A LAGOA DO SÃO BENTO

PROPOSTA PARA A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO E INFRAESTRUTURA DE VISITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE MARICÁ, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2020.v8n13p11

Palavras-chave:

Restinga, áreas úmidas, refúgio de vida silvestre, ecoturismo, urbanismo verde

Resumo

A Lagoa de São Bento com seus 6,9 ha é o resquício de um antigo alagado que cobria boa parte da restinga de Itaipuaçu, Maricá, estado do Rio de Janeiro. Apesar da urbanização do entorno, a área abriga uma elevada riqueza de espécies da fauna e flora, algumas ameaçadas de extinção. A Lagoa presta serviços ecossistêmicos que representam economia de verbas públicas, além de ser local usado em pesquisas e com potencial turístico, mas sofre diversos impactos pela falta de divulgação, proteção e não recebe a devida atenção do governo municipal. Devido as suas características ecológicas, importância econômica e socioambiental regional, propomos sua transformação em uma unidade de conservação da natureza como refúgio de vida silvestre municipal, juntamente com elementos necessários para sua conservação, manejo inicial, ecoturismo e infraestrutura verde do entorno. Desta forma, associamos a preservação da Lagoa do São Bento com o desenvolvimento urbano sustentável regional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Antônio Lourenço, Faculdade de Formação de Professores UERJ, Departamento de Ciências.

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Evolução da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - PPGEE / UERJ, com Tese sobre Ecologia de comunidade de anuros (2010). Mestre em Biologia com concentração em Ecologia - PPGB / UERJ (2005), com Dissertação sobre Ecologia de serpentes. Desde 2000 realiza pesquisas sobre a herpetofauna do Bioma Mata Atlântica, em diferentes ecossistemas, no Estado do Rio de Janeiro. Profissionalmente, atua como Professor Visitante na UERJ - FFP no curso de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, Ambiente e Sociedade (PPGEAS), inclusive na orientação de alunos. Foi Professor Substituto lecionando disciplinas em Ecologia e Zoologia para o curso de Licenciatura em Biologia na FFP - UERJ (1999 - 2000 e 2009 - 2011). Biólogo concursado da Secretaria Municipal de Meio Ambiente do Rio de Janeiro, atuando na Gerência de Gestão de Unidades de Conservação e na Subgerência de Monitoramento de Biodiversidade, onde desenvolve estudos e projetos para a criação e implantação de unidades de conservação da natureza; para a recuperação ecológica de paisagens e para o manejo da fauna e flora, inclusive de espécies exóticas invasoras (desde 2000). Foi Chefe da Divisão de Unidades de Conservação no Instituto de Florestas do Estado do Rio de Janeiro (IEF-RJ) (1999 - 2000). Consultor Sênior, atuando na avaliação de áreas naturais; impactos ambientais; inventários faunísticos e florísticos; na criação, implantação e gerenciamento de unidades de conservação da natureza e no manejo de fauna e flora. Também tem publicado artigos, capítulos e livros abordando temas em ecologia, educação ambiental, herpetofauna e unidades de conservação da natureza.

Márcia Cristina Moraes

Arquiteta, Mestrado Profissional em Arquitetura Paisagística

 

Flávio Augusto Pereira, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Veterinário, Doutorado em Gestão e Estruturação do Espaço Geográfico

Ana Angélica Monteiro, Programa de Pós-Graduação em Ensino, Ambiente e Sociedade, Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Docente, Doutorado em Botânica pelo jardim Botânico do Rio de Janeiro. Programa de Pós-Graduação em Ensino, Ambiente e Sociedade, Faculdade de Formação de Professores

Davi Nepomuceno, Departamento de Ciências, Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Biólogo, Mestrado em Botânica pelo Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Pedro Ricardo Barros, Programa de Pós-Graduação em Ensino, Ambiente e Sociedade, Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Biólogo, Mestrando em Ensino, Ambiente e Sociedade. Programa de Pós-Graduação em Ensino, Ambiente e Sociedade, Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Referências

A GAZETA IMÓVEIS (2020) Imóveis perto da natureza são mais valorizados. Disponível em: https://www.agazeta.com.br/imoveis/imoveis-proximos-da-natureza-sao-mais-valorizados-0320 Acessado em: 03 nov. 2020.

