GAUPUC

UMA PROPOSTA EDUCACIONAL PARA O FORTALECIMENTO DO USO PÚBLICO EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Autores

  • Luana Daniela da Silva Peres Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul
  • Gabriela Trentini Feijó
  • Arthur de Castro Fraga
  • Celson Roberto Canto-Silva

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2020.v8n13p27

Palavras-chave:

Uso Público, educação, extensão acadêmica, Unidades de Conservação

Resumo

O uso público em unidades de conservação (UC) pode trazer inúmeros benefícios diretos e indiretos à sociedade, além de representar um grande potencial para incrementar os recursos econômicos das UCs, aproximar a sociedade da natureza e fomentar sua conservação e utilização sustentável. Desta forma, tem se tornado num dos temas mais importantes no que se refere à gestão de áreas protegidas no país. Uma das principais contribuições para a discussão desse tema tem surgido nas instituições de ensino superior, que têm agido fortemente para a construção de uma cultura de valorização dessas áreas protegidas. O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), através do seu Campus Porto Alegre, tem desenvolvido inúmeras ações neste sentido, sendo que recentemente, a partir da iniciativa de estudantes, estabeleceu um programa de extensão voltado ao fortalecimento do uso público ordenado em unidades de conservação, o GAUPUC. Inicialmente utilizando a metodologia de um grupo de estudos, na atualidade o coletivo desenvolve ações de extensão direcionadas aos principais atores envolvidos no uso público de UCs: os gestores das áreas naturais, os prestadores de serviços que estão associados à visitação e os visitantes. Neste ano, em função da pandemia causada pelo vírus SARS-COVID, o grupo desenvolveu apenas ações remotas, entre as quais um ciclo de webconferências sobre uso público em UCs e um projeto de divulgação científica nas redes sociais. As reflexões realizadas em relação à trajetória do grupo evidenciam que as atividades práticas desempenharam um papel fundamental na geração de interesse dos estudantes pelo grupo, assim como a autonomia deles na realização das tarefas é um princípio que estimula a sua continuidade no coletivo. Os próximos passos do Programa apontam para a necessidade do estabelecimento de parcerias institucionais com as UCs, visando ações articuladas em programas de voluntariado. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, F. A. B. Relatório parcial de estudante voluntário no programa de extensão GAUPUC - Grupo de Apoio ao Uso Público em Unidades de Conservação - jornada 2020, IFRS, 2020.

BELLINASSI, S.; PAVÃO, A.C.; CARDOSO-LEITE, E. Gestão e Uso Público de Unidades de Conservação: um olhar sobre os desafios e possibilidades. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v.4, n.2, 2011, p. 274-293. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/ecoturismo/article/view/5918/3781

BRASIL. Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm

BRASIL. Decreto n. 5.758, 2006, de 13 de abril de 2006. Institui o Plano Estratégico Nacional de Áreas Protegidas - PNAP, seus princípios, diretrizes, objetivos e estratégias, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5758.htm

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria da Biodiversidade e Florestas. Diagnóstico da Visitação em Parques Nacionais e Estaduais. Brasília, 2005. 51 p. Disponível em: http://www.institutobrasilrural.org.br/download/20120220100952.pdf

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Diretoria de Áreas Protegidas. Diretrizes para a Visitação em Unidades de Conservação. Brasília, 2006. 65 p.

BRASILEIRO, M. D. S. Desenvolvimento e turismo: para além do paradigma econômico. In BRASILEIRO, M. D. S.; MEDINA, J. C. C.; CORIOLANO, L. N., orgs.Turismo, cultura e desenvolvimento [online]. Campina Grande: EDUEPB, 2012. pp. 75-98. Disponível em: http://books.scielo.org/id/7y7r5/pdf/brasileiro-9788578791940-05.pdf

CANTO-SILVA, C. R.; DA SILVA, J. S. Panorama da visitação e da condução de visitantes em Parques brasileiros. Revista brasileira de pesquisa em turismo, v. 11, p. 365-386, n. 2017. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.7784/rbtur.v11i2.1286.

