IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS PELA UTILIZAÇÃO DE TRILHAS NA RESERVA ECOLÓGICA DA JOATINGA, PARATY, RJ

Autores

  • Luana de Almeida Rangel Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • Márcia Barbosa Martins Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
  • Antonio José Teixeira Guerra Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2013.v1n3p55

Resumo

As Unidades de Conservação (UCs) são áreas naturais protegidas onde se prevê o uso público (turismo, educação, pesquisas, etc), mas este uso pode gerar diversos impactos ambientais. No caso das Reservas Biológicas (REBIO), unidades mais restritivas, são proibidas alterações na paisagem permitindo-se apenas as pesquisas e a recuperação ambiental. Muitas dessas UCs se localizam em áreas de difícil acesso e as trilhas são os caminhos mais utilizados. Elas possibilitam a aproximação dos visitantes ao ambiente natural e podem conduzi-los a um atrativo específico, tornando possível seu entretenimento ou educação por meio de sinalizações ou de outros recursos interpretativos. É comum, nas áreas das trilhas, deparar-se com ambientes degradados, com a presença de lixo, pichação, erosão, entre outros. Nesse sentido, o presente trabalho pesquisou o impacto em duas trilhas localizadas ao sul da Reserva Ecológica da Joatinga, município de Paraty, Rio de Janeiro: a trilha Praia do Sono - Praia de Antigos e a trilha Enseada de Ponta Negra – Praia de Galhetas. Foi empregada uma metodologia perceptiva proposta por Cole (1987) e a metodologia proposta por Leung e Marion (1996). As características das trilhas analisadas foram: tamanho, presença de degraus, raízes e blocos rochosos, presença de lixo, áreas queimadas e outros tipos de degradação. Verificou-se que elas estão sofrendo com o impacto do turismo, já que foi possível observar áreas degradadas no entorno da trilha.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana de Almeida Rangel, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Mestranda em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Integrante do Lagesolos, Departamento de Geografia

Márcia Barbosa Martins, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Doutoranda em Meio Ambiente pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Pesquisadora do Lagesolos

Antonio José Teixeira Guerra, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Professor Titular do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro  – Coordenador do Lagesolos

Referências

ANDRADE, J. V. Turismo: Fundamentos e dimensões. São Paulo: Ed. Ática, 2008.

BRASIL. LEI N. º 9.985, de 18 de julho de 2000. Criação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC). Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm >. Acesso em: 13 jul. 2012.

CASTILHO, V. C. da. Propostas de Manejo e Planejamento Ambiental de Trilhas Ecoturísticas: Um Estudo no Maciço da Pedra Branca – Município do Rio de Janeiro (RJ). 2006. 325 f. Tese (Doutorado em Geografia)– Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

COLE, D.N. Research on soil and vegetation in wilderness: a state-of-knowledge review. In: LUCAS, R.C. Proceedings. National Wilderness Research Conference: Issues, State-of-knowledge, Future Directions. General Technical Report INT-220. Ogden, Utah : U.S. Department of Agriculture, Forest Service. Intermountain Research Station, 1987. p. 135-177.

________. Changes on trails in the Selway-Bitterroot Wilderness, Montana, 1978-89. Research Paper INT-450. Ogden, Utah: U.S. Department of Agriculture, Forest Service, Intermountain Research Station, 1991. 5 p.

________. Minimizing Conflict between Recreation and Nature Conservation. In: SMITH, D.S.; HELLMUND, P.C. (Org). Ecology of Greenways: Design and Function of Linear Conservation Areas. Minneapolis, M. : Univ. of Minnesota Press, p. 105-122, 1993.

________. Impacts of Hiking and Camping on Soils and Vegetation: A Review. In: BUCKLEY, R. Environmental impacts of ecotourism. Queensland, Australia: International Centre for Ecotourism Research. Griffith University, 2004.

IBGE. Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura. Rio de Janeiro, v. 20, p. 1-50, 2004.

ICMBio. Plano de Manejo Reserva Ecológica da União. Disponível em: < http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/imgs-unidades-coservacao/ENCARTE%201-rebio.pdf >. Acesso em: 23 dez. 2012.

INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE. Disponível em: < http://www.inea.rj.gov.br/index/index.asp >. Acesso em: 20 nov. 2012.

JEWELL, M. C.; HAMMITT, W. E. Assessing Soil Erosion on Trails: A Comparison of Techniques. In: USDA Forest Service Proceedings RMRS. v. 5., p. 133-140, 2000.

KROEFF, L. L. Contribuição metodológica ao planejamento de trilhas ecoturísticas no Parque Nacional da Serra dos Órgãos (PARNASO), RJ. 2010. 199 f. Dissertação (Mestrado em Geografia)– Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

LECHNER, L. Planejamento, implantação e manejo de trilhas em unidades de conservação. Cadernos de Conservação, Curitiba, Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, ano 3, n. 3, jun. 2006.

LEUNG, Y. F.; MARION, J. L. Trail degradation as influenced by environmental factors: A state-of-knowledge review. Journal of Soil and Water Conservation, v. 51, n. 2, p. 130-136, 1996.

MARQUES, M. C. M. Mapeamento da cobertura vegetal e listagem das espécies ocorrente na área de proteção ambiental de Cairuçu, município de Paraty, RJ. Rio de Janeiro: Fundação Nacional Jardim Botânico, 1997. 96 p.

NEIMAN, Z.; CARDOSO-LEITE, E.; PODADERA, D.S. Planejamento e implantação participativos de programas de interpretação em trilhas na “RPPN Paiol Maria”, Vale do Ribeira (SP). In: Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 2, n. 1, p.11-34, 2009.

PASSOLD, A. J. Seleção de indicadores para o monitoramento do uso público em áreas naturais. 2002. Dissertação (Mestrado em Agricultura) – Escola Superior de Agricultura Luiz e Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2002

RIO DE JANEIRO. Decreto N. º 17.981, de 30 de outubro de 1992. Criação da Reserva Ecológica de Joatinga, no município de Paraty, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.ief.rj.gov.br >. Acesso em: 3 dez. 2012.

SÁNCHEZ, L. E. Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: Oficina de Textos, 2006.

SANTOS, A. A. B. Conselhos gestores de Unidades de Conservação. 2008. 186 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais)- Departamento de Engenharia Florestal, Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

ICMBIO. Plano de Manejo da APA de Cairuçu. 2004. Disponível em: < http://www.icmbio.gov.br/portal/biodiversidade/unidades-de-conservacao/biomas-brasileiros/marinho/unidades-de-conservacao-marinho/2240-apa-de-cairucu.html >. Acesso em: 08 jul. 2012.

TAKAHASHI, L. Y. Caracterização dos visitantes, suas preferências e percepções e avaliação dos impactos da visitação pública em duas unidades de conservação do Estado do Paraná. 1998. 129 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba. 1998.

VIEIRA, A. J. N. L. Processos de Governança em Áreas de Proteção Ambiental: Análise a partir do Conselho Gestor da APA Itupararanga - SP. Dissertação (Mestrado em Geografia Física)– Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

Downloads

Publicado

2013-12-31