AIOLFI, R. B.; HASSE, B.; BERNADON, A.; GODOY, W. I. (2011) Trilha ecológica como um recurso pedagógico à educação ambiental. Synergismus scyentifica, n. 6, v. 1, p. 1-9.

ARAUJO, D. S. D. (2008) A vegetação da Restinga de Maricá: sua importância no contexto de preservação da flora fluminense. In: Processo n° 02000.000555/2008-42 - Propõe ao MMA a criação da Reserva de Desenvolvimento Sustentável da Restinga de Maricá, Ilha Cardosa e Ponta do Fundão, Município de Maricá/RJ. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/processos/AD9BCD27/LaudoDorothSue_2007.pdf >. Acessado em: 9 nov. 2020.

ATTANASIO, C. M.; CARLINI-GARCIA, L. A.; MELLO, F. N. A. (2015) Métodos para restauração de florestas de brejo degradadas. Pesquisa & Tecnologia, n. 12, v. 1, p. 1-6. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/298350217_Metodos_para_Restauracao_de_Florestas_de_Brejo_Degradadas. Acessado em: 3 nov. 2020.

BERGALLO, H. G.; ROCHA, C. F. D.; ALVES, M. A. S.; VAN SLUYS, M. (2000) A fauna ameaçada de extinção do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: EdUERJ, 166 p.

BOVE, C. P.; PAZ, J. (2009) Guia de campo das plantas aquáticas do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, Rio de Janeiro, Brasil. Rio de Janeiro: Museu Nacional, 176 p.

BRASIL (2000) Lei Federal no 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União 18.07.2000, Seção 1.

BRASIL (2014a) Portaria no. 443 de 17 de dezembro de 2014. Reconhece como espécies da flora brasileira ameaçadas de extinção. Diário Oficial da União, n. 245, p. 110-121.

BRASIL (2014b) Portaria no. 444 de 17 de dezembro de 2014. Reconhece como espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção. Diário Oficial da União, n. 245, p. 121-126.

BRASIL (2014c) Portaria no. 445 de 17 de dezembro de 2014. Reconhece como espécies de peixes e invertebrados aquáticos ameaçadas de extinção. Diário Oficial da União, n. 245, p. 126-130.

BRATMAN1, G. N.; ANDERSON, C. B.; BERMAN, M. G.; COCHRAN, B.; DE VRIES, S.; FLANDERS, J.; FOLKE, C.; FRUMKIN, H.; GROSS, J. J.; HARTIG, T.; KAHN JR., P. H.; KUO, M.; LAWLER, J. J.; LEVIN, P. S.; LINDAHL, T.; MEYER-LINDENBERG, A.; MITCHELL, R.; OUYANG, Z.; ROE, J.; SCARLETT, L.; SMITH, J. R.; VAN DEN BOSCH, M.; WHEELER, B. W.; WHITE, M. P.; ZHENG, H.; DAILY, G. C. (2019) Nature and mental health: An ecosystem service perspective. Science Advances, n. 5: eaax0903. Disponível em: <http://advances.sciencemag.org.> Acessado em: 3 de nov. 2020.

CAMACHO, I.; PONTES, J. A. L. (2015) Aves do Lago de São Bento, Itaipuaçu, Maricá, RJ. Táxeus - Listas de espécies. Disponível em: <http://www.taxeus.com.br/lista/5888> Acessado em: 1 nov. 2020.

CARMO, M. A. M.; LACERDA, L. D. (1984) Limnologia de um brejo de dunas em Maricá, RJ. In: LACERDA, L. D.; ARAÚJO, D. S. D.; CERQUEIRA, R.; TURCQ, B. (Org.). Restingas: origem, estrutura e processos. Niterói: CEUFF, p. 453-458.

