O USO PÚBLICO PARA INSERÇÃO SOCIAL E CONSCIENTIZAÇÃO QUANTO AO PATRIMÔNIO NATURAL EM NOVA IGUAÇU/RJ

Autores

  • Marcos Paulo M. Oliveira ufrrj
  • Isabela de Fátima Fogaça Departamento de Administração e Turismo (DAT/UFRRJ)

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2020.v8n13p1

Palavras-chave:

Baixada Fluminense, Meio Ambiente, homem e natureza

Resumo

O espaço geográfico que conhecemos por Baixada Fluminense, integra a região metropolitana do estado do Rio de Janeiro e, como todo o país, dispõe de uma diversidade cultural, desde sua origem. Entretanto, o cenário real conta com muita insalubridade, violência e extrema pobreza, principalmente nas áreas mais afastadas e/ou rurais, o que causa certa insatisfação por parte de seus habitantes os quais, em sua maioria, não colocam as questões ambientais como prioridade. Na intenção de promover a integração do uso público com o patrimônio natural com base em revisão bibliográfica, é debatida a interação e a participação social sob uma perspectiva da educação ambiental em áreas protegidas dentro do cenário geográfico selecionado. Foi apresentado um breve histórico sobre a região e os espaços de proteção ambiental existentes, descrevendo-se possíveis medidas que permitam integrar pessoas e meio ambiente em seus espaços de vivência. Neste sentido, foram apresentados e descritos os projetos educativos: ‘Aprendendo e Preservando’, ‘Limpando para Proteger’ e ‘Operação Tolerância Zero’, já disponibilizados junto à prefeitura de Nova Iguaçu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela de Fátima Fogaça, Departamento de Administração e Turismo (DAT/UFRRJ)

Professora do Programa de Pós-Graduação em Patrimônio, Cultura e Sociedade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (PPGPACS/UFRRJ)

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, DF, 1937.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1988.

BRITO, Francisco Emanuel Matos. Ecos contraditórios do turismo. Salvador: Edufba, 2007. 197p

CUCHE, Denys. A noção de cultura nas ciências sociais. 2a Ed. Bauru: EDUSC, 2002.

FURLANETTO, Diva Almeida; CRUZ, Jana Maria; ALMEIDA, Roberto Schmidt. Promoção Imobiliária e espaço residencial da classe média na periferia metropolitana do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v.49, n.2, p. 27-56, abr./jun. 1987.

INEA. Instituto Estadual do Ambiente. Parque Estadual do Medanha. Disponível em: <http://www.inea.rj.gov.br/biodiversidade-territorio/conheca-as-unidades-de-conservacao/parque-estadual-do-mendanha/>. Acesso em: 10 de maio de 2020.

INEPAC. Instituto Estadual do Patrimônio Cultural. Patrimônio Cultural Bens Tombados. Disponível em: < http://www.inepac.rj.gov.br/index.php/bens_tombados/realizabusca?municipios=50&BemCultural=&PalavraChave=>. Acesso em: Maio de 2020.

MAXIMIANO, Liz Abad. Classificação de paisagens no norte de Campo Largo - Paraná, segundo sua condição socioambiental. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2002.

MENESES, Ulpiano Toledo Bezerra de; ARANTES NETO, Antonio Augusto; CARVALHO, Edgard de Assis; MAGNANI, José Guilherme Cantor; AZEVEDO, Paulo Ormindo David de. A cidade como bem cultural: áreas envoltórias e outros dilemas, equívocos e alcance da preservação do patrimônio ambiental urbano. [Debate]. Patrimônio : atualizando o debate[S.l: s.n.], 2006.

O GLOBO. Rio Carioca se torna primeiro curso d'água urbano do país a virar patrimônio cultural. 11 de janeiro de 2019. Disponível em: < https://oglobo.globo.com/rio/bairros/rio-carioca-se-torna-primeiro-curso-dagua-urbano-do-pais-virar-patrimonio-cultural-23362284 >. Acesso em junho de 2020.

OLIVEIRA, Andréia S. Lopes S.; RODRIGUES, Camila Gonçalves Oliveira. Mapeamento e análise do uso público e da percepção ambiental das comunidades da área de abrangência da Reserva Biológica do Tinguá, 87f. 2013. Relatório (Iniciação Científica). Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Nova Iguaçu, 2013.

PELEGRINI, Sandra. C. A. Cultura e natureza: os desafios das práticas preservacionistas na esfera do patrimônio cultural e ambiental. Revista Brasileira de História (Impresso), São Paulo, v. 26, n.51, p. 115-140, 2006.

PEREIRA, D. C. Patrimônio natural: atualizando o debate sobre identificação e reconhecimento no âmbito do Iphan. Revista CPC, [S. l.], v. 13, n. 25, p. 34-59, 2018. DOI: 10.11606/issn.1980-4466.v13i25p34-59. Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/cpc/article/view/138007> . Acesso em: 5 de maio de 2020.

PEREIRA, Waldik. Cana, Café e Laranja: história econômica de Nova Iguaçu. Rio de Janeiro. Fundação Getúlio Vargas: SEEC, 1977.170p.

PREFEITURA DA CIDADE DE NOVA IGUAÇU – Parque Natural Municipal de Nova Iguaçu. Disponível em: < https://www.novaiguacu.rj.gov.br/semadetur/parque-natural-municipal-de-nova-iguacu/ >. Acesso em: 10 de junho de 2020.

QUEIROZ, Edileuza. D. Uso Público no Parque Natural Municipal de Nova Iguaçu – RJ: Trilhando entre possibilidades e dificuldades. 2018. 190f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal Fluminense. Niterói, Rio de Janeiro, 2018.

SANTANA, T. G. ; SILVA, N. C. R. ; MAGALHAES, S. P. ; MOREIRA, E. ; SANTOS, D. N. ; CARDOSO, Cristiane . (Re)descobrindo a Baixada Fluminense: A transformação do olhar do discente sobre os problemas socioambientais. In: XIV EGAL - Encontro de Geógrafos da América Latina, 2013, Lima, Peru. Anais do XIV EGAL - Encontro de Geógrafos da América Latina. Lima, Peru: IGU, 2013. v. 1.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EDUSP, 2002.

SCIFONI, Simone. A construção do patrimônio natural. São Paulo: LABUR, 2008.

SEMUAM, Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo. Plano de Manejo do Parque Municipal de Nova Iguaçu. Versão Resumida. Nova Iguaçu, 2001.

SENRA, Álvaro de Oliveira. ANDRADE, Flávio Anicio. Uma narrativa alternativa sobre a Baixada Fluminense: a experiência do Jornal da Baixada (1979-1980). Revista Antíteses, v. 10, p. 262-284, 2017.

SILVA, Débora Querino.; SOUSA, Gustavo Mota. Analise exploratória através de estatística espacial: Um estudo de caso na Reserva Biológica do Tinguá. In: XVII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada e I Congresso Nacional de Geografia Física, 2017, Campinas. Os Desafios da Geografia Física na Fronteira do Conhecimento. Campinas: UNICAMP, 2017. v. 1.

TCE/RJ. Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. Estudo Socioeconômico. TCE/RJ: Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: < https://www.tce.rj.gov.br/documents/10180/1092028/Estudo%20Socioecon%C3%B4mico%202008%20-%20Nova%20Igua%C3%A7u.pdf > . Acesso em: Junho de 2020

UNESCO. Convenção para o patrimônio mundial, cultural e natural. Paris. Unesco, 1972. Disponível em: < http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Recomendacao%20de%20Paris%201972.pdf. > Acesso em: Maio de 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-31