AVALIAÇÃO DAS POSSIBILIDADES DO USO DE IMAGENS DEPOSITADAS NA INTERNET PARA A GESTÃO DO USO PÚBLICO EM PARQUES

Autores

  • Douglas de Souza Pimentel Universidade do Estado do Rio de Janeiro/ Professor Associado; Universidade Federal Fluminense/ Professor Associado https://orcid.org/0000-0002-8025-1891
  • Priscila Gonçalves Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Pesquisadora https://orcid.org/0000-0002-4200-8639
  • Agnes Barbosa Guimarães Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Graduanda
  • Carolina Lopes Silva Santos Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Graduanda
  • Dayane Campos Figueiredo Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Graduanda

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2020.v8n13p51

Palavras-chave:

Parque Estadual da Serra da Tiririca, Visitação, Avaliação de Impactos, Percepção Ambiental

Resumo

O uso de imagens para orientar a gestão do uso público em parques é um recurso que permite conjugar a percepção dos visitantes aos conceitos e procedimentos técnicos do planejamento, monitoramento e manejo dos impactos da visitação. O presente artigo objetivou analisar imagens obtidas no Costão de Itacoatiara do Parque Estadual da Serra da Tiririca (PESET), bem como avaliar a possibilidade de uso da metodologia para a gestão do uso público em parques. Foram selecionadas para a avaliação, as primeiras 100 imagens da lista apresentada pela plataforma de busca do google images. Foram estabelecidas categorias e indicadores, para contabilizar o número de imagens. Os procedimentos foram replicados por cinco pesquisadores. A maioria das imagens obtidas pela pesquisa foi registrada no Costão de Itacoatiara. O segundo maior número de registros também aconteceu dentro do PESET. A atração é primordialmente visitada por pessoas sozinhas ou em dupla. O número de fotos da paisagem formou parte significativa dos registros e remetem ao objetivo da visita, que é a sua contemplação ou pelo menos a demonstração de uma postura contemplativa. A análise dos dados corroborou com o perfil comportamental dos visitantes, como já observado por outros pesquisadores. Não houve diferenças significativas na análise entre avaliadores. Identificou-se também a necessidade de implantação de um programa de Educação e Interpretação Ambiental no Costão de Itacoatiara

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Douglas de Souza Pimentel, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/ Professor Associado; Universidade Federal Fluminense/ Professor Associado

Possui Graduação em Licenciatura (1992) e Biologia Marinha (1994) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e Mestrado em Ecologia pelo PPGE da mesma Universidade (1996), quando trabalhou com Ecologia Microbiana. Obteve o título de Doutor no Departamento de Ciências Florestais da ESALQ - Universidade de São Paulo, na área de Conservação de Ecossistemas (2008). Atuou como professor concursado na Escola Estadual de Ensino Supletivo Cuba e posteriormente em duas matriculas no Colégio Pedro II. Em 1997 ingressou na Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, onde leciona disciplinas na área de Ecologia e Conservação para o curso de Graduação em Ciências Biológicas, para o curso de Especialização em Educação Básica, bem como para o Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências, Ambiente e Sociedade. Atualmente também é Professor Adjunto do Instituto de Geociências da Universidade Federal Fluminense, ministrando Ecologia para turmas dos cursos de Geografia e de Engenharia, além de compor o corpo docente do Programa de Pós Graduação em Biologia Marinha e Ambientes Costeiros, do Instituto de Biologia. Tem experiência em Gestão, Manejo e Uso Público em Unidades de Conservação.

Priscila Gonçalves Costa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Pesquisadora

Mestra pelo Programa de Pós Graduação em Ecoturismo e Conservação da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO,2020), Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ, 2019), Especialista em Direito Ambiental (AVM Faculdades Integradas, 2016) e Tecnóloga em Gestão Ambiental pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET, 2013); Bolsista pelo Programa de Apoio Técnico às Atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão (PROATEC) do Grupo de Estudos Interdisciplinares do Ambiente (GEIA/UERJ). 