CONTI, B. R.; IRVING, M. A.; ANTUNES, D. C. (2015) O ICMS-Ecológico e as unidades de conservação no estado do Rio de Janeiro. Revista Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 35, p. 241-258. DOI: 10.5380/dma.v35i0.41204.

COSTA, W. J. E. M. (2003) Peixes anuais brasileiros: diversidade e conservação. Curitiba: Editora UFPR, 240 p.

COSTANZA, R.; D’ARGE, R.; GROOT, R.; FARBERK, S.; GRASSO, M.; HANNON, B.; LIMBURG, K.; NAEEM, S.; O’NEILL, R. V.; PARUELO, J.; RASKIN, R. G.; SUTTON, P. & BELT, M. (1997) The value of the world’s ecosystem services and natural capital. Nature, n. 387, p. 253-260.

COSTANZA, R.; GROOT, R.; BRAAT, L.; KUBISZEWSKI, I.; FIORAMONT, L.; SUTTON, P.; FARBER, S.; TURNER, R. K. (2014) Changes in the global value of ecosystem services. Global Environmental Change, n. 26, p. 152-158.

DIAZ-CHRISTIANSEN, S.; LÓPEZ-GUZMÁN, T.; GÁLVEZ, J. C. P.; MUÑOZ-FERNÁNDEZ, G. A. (2016) Wetland tourism in natural protected areas: Santay Island (Ecuador). Tourism Management Perspectives, n. 20, p. 47-54. Disponível em: <https://doi.org/10.1016/j.tmp.2016.07.005>. Acessado em: 1 nov. 2020.

DUARTE, M. B. (2019) A herpetofauna da Lagoa do São Bento, Barroco, Itaipuaçu, Maricá, estado do Rio de Janeiro. Monografia de Bacharelado, Universidade Santa Úrsula, Rio de Janeiro, 73 p.

EIRIN, M. T.; BENTO, B. B. (2005) APA – Área de Proteção Ambiental. In: Lambraki, A. (Org.). Compêndios da história de Maricá. Rio de Janeiro: Cop Editora e Gráfica Ltda., p. 25-36.

RIO DE JANEIRO. (Estado). (1998) Portaria SEMA 01 de 05 de junho de 1998. Lista das espécies da fauna ameaçadas de extinção no estado do Rio de Janeiro. Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro, n. 102, p. 9-16.

FERNANDEZ, E.; MORAES, M.; NOGUEIRA, P. M.; MARGON, H.; BAJGIELMAN, T.; WIMMER, F.; POUGY, N.; MARTINS, E.; LOYOLA, R.; SILVEIRA FILHO, T. B.; MARTINELLI, G. (2018) Histórico de ocupação e vetores de pressão no estado do Rio de Janeiro. In: MARTINELLI, G.; MARTINS, E.; MORAES, M.; LOYOLA, R.; AMARO, R. (Org.) Livro vermelho da flora endêmica do estado do Rio de Janeiro, 1a Edição. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson, Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro, p. 25-32.

FONTENELLE, T. H.; CORRÊA, W. B. (2014) Impactos da urbanização no espelho d’água dos sistemas lagunares de Itaipu e de Piratininga, Niterói (RJ), entre 1976 e 2011. Boletim de Geografia, n. 32, v. 2, p. 150-157. DOI: 10.4025/bolgeogr.v32i2.18745

GODOY, V. F.; SILVA, A. F. G.; MENEZES, P. M. L. (2011) Cartografia histórica e navegação virtual do centro do Rio de Janeiro. In: Anais do I Simpósio Brasileiro de Cartografia Histórica, n. 1, p. 1-16.

