.

SILVA, J. G.; OLIVEIRA, A. S. A vegetação de restinga no município de Maricá-RJ. Acta Botanica Brasilica, v. 3, n. 2, p. 253-272, 1989.

STAGGEMAIER, V. G.; MORELLATO L. P. C.; GALETTI, M. Fenologia reprodutiva de Myrtaceae em uma ilha continental de Floresta Atlântica. Revista Brasileira de Biociências, v. 5, p. 423-425, 2007.

WILSON, P. G. et al. Relationships within Myrtaceae sensu lato based on a matK phylogeny. Plant Systematics and Evolution, v. 251, p. 3-19, 2005.

Downloads

Publicado

2013-12-31