Agnes Barbosa Guimarães, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Graduanda

Graduanda em Ciências Biólogicas pela Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Bolsista de Iniciação Científica pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica/UERJ do Grupo de Estudos Interdisciplinares do Ambiente (GEIA/UERJ).

Carolina Lopes Silva Santos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Graduanda

Graduanda em Ciências Biólogicas pela Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Bolsista de Extensão pelo Grupo de Estudos Interdisciplinares do Ambiente (GEIA/UERJ).

Dayane Campos Figueiredo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Graduanda

Graduanda em Ciências Biólogicas pela Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Membro do Grupo de Estudos Interdisciplinares do Ambiente (GEIA/UERJ).

Referências

Bananal (Parque Estadual da Serra da Tiririca, Niterói, RJ). Dissertação, Mestrado em Biologia Marinha e Ambientes Costeiros. Universidade Federal Fluminense, 101p. 2016

BARCELLOS, M. M.; MAIA, S.; MEIRELES, C. P.; PIMENTEL, D. S. Elaboração da trilha interpretativa no Morro das Andorinhas: Uma proposta de Educação Ambiental no Parque Estadual da Serra da Tiririca, RJ. Anais do Uso Público em Unidades de Conservação. v.1, p. 30-41. 2013

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. 229 p. 1977

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Decreto nº 4.940, de 22 de Agosto de 2002. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC. Brasília: IBAMA, Diretoria de Ecossistemas. 35 p. 2000

CHUENPAGDEE, R.; MODINO, R. de la Cruz; PALADINES, M. J. B.; GLIKMAN, J. A.; FRAGA, J.; JENTOFT, S.; FERNÁNDEZ, J. J. P. (2020) Governing from images: Marine protected areas as case illustrations. Journal for Nature Conservation, ScienceDirect - Elsevier, v. 53, ed. 125756.

CIFUENTES, M. Determinación de capacidad de carga turística em áreas protegidas. WWF/CATIE. Turrialba, Costa Rica. 26p. 1993

COSTA, P. G.; PIMENTEL, D. S.; SIMON, A. V. S.; CORREIA, A. R. Trilhas Interpretativas para Uso Público em Parques: Desafios para Educação Ambiental. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v.12, n.5, nov 2019-jan, pp.823-843. 2020

COVA B. F. G.; PIMENTEL D. S. Mapeamento das trilhas do Parque Estadual da Serra da Tiririca (RJ): planejamento para a gestão do uso público. Anais do Uso Público em Unidades de Conservação, Niterói/RJ, 1(1):48-59. 2013

DINIZ, F. K. B. Diagnóstico da visitação no Costão de Itacoatiara, Parque Estadual da Serra da Tiririca, Niterói, RJ. Brasil. Dissertação, Mestrado em Biologia Marinha e Ambientes Costeiros. Universidade Federal Fluminense. 101p. 2016

HAMMITT, W. E.; COLE, D. N. Wildland recreation ecology and management. New York: John Wiley & Sons, 2ed. 361p. 1998

INEA. Resumo Executivo - Plano de Manejo Parque Estadual da Serra da Tiririca - PESET. Visitação e pontos turísticos, no. 2019 (FEVEREIRO): 29. http://www.inea.rj.gov.br/wp-content/uploads/2019/02/PESET-RE.pdf. 2015

LLORCA, R. M.; MÉNDEZ, P. F.; CANDEIRA, A. R.; SEGURA, D. A.; SANTAMARÍA, L.; RIDAO, Á. F. R.; REVILLA, E.; GARCÍA, F. J. B.; VAZ, A. S. Evaluating tourist profiles and nature-based experiences in Biosphere Reserves using Flic.kr: Matches and mismatches between online social surveys and photo content analysis. Science of The Total Environment, ScienceDirect, v. 737, ed. 140067, 1 out. 2020

MAIA, S. M. S. Avaliação do uso público em áreas de escalada na Serra da Tiririca, Niterói/Maricá, Rio de Janeiro, Brasil. Dissertação. Mestrado em Ensino de Ciências, Ambiente e Sociedade . 128p. 2015

