USO DE INDICADORES SOCIAIS NO MONITORAMENTO DOS IMPACTOS DA VISITAÇÃO EM TRILHAS DO PARQUE NATURAL MORRO DO OSSO, PORTO ALEGRE, RS

Autores

  • Celson Roberto Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul
  • Luana Daniela Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2020.v8n12p.51

Palavras-chave:

Uso público, Resíduos sólidos, Qualidade da experiência, Unidades de conservação

Resumo

As unidades de conservação (UC) brasileiras têm apresentado um cenário de expansão do seu uso público, em especial naquelas da categoria Parque. Este cenário promissor pode trazer riscos ao ambiente, pois quando mal planejado e gerenciado este uso pode provocar diversos impactos negativos. Se faz necessário, portanto, estudos de monitoramento e controle dos impactos da visitação, de preferência baseados na aplicação de indicadores, como os indicadores sociais, que podem ser de grande utilidade para a compreensão das relações das pessoas entre si e com o ambiente visitado. O presente estudo avalia os impactos da visitação em trilhas do Parque Natural Morro do Osso (PNMO), UC de proteção integral localizada em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, a partir do uso dos indicadores sociais resíduos sólidos e qualidade da experiência da visitação. O estudo foi desenvolvido no período do outono de 2019 ao verão de 2020, a partir de coletas em campo e aplicação de questionários aos visitantes. Os resultados indicam que a estação do ano com maior registro de resíduos sólidos é a do outono, marcadamente o período de maior visitação do Parque, não sendo evidenciado um incremento significante nos valores em ambas as trilhas avaliadas, nos últimos quatro anos, resultado coerente com o pouco acréscimo da visitação nesse período. Quanto a avaliação da percepção ambiental dos visitantes, evidencia-se que o seu perfil não se alterou nos últimos anos. Em relação à qualidade da experiência dos visitantes, estes manifestaram terem ficado muito satisfeitos com a visitação ao PNMO, avaliando positivamente quase todos os aspectos abordados, exceto no que diz respeito aos danos ambientais, representados principalmente pela presença de pichações em rochas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVES, C. J. S.; LARANJA, D. H. R.; RAIMUNDO, S. Lazer e Turismo e a prática do manejo e monitoramento da visitação pública como estratégia de gestão dos recursos no Parque Estadual da Cantareira (SP). Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 7, n. 4, p. 762-778. 2014. Disponível em https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5610722/mod_resource/content/2/Cesar_Alves_manejo%20e%20monitoramente_Parque%20Estadual%20da%20Cantareira.pdf. Acessado em 05 de dez. 2020.

BRASIL. Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília. 2000

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria da Biodiversidade e Florestas. Diagnóstico da Visitação em Parques Nacionais e Estaduais. Brasília, 51 p. 2005

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Diretoria de Áreas Protegidas. Diretrizes para a Visitação em Unidades de Conservação. Brasília, 65 p. 2006

CORRÊA, K. M.; ABESSA, D. M. S. Estudo dos indicadores de impacto da visitação na Trilha dos Surfistas, Parque Estadual Xixová-Japuí (SP). Nature and Conservation, Aquidabã, v. 6, n. 2, p. 45-58. 2013. Disponível em https://sustenere.co/index.php/nature/article/view/ESS2318-2881.2013.002.0005/504. Acessado em 05 de dez. 2020.

COSTA, V. C. da; MELLO, F. A. P. Manejo e monitoramento de trilhas interpretativas: contribuição metodológica para a percepção do espaço ecoturístico em unidades de conservação. Simpósio Nacional sobre Geologia. Percepção e Cognição do Meio Ambiente, Londrina, 21 p. 2005

FREIXÊDAS-VIEIRA, V. M.; PASSOLD, A. J; MAGRO. T.C. Impactos do uso público: Um guia de campo para utilização do método VIM. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, 2. Campo Grande, 2000. Anais. Campo Grande: Rede Nacional Pró Unidade de Conservação e Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, P. 296-305.