CANTO-SILVA, C. R.; RECH, I. F.; KORNDORFER, J. Projeto Navegando no @mbiente - Inclusão Digital e Conservação do Parque Natural Morro do Osso. In: Giovanni Seabra; Ivo Mendonça (Org.). Educação Ambiental: responsabilidade para conservação da sociobiodiversidade. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2011, v.3 p.389-394. Disponível em: https://repositorio.pgsskroton.com/bitstream/123456789/17764/1/PROJETO%20NAVEGANDO%20NO%20%40MBIENTE%20-%20INCLUS%C3%83O%20DIGITAL%20E%20CONSERVA%C3%87%C3%83O%20AMBIENTAL.pdf

CANTO-SILVA, C. R.; LOKSCHIN, L. X.; NASCIMENTO, C. A.; VELHO, L. F.; SILVA, S. L. C.; BJERK, R. L. Educação Ambiental em Unidades de Conservação Gaúchas. In:Cibele Lazzari; Clarissa Sehnem; Daniel Cardoso; Neusa Carvalho (Org.). Pesquisa e ensino: ferramentas de gestão pública no RS: coletânea de artigos do convênio FDRH e FAPERGS.1ed. Porto Alegre: CORAG, 2015a, p.67-92. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Gilnei_Moura/publication/334684602_MUDANCAS_ESTRATEGICAS_E_GESTAO_DA_INOVACAO_TECNOLOGICA/links/5d52ebb7458515304072d053/MUDANCAS-ESTRATEGICAS-E-GESTAO-DA-INOVACAO-TECNOLOGICA.pdf

CANTO-SILVA, C. R.; CUNHA, A. M.; BAZOTTI, L. S.; NASCIMENTO, C. A. Formação e Organização de Condutores Ambientais Locais: Estratégias de Desenvolvimento do Turismo Sustentável em Unidades de Conservação Gaúchas. In: Anais do VII Seminário Brasileiro sobre Áreas Protegidas e Inclusão Social. SAPIS e Encontro Latino Americano sobre Áreas Protegidas e Inclusão Social, Florianópolis, 2015b. Disponível em:

CANTO-SILVA, C. R.; DA SILVA, J. S. Panorama da visitação e da condução de visitantes em Parques brasileiros. Revista brasileira de pesquisa em turismo, v. 11, p. 365-386, n. 2017. Disponível em: https://rbtur.org/rbtur/article/view/1286

COTES, M.; SALLES, W. N.; SCHIAVETTI, A.; NASCIMENTO, J. V. Necessidades formativas de condutores de visitantes em Parques Nacionais. Revista Brasileira de Ecoturismo, 10(4) 892 – 917, 2017. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/ecoturismo/article/view/6656

CUNHA, A. M.; BAZOTTI, L. S.; CANTO-SILVA, C. R. Formação de Monitores/Condutores e Educação Ambiental: Estratégias de Desenvolvimento do Turismo Sustentável nas UCs do RS. Fólio (Centro Universitário Metodista), v. 17, p. 213-229, n. 2016. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ipa/index.php/folio/article/view/377

DATSCH, D. T.; CANTO-SILVA, C. R.; MILETTO, E. M. Trilha interpretativa virtual: uma hipermídia interativa para a interpretação do ambiente. In: 19ª Mostra de Ensino, Pesquisa e Extensão IFRS Campus Porto Alegre, 2018, Porto Alegre.

FZB - FUNDAÇÃO ZOOBOTÂNICA. Plano de Manejo do Parque Estadual de Itapeva. Porto Alegre: Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 2006. Disponível em:https://sema.rs.gov.br/upload/arquivos/201610/15171153-plano-manejo-peitapua.pdf.

FZB - FUNDAÇÃO ZOOBOTÂNICA. Plano de Manejo do Parque Estadual de Itapuã. Porto Alegre: Departamento de Recursos Naturais Renováveis, 1996. Disponível em:https://sema.rs.gov.br/upload/arquivos/201610/15171153-plano-manejo-peitapua.pdf.

ICMBio - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Plano de Manejo do Parque Nacional de Aparados da Serra e Serra Geral. 2004. Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/portal/unidadesdeconservacao/biomas-brasileiros/mata-atlantica/unidades-de-conservacao-mata-atlantica/2195-parna-de-aparados-da-serra.