MANING, R. E. Density, crowding and satisfaction: search for relationships. In: Studies in outdoor recreation. Oregon State University press: Ovvallis, cap.5. p. 49-77. 1986

MANNING, R. Parks and Carrying Capacity: Commons Without Tragedy. Washington, D.C.: Island Press, 313 p. 2007

MEIRELES, C.P.; SANTOS, D. C. R.; PIMENTEL, D. S. Caminhos para a Educação Ambiental em Parques. Anais do Uso Público em Unidades de Conservação. v. 6, p. 55-70. 2018

MOIMAZ, M. R.; VESTENA, C. L. B. Fenomenologia e percepção ambiental como objeto de construção à Educação Ambiental. Revista Brasileira De Educação Ambiental (RevBEA), 12(2), 67-78. 2017

OLIVEIRA, L. R. N. (Org). Unidades de conservação da natureza. São Paulo, n. 3. Cadernos de Educação Ambiental. São Paulo, Governo do Estado de São Paulo; Secretaria do Meio Ambiente; Fundação Florestal, n. 3. 2009 Disponível em:< http://www.ambiente.sp.gov.br/wp-content/uploads/publicacoes/sma/unidConservNat.pdf>.

PIMENTEL, D. S. Os Parques de papel e o papel social dos parques. Tese. (escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz /USP. 2008

PIMENTEL, D. S. Parcerias para a gestão do uso público em parques. Anais do Uso Público em Unidades de Conservação. v. 1 n. 1, p. 27-38. 2013

PIMENTEL, D. S.; MAGRO, T. C. The symbolic sphere and social representations of Serra da Tiririca State Park, Rio de Janeiro, Brazil. Sociedade & Natureza (UFU. Online), v. 23, p. 275-283. 2011

PIMENTEL, D. S.; MAGRO, T. C. Indicadores para a gestão da inserção social de parques. Olam: Ciência & Tecnologia (Rio Claro. Online), v. XII, p. 254-277. 2012a

PIMENTEL, D. S.; MAGRO, T. C. Múltiplos olhares, muitas imagens: o manejo de parques com base na complexidade social. GEOgraphia (UFF), v. 2011, p. 92-113. 2012b

PIMENTEL, D.S.; MAGRO, T. C.; SILVA FILHO, D. F. Imagens da Conservação: Em busca do apoio público para a gestão de Unidades de Conservação. Teoria & Sociedade (UFMG), v. 19, p. 144-168. 2013

PIMENTEL, D. S.; SOUZA, J. P. de; MAGRO, T. C. Em busca de um conceito multidimensional de unidade de conservação. Vozes em Diálogo, v. 2, p. 1-17. 2009

PIMENTEL, D. S.; BARCELLOS, M. M.; MEIRELES, C. P. ; OLIVEIRA, M. L. ; SANTOS, V. P. Trilhas Interpretativas como estratégia de Educação Ambiental em Unidades de Conservação. In: SANTORI, R. T.; SANTOS, M. G.; SANTOS, M. C. F DOS. (Org.). Da Célula ao Ambiente: Propostas para o ensino de Ciências e Biologia. 1ed. São Gonçalo: Faculdade de Formação de Professores UERJ, v. 1, p. 179-201. 2017

PIRES, P. S. "Capacidade de carga" como paradigma de gestão dos impactos da recreação e do turismo em áreas naturais. Revista Turismo Em Análise, 16(1), 5-28. https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v16i1p5-28 2005

TAKAHASHI, L. Uso Público em Unidades de Conservação. Cadernos de Conservação, Curitiba, v. 2, n.2, 40 p. 2004

VALLEJO, L. R. Uso público em áreas protegidas: atores, impactos, diretrizes de planejamento e gestão. Anais do Uso Público em Unidades de Conservação. v.1, n.1, p. 13-26. 2013

VASCO, A. P.; ZAKRZEVSKI, S. B. V. O estado da arte das pesquisas sobre percepção ambiental no Brasil. Perspectiva, Erechim, v. 34, n. 125, p. 17-28. 2010

Downloads

Publicado

2020-12-31