A TRILHA DO PEITO DO POMBO E O PERFIL DOS VISITANTES NA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL (APA) DO SANA – MACAÉ/RJ

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2019.v7n11p15

Resumo

As áreas protegidas contribuem para a proteção dos recursos naturais, proporcionarem o uso público através de atividades turísticas, recreativas, educativas, entre outras. O conhecimento prévio e o planejamento de uso dessas áreas são essenciais para sua conservação, principalmente no tocante ao estado das trilhas. O presente artigo apresenta informações sobre a Trilha do Peito do Pombo na Área de Proteção Ambiental do Sana (Macaé/RJ), seus usos e um levantamento geral sobre as características socioeconômicas de 98 usuários que foram entrevistados num período de intensa procura dos atrativos locais, principalmente os banhos de rio e cachoeiras. A extensão total da trilha é de 15 km (ida e volta) e este estudo foi realizado num trecho de 1,330 km, onde ocorre intensa circulação de usuários que buscam as piscinas naturais, principalmente nos meses mais quentes do ano (primavera e verão). Existem problemas de compactação e erosão do solo e poucas iniciativas voltadas à segurança dos usuários. A área atrai pessoas de várias regiões do Rio de Janeiro e também de outros estados. Muitos se hospedam no local, mas um percentual considerável permanece na área por um período inferior a 24 horas. Existem carências na fiscalização e nas estruturas de manejo que afetam negativamente as condições da trilha, assim como o princípio básico de manutenção de uma área protegida. Os dados obtidos poderão subsidiar iniciativas que melhorem a conservação e manejo da área, principalmente na segurança dos usuários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano Oliveira da Silva, Universidade Federal Fluminense

Possui Graduação em Geografia pela Universidade Federal Fluminense

Luiz Renato Vallejo, Universidade Federal Fluminense

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1977), mestrado em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1982) e doutorado em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (2005). Professor Titular do Departamento de Geografia da Universidade Federal Fluminense, atuando desde 1978. Tem experiência nas áreas de Ecologia Geral e Geografia, atuando principalmente nos seguintes temas: unidades de conservação, uso público em unidades de conservação, impactos ambientais, conflitos sócio-ambientais e educação ambiental.

Referências

ANDRADE, M.A; BRITO, I.A; FIGUEIREDO, M.A; ROCHA, C.T.V; TAKEUCHI, R.C; Compactação do solo como indicador pedogeomorfológico para erosão em trilhas de unidades de conservação: estudo de caso no Parque Nacional da Serra do Cipó, MG.Revista de Geografia. Recife: UFPE – DCG/NAPA, v. especial VIII SINAGEO, n. 3, Set. 2010

ANDRADE, W. J. Implantação e manejo de trilhas. In. Mitraud, S. (Org.). Manual de Ecoturismo de Base Comunitária: ferramentas para um planejamento responsável. Brasília: WWF Brasil, 2003. p. 247-259.

BRASIL. LEI Nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC). Brasília: IBAMA, Diretoria de Ecossistemas, 2002.

COSTA, V. C. Propostas de Manejo e Planejamento Ambiental de Trilhas Ecoturísticas: Um Estudo no Maciço da Pedra Branca – Município do Rio de Janeiro (RJ). Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

COVA, B. F. G; PIMENTEL, D. S. Mapeamento das trilhas do Parque Estadual da Serra da Tiririca (RJ): Planejamento para a gestão do uso público. Uso Público em Unidades de Conservação, Niterói, v.1, n.1, p.48-59, 2013. Disponível em <http://www.uff.br/usopublico>. Acesso em 15/01/2019.

GASPAR, N. M. Transformações no meio rural, atividades turísticas e medidas de proteção ambiental: o caso do Sana. Dissertação de mestrado. Rio de Janeiro: UFRJ/IFCS, 2003.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1989.

INSTITUTO FLORESTAL/SP. Manejo de trilhas: um manual para gestores – IF Série. Registros. Secretaria de Meio Ambiente – São Paulo, n.35. São Paulo, 2008.

KROEFF, L. L. Contribuição metodológica ao planejamento de trilhas ecoturísticas no Parque Nacional da Serra dos Órgãos (PARNASO), RJ. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

LABES, E. M. Questionário: do planejamento a aplicação na pesquisa. Chapecó: Grifos, 1998.

MAGRO, T. C. Impactos do Uso público em uma trilha no planalto do Parque Nacional do Itatiaia - Tese (Doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

MELLO, F. A. P. Ordenamento da malha de trilhas como subsídio ao zoneamento ecoturístico e manejo da visitação no Parque Natural Municipal de Nova Iguaçu – RJ. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Diagnóstico da visitação em parques nacionais e estaduais. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas, 2005.

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ (PMM). Área de Proteção Ambiental de Macaé, RJ. Plano de Manejo da APA do Sana. 2003. Disponível em: < http://www.macae.rj.gov.br/midia/conteudo/arquivos/1355215772.pdf > Acesso em 25/01/2019

RANGEL, L. A. Avaliação da trilha Sahy-Rubião no Parque Estadual Cunhambebe em Mangaratiba (RJ) 2016. Monografia (Especialização em Análise Ambiental e Gestão do Território) – Escola Nacional de Ciências Estatísticas, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Rio de Janeiro, 2016.

RANGEL, L. A.; BOTELHO, R. G. M. Análise ambiental da trilha Sahy-Rubião no parque estadual Cunhambebe em Mangaratiba (RJ) por meio de um protocolo de avaliação rápida. Geo UERJ, Rio de Janeiro, n. 30, p. 391-418, 2017.

RANGEL, L. A; MARTINS, M. B; GUERRA, A. J. T. Impactos ambientais causados pela utilização de trilhas na Reserva Ecológica da Joatinga, Paraty, RJ. In: Anais Uso Público em Unidades de Conservação, Niterói, v.1, n.3, p.55-65, 2013. Disponível em < http://www.periodicos.uff.br/uso_publico/article/view/28715/16658>. Acesso em 15/01/2019.

SEABRA, L. S. Monitoramento participativo do turismo desejável – Uma proposta metodológica para os estudos de capacidade de suporte turístico no Sana – Macaé – RJ. Tese – Universidade Federal do Rio de Janeiro – Programa de Pós Graduação em Geografia, 2005.

SILVA, A. O. da; CASTRO, A. O. C. de. Avaliação dos impactos de uso público na trilha ecológica da praia do Perigoso – Parque Natural de Grumari, RJ. In: Anais Uso Público em Unidades de Conservação, Niterói, v.1, n.5, p.01-12, 2015. Disponível em:< http://www.periodicos.uff.br/uso_publico/article/view/28757/16685> Acesso em 25/01/2019.

TAKAHASHI, L. Y. Caracterização dos visitantes, suas preferências e percepções e avaliação dos impactos da visitação pública em duas unidades de conservação do Estado do Paraná. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1998.

Downloads

Publicado

2021-03-11