A PRODUÇÃO ACADÊMICA SOBRE USO PÚBLICO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NAS REVISTAS ELETRÔNICAS DE GEOGRAFIA FLUMINENSE DE 2010 A 2020

Autores

  • Flavio Laplace UFF

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2020.v8n12p39

Palavras-chave:

conservação da natureza, áreas protegidas, produção acadêmica

Resumo

O objetivo deste trabalho é fazer um levantamento quantitativo sobre a produção acadêmica envolvendo o tema ‘uso público em unidades de conservação’. A gestão, a visitação e a prestação de serviços nas unidades de conservação (UC) foram importantes referências para o tema, pois estes estudos são relevantes como fator de proteção dessas áreas em relação aos impactos ambientais e sua preservação, em geral. Foram eleitas quatro revistas eletrônicas do Estado do Rio de Janeiro no período de 2010 a 2020 (11 anos), considerando suas relevâncias editoriais em cursos de graduação e pós graduação de Geografia. Foi realizado um levantamento da produção de artigos nos periódicos supracitados elaboração de gráficos com o intuito de evidenciar os possíveis padrões na produção fluminense a respeito do tema. Como objetivo secundário, foram pesquisadas as produções onde as UC foram objetos principais ou como referência de uma área de estudo. Após analisar os dados obtidos, observou-se uma baixa taxa de publicações ao longo do recorte temporal escolhido, inferior a 4% do total. Todas as revistas tiveram publicações sobre UC, mas somente duas apresentaram artigos mais específicos sobre ‘uso público’.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flavio Laplace, UFF

Mestre em Geografia, pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal Fluminense (UFF) e professor da Rede Pública do município de Araruama. 

 

Referências

BRASIL. Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. Lei 9.985 de 18 de junho de 2000 e decreto 4.340 de 22 de agosto de 2002. Ministério do Meio Ambiente, 2ª ed. Brasília. 2002

BENSUSAN, N. Conservação da Biodiversidade em áreas protegidas. Rio de Janeiro: Editora FGV. 2006. 176p.

BOTELHO, A. L. M; VALLEJO, L. R. Uso de áreas de proteção ambiental: O caso do Manguezal da APA de Guapimirim. GEOGRAPHIA. Vol. 8, n.16, 2006.

DIEGUES, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada. 1º ed. Editora Hucitec. São Paulo, 1996, p. 169

GONÇALVES. C. W. P. Os (Des)Caminhos do meio Ambiente. 14 ed. Editora Contexto. São Paulo, 2008.

HENDEE, J. C.; STANKEY, G. H; LUCAS, R. C. Wilderness Management. 2. ed. Golden: North American Press, 1990. 537 p.

MILLER, K. R. Evolução do conceito de áreas de proteção oportunidades para o século XXI. In: Anais do I Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. Curitiba: IAP: UNILIVRE: Rede Nacional Pró Unidades de Conservação, Vol. 1: 3-21. 1997

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Diagnóstico da visitação em parques nacionais e estaduais. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas, 2005.

RAMOS, P. M. Métodos Quantitativos e Pesquisa Em Ciências Sociais: Lógica e utilidade do uso da quantificação nas explicações dos fenômenos sociais. MEDIAÇÕES, Londrina, V.18, n.1, P. 55-65JAN/JUN.2013

RYLANDS, A. B., BRANDRON, K. Unidades de conservação brasileiras. Revista Megadiversidade, v. 1, n. 1, 2005.

VALLEJO, L. R. Uso público em áreas protegidas: atores, impactos, diretrizes de planejamento e gestão. In: Anais Uso Público em Unidades de Conservação. Niterói. RJ. vol. 1, p. 13-26, 2013.

______________. Os parques e reservas como instrumentos de ordenamento territorial. In: Ordenamento Territorial. ALMEIDA, Flávio, 2008 (ORG).

______________. Unidade de conservação: uma discussão teórica à luz dos conceitos de território e de políticas públicas. GEOGRAPHIA, vol. 4, n. 8. 2002

______________. Aspectos das políticas de governo e a questão da gestão territorial nas unidades de conservação do estado do Rio de Janeiro. GEOGRAPHIA, vol.7, n.13. 2005.

Downloads

Publicado

2020-12-31