IFRS. Resolução nº 058, de 15 de agosto de 2017. Aprova a Política de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, 2017. Disponível em: https://ifrs.edu.br/wp-content/uploads/2017/08/Resolucao_058_17_Completa.pdf

MATOS, B. C. S.; FERREIRA, M. P. S.; ZAMPIERON, S. L. M. Formação de agentes disseminadores do processo de educação ambiental para unidades de conservação, com ênfase no Parque Nacional da Serra da Canastra, Minas Gerais. Em Extensão, v. 16, n. 1, p. 97-114, 22 ago. 2017. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.14393/REE-v16n12017_rel02.

MEDEIROS, R.; YOUNG, C. E. F. Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional (Relatório Final), Brasília: UNEP-WCMC, 2011. Recuperado em 07 julho, 2016, de http://www.mma.gov.br/estruturas/240/_arquivos/relatorio_final_contribuio_uc_para_a_economia_nacional_reduzido_240.pdf

MIKHAILOVA, I.; MULBEIER, J. Ecoturismo em Unidades de Conservação: um estudo de caso do Parque Estadual do Turvo, Derrubadas – RS. In. Caderno Virtual de Turismo. Vol. 8, n.3, p.1-21. 2008. Disponível em: http://www.ivt.coppe.ufrj.br/caderno/index.php/caderno/article/view/279/194.

MILAN, P. Curitiba é a 5.ª grande cidade mais arborizada do Brasil. Gazeta do Povo. Reportagem de 25/05/2012. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/meio-ambiente/curitiba-e-a-5-grande-cidade-mais-arborizada-do-brasil-2srdxduvgph7wqd2k1taeynv2/.

MMA. Diagnóstico da visitação em parques nacionais e estaduais. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004, 51p. Disponível em: http://www.institutobrasilrural.org.br/download/20120220100952.pdf

MMA. Cadastro nacional de unidades de conservação. Brasília: MMA. 2020. Disponível em: https://antigo.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-nacional-de-ucs

MOTTA, S. B.; CANTO-SILVA, C. R.; BJERK, R. L. Jogo Mosaico da Sustentabilidade – uma vivência em educação ambiental pelos alunos da Emef Vila Monte Cristo, Porto Alegre, RS. In: Anais da XIII Mostrapoa, Porto Alegre, 2012a.

MOTTA, S. B.; CANTO-SILVA, C. R.; BJERK, R. L. Rap pro bugio: uma produção coletiva dos alunos da Emef Monte Cristo para a conservação do Parque Natural Morro do Osso, Porto Alegre-RS. In: Anais da XIII Mostrapoa, Porto Alegre, 2012b.

NASCIMENTO, C. A. Subsídios para o programa de monitoramento e gestão do uso público do Parque Natural Morro do Osso, Porto Alegre, RS. Dissertação do mestrado, 2018. Universidade Federal de São Carlos, campus Sorocaba, Sorocaba. Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/10277/Disserta%c3%a7%c3%a3o%20-%20Nascimento%2c%202018.pdf?sequence=1&isAllowed=y

NASCIMENTO, C. A.; CANTO-SILVA, C. R.; VELHO, L. F.; SILVA, S. L. C.; BJERK, R. L.; GASTAL, L. S. Diagnóstico da Educação Ambiental em Unidades de Conservação do Rio Grande do Sul: Resultados Preliminares. In: Simpósio Nacional de Áreas Protegidas, 2014, Viçosa. III Simpósio Nacional de Áreas Protegidas - Anais. 2014. p. 116 – 125.

NASCIMENTO, C. A.; CANTO-SILVA, C. R.; VELHO, L. F.; SILVA, S. L. C.; BJERK, R. L.; SALDANHA, V. C. Educação Ambiental Formal em Unidades de Conservação da Região Hidrográfica do Guaíba, RS. Anais Uso Público em Unidades de Conservação, v. 3, p. 154-166, n. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.47977/2318-2148.2015.v3n5p69

NASCIMENTO, C. A.; CANTO-SILVA, C. R.; MELO, I. B. N.; MARQUES, S. C. M. A regulamentação da atividade de condução de visitantes nos Sistemas Estaduais de Unidades de Conservação do Brasil. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 10, p. 516-532, n. 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.7784/rbtur.v10i3.1133

PASSOLD, A. J.; KINKER, S. M. S. Visitação Sustentável em Unidades de Conservação.In: Philippi Jr., A. & Ruschmann, D. V. M. (Org.). (2010). Gestão Ambiental e Sustentabilidade no Turismo (Coleção Ambiental, v. 9). Barueri, SP: Manole.