GREEN, A. J.; ALCORLO, P.; PEETERS, E. T. H. M.; MORRIS, E. P.; ESPINAR, J. L.; BRAVO-UTRERA, M. A.; BUSTAMANTE, J.; DÍAZ-DELGADO, R.; KOELMANS, A. A.; MATEO, R.; MOOIJ, W. M.; RODRÍGUEZ-RODRÍGUEZ, M.; VAN NES, E. H.; SCHEFFER, M. (2017) Creating a safe operating space for wetlands in a changing climate. Ecology Environment, n. 15, v. 2, p. 99-107, doi:10.1002/fee.1459

HERZOG, C. P. (2013) Cidade para todos: (re)aprendendo a conviver com a natureza. Rio de Janeiro: Editora Mauad X e Inverde, 311 p.

HILL, CH2M (2014) Wetland design guidelines. Saskatoon, CH2M HILL, 103 p. Disponível em: <https://www.saskatoon.ca/sites/default/files/documents/transportation-utilities/construction-design/new-neighbourhood-design/wetlands_design_guidelines.pdf>. Acessado em: 7 nov. 2020.

HUMMEL, C.; POURSANIDIS, D.; ORENSTEIN, D.; ELLIOTT, M.; ADAMESCU, M.C.; CAZACU, C.; ZIV, G.; CHRYSOULAKIS, N.; VAN DER MEER, J.; HUMMEL, H. (2019) Protected area management: fusion and confusion with the ecosystem services approach. Science of the Total Environment, n. 651, p. 2432-2443. Disponível em: <https://doi.org/10.1016/j.scitotenv.2018.10.033>. Acessado em: 7 nov. 2020.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE – ICMBIO. (2016a) Boas práticas na gestão de unidades de conservação, edição 02. MMA, Instituto de Pesquisas Ecológicas, 148 p.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE – ICMBIO (2016b) Educação ambiental em unidades de conservação: 2016 ações voltadas para comunidades escolares no contexto da gestão pública da biodiversidade, 66 p.

JUNK, W.J.; PIEDADE, M.T.F.; LOURIVAL, R.; WITTMANN, F.; KANDUS, P.; LACERDA, L.D.; BOZELLI, R.L.; ESTEVES, F.A.; CUNHA, C.N.; MALTCHIK, L.; SCHÖNGART, J.; SCHAEFFER-NOVELLI, Y.; AGOSTINHO, A.A. (2014) Brazilian wetlands: their definition, delineation, and classification, for research, sustainable management, and protection. Aquatic Conservation: Marine and Freshwater Ecosystems, n. 24, v.1, p. 5-22.

KOTTEK, M.; GRIESER, J.; BECK, C.; RUDOLF, B.; RUBEL, F. (2006). World map of the Köppen-Geiger climate classification updated. Meteorologische Zeitschrift, n. 15, p. 259-263.

LAMEGO, A.R. (1946) O homem e a restinga. Rio de Janeiro: Serviço Gráfico do IBGE, n. 2, p. 1-227. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv27287_v2.pdf>. Acessado em: 3 nov. 2020.

LOYOLA, R.; MACHADO, N.; RIBEIRO, B. R.; MARTINS, E.; MARTINELLI, G. (2018) Áreas prioritárias para a conservação da flora endêmica do estado do Rio de Janeiro, 1ª. Edição. Rio de Janeiro: Graficci Programação Visual, 60 p.

MELLO, F.A.P. (2016) Geoecologia de trilhas: contribuição conceitual e metodológica para o planejamento e manejo de trilhas na gestão do uso público em parques. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, Instituto de Geografia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 212 p. DOI: 10.13140/RG. 2.2. 13936.10247. Disponível em: <https://www.academia.edu/38974326/Geoecologia_de_trilhas_uma_nova_proposta_metodol%C3%B3gica_para_o_planejamento_e_manejo_de_trilhas_na_gest%C3%A3o_do_uso_p%C3%BAblico_em_unidades_de_conserva%C3%A7%C3%A3o_da_natureza_Rio_de_Janeiro_2016> Acessado em: 3 nov. 2020.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE – MMA (2019) Roteiro para criação de unidades de conservação municipais, 2ª. Edição. Brasília: Secretaria de Biodiversidade, Departamento de Áreas Protegidas, 84 p.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO – MPRJ (2018) Inquérito civil no. 2018-00528981. Niterói: Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Defesa do Meio Ambiente e do Patrimônio Natural do Núcleo de Niterói, 11 de junho de 2018, 191 p. + anexos.

