A RESERVA BIOLÓGICA DE TINGUÁ (RJ) E A COMUNIDADE DO ENTORNO: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO A PARTIR DO CONCEITO DE PERCEPÇÃO AMBIENTAL

Autores

  • Sílvia Maria Varela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)
  • Andréia Lopes Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)
  • Márcia Conceição Ferreira Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)
  • Monika Richter Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2013.v1n3p20

Resumo

O objetivo deste artigo trata da Percepção Ambiental (PA) dos moradores do entorno da Reserva Biológica do Tinguá, localizada no centro-sul do estado do Rio de Janeiro, visando fornecer subsídios ao processo de gestão e manejo da Unidade de Conservação (UC). Esta categoria não permite visitação e nem atividades de lazer em seu interior o que tem gerado alguns conflitos junto aos moradores do entorno. Visando o embasamento teórico-conceitual relacionado à abordagem da PA,  realizou-se ampla pesquisa bibliográfica, constatando ser Yu Fu Tuan, e no Brasil a Geógrafa Humanista Livia de Oliveira, os precursores na temática. Também foram aplicados questionários semiestruturados para avaliar três grandes blocos: perfil dos moradores, conhecimento sobre a Reserva e expectativas relacionadas ao lugar. No total foram entrevistadas 62 pessoas e as falas mais frequentes foram sobre os problemas decorrentes do lixo, falta de fiscalização e a vontade de permanecerem na região. Conclui-se que os moradores percebem a importância e a influência da UC para a sua qualidade de vida, mas não compreendem as diferenças entre as esferas de gestão, pois ressaltam como principais problemas aspectos relacionados à infraestrutura de competência do município como coleta de lixo, educação e saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sílvia Maria Varela, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Graduanda Geografia UFRRJ/IM e Pesquisadora de Iniciação Cientifica pelo CNPq

Andréia Lopes, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Graduanda do Turismo Bacharelado UFRRJ/IM e Pesquisadora FAPERJ

Márcia Conceição Ferreira, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Graduanda do Turismo Bacharelado UFRRJ/IM

Monika Richter, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

Prof. Dra. de Geografia do Departamento de Educação e Sociedade UFRRJ/IM

Referências

AMORIM FILHO, O. B. Os Estudos da Percepção como a Última Fronteira da Gestão Ambiental. Disponível em: <http://www.sites.uol.com.br/ivairr/percepcaoambi.htm>. Acesso em: nov. 2012

___________________. Topofilia, Topofobia e Topocídio em Minas Gerais - In: DEL RIO, V.; OLIVEIRA, L. Percepção Ambiental: a Experiência Brasileira. São Paulo: Studio Nobel, 1996. p. 139-152.

FONTANA, A. Ao Redor da Natureza: Investigando a Percepção Ambiental dos Moradores do entorno da Estação biológica de Santa Lúcia, Santa Teresa – ES. – Dissertação (Mestrado em Antropologia)- Departamento de Antropologia/EICOS, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

HOEFEL, J.; MORAES, L. Trajetórias do Jaguary : unidades de conservação, percepção ambiental e turismo. Um estudo na APA do Sistema Cantareira. 2009.

OLIVEIRA, L. Percepção e Representação do Espaço Geográfico; In: DEL RIO, V.; OLIVEIRA, L.Percepção Ambiental: uma experiência brasileira. São Paulo: Studio Nobel,1996. p. 187-214.

PACHECO, E.; SILVA, H. P. Compromissos Epistemológicos do Conceito de Percepção Ambiental. Rio de Janeiro: Departamento de Antropologia. EICOS/ UFRJ.

PLANO DE MANEJO Da Reserva Biológica do Tinguá. Brasília, 2006.

Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). LEI N. ° 9.985, de 18 de julho de 2000. Brasília, 2000.

TUAN, YU-FU. Espaço e Lugar: a Perspectiva da Experiência. OLIVEIRA, L (Trad.). Rio Claro,SP: Editora da UNESP, 1983.

____________. Topofilia: Um Estudo da Percepção, Atitudes e Valores do Meio Ambiente. OLIVEIRA, L (Trad.). Rio Claro, SP: Editora da UNESP, 1980.

Downloads

Publicado

2013-12-31