PIMENTEL D. de S. Parcerias para a gestão do uso público em parques. Anais – Uso Público em Unidades de Conservação,n. 1,v. 1, 2013 Niterói – RJ. Disponível em: https://periodicos.uff.br/uso_publico/article/view/28675/16634

QUEIROZ, E. D.; VALLEJO, L. R. Uso público em unidades de conservação – entre o ideal e o real. Anais do Uso Público em Unidades de Conservação. Niterói, RJ, vol. 5, n. 5, 2017. 14 p. Disponível em: https://periodicos.uff.br/uso_publico/article/view/28741/16674

RAMOS, C.; GLUFKE, R. M.; CANTO-SILVA, C. R. Uso das Tic na Educação Ambiental Desenvolvida em Unidades de Conservação do Rio Grande do Sul. In: Giovanni Seabra; Ivo Mendonça (Org.). Educação Ambiental: responsabilidade para conservação da sociobiodiversidade. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2011, v.3 p.395-402. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/handle/1/14410

RECH, I. F.; CANTO-SILVA, C. R. Definição de pontos interpretativos para a trilha da Fonte, Parque Natural Morro do Osso, Porto Alegre, RS, através da avaliação dos seus índices de atratividade. In: Anais da XIII Mostrapoa, Porto Alegre, 2012.

RECH, I. F.; CANTO-SILVA, C. R. Elaboração de roteiro interpretativo para a trilha da Fonte, Parque Natural Morro do Osso, Porto Alegre, RS. In: II Congresso Nacional de Planejamento e Manejo de Trilhas, 2013, Rio de Janeiro. Anais do II Congresso Nacional de Planejamento e Manejo de Trilhas. 2013.

RECH, I. F.; PERELLO, L. F. C.; CANTO-SILVA, C. R. Panorama do Uso Público em Parques Estaduais do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Ecoturismo (RBEcotur), v. 10, n. 4, 30 nov. 2017. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.34024/rbecotur.2017.v10.665.

RODRIGUES. C. G; ABRUCIO, F. L. Parcerias e concessões para o desenvolvimento do turismo nos parques brasileiros: possibilidades e limitações de um novo modelo de governança. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 13 (3), 105-120, 2019. Disponível em: https://rbtur.org.br/rbtur/article/view/1575/1324

SCARPETA M. F.; RAIMUNDO, S. Os resultados das políticas públicas de ecoturismo em Unidades de Conservação no Brasil e no Canadá. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, vol. 11, núm. 3, 2017, pp. 454-479. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.7784/rbtur.v11i3.1336.

SESTREN-BASTOS, Maria Carmen (Coord.) Plano de Manejo Participativo do Parque Natural Morro do Osso. Porto Alegre: Secretaria Municipal do Meio Ambiente, 2006. Disponível em: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smam/default.php?p_secao=158.

SMAMS. INSTRUÇÃO NORMATIVA 006/2020. Estabelece as normas e procedimentos para a prestação de serviços por condutores de visitantes nas Unidades de Conservação do Sistema Municipal de Unidade de Conservação de Porto Alegre, Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 2020. Disponível em: http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/smam/usu_doc/in_smams__06_2020.pdf.

VALLEJO, L. R. Uso público em áreas protegidas: atores, impactos, diretrizes de planejamento e gestão. Anais – Uso Público em Unidades de Conservação, Niterói, n. 1, v. 1, 2013. Disponível em: < https://periodicos.uff.br/uso_publico/article/view/28674/27057>

ZAÚ, A.S. A conservação de áreas naturais e o Ecoturismo. Revista Brasileira de Ecoturismo 7: 290-321, 2014. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.34024/rbecotur.2014.v7.6315.

Downloads

Publicado

2020-12-31