NEVES, D. M.; DEXTER, K. G.; PENNINGTON, R. T.; VALENTE, A. S. M.; BUENO, M. L.; EISENLOHR, P. V.; FONTES, M. A.; MIRANDA, P. L. S.; MOREIRA, S. N.; REZENDE, V. L.; SAITER, F. Z.; OLIVEIRA-FILHO, A. T. (2017) Dissecting a biodiversity hotspot: The importance of environmentally marginal habitats in the Atlantic Forest Domain of South America. Diversity and Distributions, n. 23, p. 1-12.

NIMER, E. (1989) Climatologia no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 421 p.

OLIVEIRA, D. R.; PAES-PINTO, M. P.; SILVA, L. M. R.; NUNES, R. P. & PONTES, J. A. L. (2015) Os Mamíferos terrestres do Parque Natural Municipal Bosque da Barra, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. In: PONTES, J. A. L. (Org.) Biodiversidade carioca: segredos revelados. Rio de Janeiro: Technical Books, p. 246-256.

PERRIN, P. (1984) Evolução da costa fluminense entre as pontas de Itacoatiara e Negra: preenchimentos e restingas. In: LACERDA, L. D.; ARAÚJO, D. S. D.; CERQUEIRA, R.; TURCQ, B. (Org.) Restingas: origem, estrutura e processos. Niterói: CEUFF, p. 65-73.

PETRALLI, M.; MASSETTI, L.; BRANDANI, G.; ORLANDINI, S. (2014) Urban planning indicators: useful tools to measure the effect of urbanization and vegetation on summer air temperatures. International Journal of Climatology, n. 34, v. 4, p. 1236-1244.

POMPÊO, M. (2008) Monitoramento e manejo de macrófitas aquáticas. Oecologia Brasiliensis, n. 12, p. 406-424.

PONTES, J. A. L. (1987) Serra da Tiririca, RJ: Necessidade de Conservação (1ª. Contribuição). Boletim FBCN, n. 22, p. 89-94.

PONTES, J. A. L. (2018) Parecer e avaliação sobre a intervenção da Secretaria Municipal de Obras na Lagoa do São Bento, Barroco, Itaipuaçu, Maricá, RJ. São Gonçalo: Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, Ambiente e Sociedade, Faculdade de Formação de Professores, UERJ, 14 p. Disponível em: Acessado em: 5 out. 2020.

PONTES, J. A. L. (2019) Parecer sobre o atual estado de conservação da Lagoa do São Bento e seu entorno, Itaipuaçu, Barroco, Maricá, RJ. São Gonçalo: Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências, Ambiente e Sociedade, Faculdade de Formação de Professores, UERJ, 34 p. Disponível em: . Acessado em: 5 out. 2020.

PONTES, J. A. L.; MELLO, F. A. P. (2013) Uso público em unidades de conservação de proteção integral: considerações sobre impactos na biodiversidade. In: Anais do Encontro Fluminense sobre Uso Público em Unidades de Conservação: Gestão e Responsabilidades Niterói, RJ / Brasil - 23 a 25 de julho de 2013, p. 221-232. Disponível em: <https://www.rjusopublico.uff.br>. Acessado em: 3 nov. 2020.

PONTES, R. C. P; PONTES, J. A. L. (2016) Anfíbios da Serra da Tiririca: diversidade e conservação. In: SANTOS, M. G. (Org.) Biodiversidade e sociedade no leste metropolitano do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: EdUERJ, p. 19-68.

