POTENCIALIDADES DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU NA REGIÃO TURÍSTICA BAIXADA VERDE (RJ)

Autores

  • Joana da Silva Castro Santos UFRJ
  • Carlos Henrique
  • Josilene Satyro

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2020.v8n12p1

Palavras-chave:

turismo, baixada verde, Unidades de Conservação

Resumo

Esta pesquisa buscou analisar a participação do Parque Natural Municipal de Nova Iguaçu (PNMNI) como Unidade de Conservação, com grandes potencialidades para o lazer e o turismo, especialmente como parte da Região Turística Baixada Verde. A metodologia escolhida partiu da revisão bibliográfica com o objetivo de identificar o potencial turístico do Parque na mais nova região turística, criada em 2017, pelo Ministério do Turismo. O estudo revelou que o Parque não só possui as características e potencialidades necessárias ao desenvolvimento do turismo e do lazer no município e região, como apontou que o PNMNI se configura como um dos principais atrativos naturais da Baixada Verde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Henrique

Graduado em Tecnologia em Gestão de Turismo. Nova Iguaçu, RJ

Josilene Satyro

Mestre em Desenvolvimento Territorial e Políticas Públicas (UFRRJ). Especialista em Gestão Pública Municipal (UNIRIO). Bacharel em Administração (UNESA). Bolsista do Consórcio CEDERJ como Articuladora Acadêmica e Mediadora Pedagógica Presencial no curso de graduação semipresencial em Tecnologia em Gestão de Turismo (CEFET/RJ).

Referências

BENI, M. C. Análise estrutural do turismo. São Paulo: SENAC, 1998.

BOULLÓN, R. C. Atividades turísticas e recreativas: o homem como protagonista. São Paulo: EDUSC, 2004.

BRASIL. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Lei nº 9.985 de julho de 2000. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9985.htm. Acessado em 04 de set. de 2019.

________. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC). Lei nº 9.985 de 18 de julho de 2000 e Decreto nº 4.340 de 22 de agosto de 2002. 2. Ed. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2002.

________. Ministério do Turismo. Portaria nº 197 de 14 de setembro de 2017. Define o Mapa do Turismo Brasileiro e dá outras providências. Brasília: Ministério do Turismo, 2017. Disponível em: > http://www.turismo.gov.br/images/pdf/Portaria_n_197_de_14_09_2017_Mapa_2017.pdf.\. Acessado em: 07 de set. de 2019.

CARNEIRO, M. Rural Semanal. Ano XXVI, nº 06, 08 a 14 de julho de 2019. Disponível em: > https://portal.ufrrj.br/wp-content/uploads/2019/07/RS_06_2019.pdf < . Acessado em: 07 de set. de 2019.

DIEGUES, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada, São Paulo: Hucitec, 1998.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. Ed. São Paulo: Atlas, 2002. Disponível em: > http://www.uece.br/nucleodelinguasitaperi/dmdocuments/gil_como_elaborar_projeto_de_pesquisa.pdf.< Acesso em 20 de setembro de 2020.

JORNAL DE HOJE. Plano Estratégico do Turismo da Baixada Verde é concluído. Disponível em: > https://jornalhoje.inf.br/wp/?p=74418 <. Acessado em: 06 de set. de 2019.

MELLO, F. A. P. Ordenamento da malha de trilhas como subsídio ao zoneamento ecoturístico e manejo da visitação no Parque Natural Municipal de Nova Iguaçu – RJ. Dissertação orientada pela Profª Drª Nadja Maria Castilho da Costa – Rio de Janeiro, 2008.

MOTOKI, A.; VARGAS, T. Guia de excursão geológica – 1 – Parque Municipal de Nova Iguaçu – RJ. Departamento de Mineralogia e Petrologia Ígnea - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, versão 1.0, setembro de 2010.

NIMA – Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente/ Educação Ambiental. Formação de valores ético-ambientais para o exercício da cidadania no Município de Nova Iguaçú. PETROBRÁS, Prefeitura Municipal de Nova Iguaçu. – Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2010.

ODUM, E. P. Fundamentos de Ecologia. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

PLANO ESTRATÉGICO DA REGIÃO TURISTICA BAIXADA VERDE. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Estado do Rio de Janeiro – Sebrae/RJ. Rio de Janeiro, 2017.

ROCHA, A. S. Geografia política das representações: projetos e jogos de poder na apropriação da Baixada fluminense. In: Encontro de Geógrafos da América Latina. Anais do 14. EGAL. Peru, 2013.

RUSCHMANN, D. V. M. Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. Campinas, SP: Papirus, 1997.

SANTOS, J. S. C.. Uso público em parques – Estudo de caso: Parque Natural Municipal de Nova Iguaçu. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Turismo) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. Disponível em: > https://www.academia.edu/10249152/USO_P%C3%9ABLICO_EM_PARQUES_-_ESTUDO_DE_CASO_PARQUE_NATURAL_MUNICIPAL_DE_NOVA_IGUA%C3%87U <. Acesso em 20 de outubro de 2019.

SANTOS, M. Metamorfose do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da Geografia. São Paulo: EdUSP, 2008.

SEBRAE-RJ, Serviço Brasileiro Apoio às Micro e Pequenas Empresas/Rio de Janeiro. (2018). Plano Estratégico da Região Turística - Baixada Verde. Rio de Janeiro: SEBRAE/RJ, 2018.

SILVA, L. De Grande Iguaçu à Baixada Fluminense: Formação econômica e urbana de uma região. XII Congresso Brasileiro de História Econômica & 13ª Conferência Internacional de História de Empresas. Niterói-RJ, agosto de 2017.

TRIGO, L. G. G. Turismo básico. São Paulo: SENAC São Paulo, 2004.

Downloads

Publicado

2020-12-31