PONTES, J. A. L.; PONTES, R. C.; ROCHA, R. F.; LINDENBERG, P. M.; SILVA, K. P.; SANTOS, W. A.; LEMOS, N. A.; HASSAN, P. G. A.; ALVES, A. O.; LOPES, L. F. B. A.; PERRO, L. C. T.; BOLDRINI, A. P.; NUNES, E. C. F.; COSTA, L. F.; KISLING, R. W.; ROCHA, C. F. D. (2015) Unidades de Conservação da Cidade do Rio de Janeiro: hotspots da herpetofauna carioca. In: PONTES, J. A. L. (Org.) Biodiversidade carioca: segredos revelados. Rio de Janeiro: Technical Books, p. 176-194.

RAMADON, L.F. (1996) Ecossistemas em agonia: História ambiental de Maricá, 156 p. Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/0B_fQo0Rqm31HaDBqVkc2MkpXOW8/view>. Acessado em: 3 nov. 2020.

RODRIGUES, C. G. O.; GODOY, L. R. C. (2013) Atuação pública e privada na gestão de Unidades de Conservação: aspectos socioeconômicos da prestação de serviços de apoio à visitação em parques nacionais. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 28, p. 75-88. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/made/article/download/31280/21658>. Acessado em: 6 nov. 20.

ROCHA, C. F. D.; BERGALLO, H. G.; ALVES, M. A. S.; VAN SLUYS, M. (2003) A biodiversidade nos grandes remanescentes florestais do Estado do Rio de Janeiro e nas restingas da Mata Atlântica. São Carlos: RiMa Editora, 146 p.

SILVA, J. C. & OLIVEIRA, A. S. (1989) A vegetação de restinga no município de Maricá – RJ. Acta bot. bras., n. 3, v. 2, p. 253-272, supl.

SMITH, W. S.; SILVA, S. L.; BIAGIONI, R. C. (2019) Desassoreamento de rios: quando o poder público ignora as causas, a biodiversidade e a ciência. Ambiente & Sociedade, n. 22, p. 1-20. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/1809-4422asoc0057r1vu19L1AO>. Acessado em: 7 nov. 2020.

STEINHOLTZ, R. T.; VACHOWSKI, B. (2007) Wetland trail design and construction: 2007 edition. Tech. Rep. 0723– 2804–MTDC. Missoula, MT: U.S. Department of Agriculture Forest Service, Missoula Technology and Development Center, 82 p. Disponível em: <https://www.fs.fed.us/t-d/pubs/pdfpubs/pdf07232804/pdf07232804dpi300.pdf>. Acessado em: 7 nov. 2020.

TAPPER, R. (2012) Destination wetlands: supporting sustainable tourism. Secretariat of the Ramsar Convention on Wetlands, Gland, Switzerland, & World Tourism Organization (UNWTO), Madrid, Spain, 78 p. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/337608186>. Acessado em: 03 nov. 2020.

THOMAS, L. & MIDDLETON, J. (2003) Guidelines for Management Planning of Protected Areas. IUCN Gland, Switzerland and Cambridge, UK. ix + 79 p. Disponível em: <https://portals.iucn.org/library/efiles/documents/pag-010.pdf>. Acessado em: 3 nov. 2020.

TRZYNA, T. (2017) Áreas Protegidas Urbanas: Perfis e diretrizes para melhores práticas. Série Diretrizes para melhores Práticas para Áreas Protegidas 22, Gland, Suiça, UICN. xiv + 110 p. Disponível em: <https://www.iucn.org/resources/publications>. Acessado em: 3 nov. 2020.

TUCCI, C. E. M. (2008) Água urbanas. Estudos Avançados, n. 22, v. 63, p. 97-112. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/ea/v22n63/v22n63a07.pdf>. Acessado em: 1 nov. 2020.

ZAP IMÓVEIS (2020) O que você precisa saber sobre os lançamentos nos entornos de parques. Disponível em: <https://revista.zapimoveis.com.br/lancamentos-nos-entornos-de-parques/>. Acessado em: 7 nov. 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-31