ICMBIO - INSTITUTO CHICO MENDES. Crescimento da visitação nos Parques Nacionais, Visitantes UCs 2007 a 2015, Ranking visitantes Parques Nacionais 2012 a 2015 e Ranking visitantes UCs 2012 a 2015. 2016. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/o-quefazemos/Dados_de_visita%C3%A7%C3%A3o_ICMBio-2007-2015.pdf. Acessado em 05 de dez. 2020.

KATAOKA, S. Y. Indicadores da qualidade da experiência do visitante do Parque Estadual da Ilha Anchieta. Dissertação (mestrado). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, ESALQ, Piracicaba. 2004. Disponível em https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/11/11150/tde-13012005-154520/publico/silvia.pdf. Acessado em 05 de dez. 2020.

MAGRO, T, C. Impactos do uso público em uma trilha no planalto do Parque Nacional do Itatiaia, 135 f, Tese (Doutorado em Ciências da Engenharia Ambiental) – Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Paulo. 1999

MENEGAT, R; PORTO, M. L.; CARRARO, C. C.; FERNANDES, L. A. D. (Coords.). Atlas Ambiental de Porto Alegre. 3. ed. Porto Alegre: Editora da Universidade UFRGS, 256 p. 2006. Disponível em https://www.ufrgs.br/atlas/atlas_digital.html. Acessado em 05 de dez. 2020.

MITRAUD, S. Monitoramento e controle de impactos de visitação. In: MITRAUD, S. (Org.). Manual de ecoturismo de base comunitária: Ferramentas para um planejamento responsável. Brasília: WWF Brasil. 2003. Disponível em http://www.ecobrasil.eco.br/images/BOCAINA/documentos/didaticos/manual_ecotur_wwf_2003.pdf. Acessado em 05 de dez. 2020.

NASCIMENTO, C. A. Subsídios para o programa de monitoramento e gestão do uso público do Parque Natural Morro do Osso, Porto Alegre, RS. Dissertação do mestrado. Universidade Federal de São Carlos, campus Sorocaba, Sorocaba. 2018. Disponível em https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/10277/Disserta%c3%a7%c3%a3o%20-%20Nascimento%2c%202018.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acessado em 05 de dez. 2020.

PASSOLD, A. J. Análise da Visitação e seus Impactos nas Trilhas e Atrativos da Sede do Parque Estadual Intervales – Produto 2: Relatório Final. São Paulo, Instituto Ekos Brasil, 69 p. 2008

PORTO ALEGRE. Lei Complementar n° 334, de 27 de dezembro de 1994. Altera limites de Unidades Territoriais Funcionais cria Área Funcional de Parque Natural, na forma da Lei Complementar n° 43, de 21 de julho de 1979, e dá outras providências. Diário Oficial do Município, Porto Alegre. Disponível em https://leismunicipais.com.br/a1/rs/p/porto-alegre/lei-complementar/1994/34/334/lei-complementar-n-334-1994-altera-limites-de-unidades-territoriais-funcionais-cria-area-funcional-de-parque-natural-na-forma-da-lei-complementar-n-43-de-21-de-julho-de-1979-e-da-outras-providencias. Acessado em 05 de dez. 2020.

PORTO ALEGRE. Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano Ambiental de Porto Alegre. Lei Complementar nº 434, de 1 de dezembro de 1999, atualizada e compilada até a Lei Complementar no 667, de 3 de janeiro de 2011, incluindo a Lei Complementar 646, de 22 de julho de 2010. Porto Alegre. Disponível em https://leismunicipais.com.br/a/rs/p/porto-alegre/lei-complementar/1999/43/434/lei-complementar-n-434-1999-dispoe-sobre-o-desenvolvimento-urbano-no-municipio-de-porto-alegre-institui-o-plano-diretor-de-desenvolvimento-urbano-ambiental-de-porto-alegre-e-da-outras-providencias. Acessado em 05 de dez. 2020.

RIO GRANDE DO SUL. Lei Nº 9.519, de 21 de janeiro de 1992. Institui o Código Florestal do Estado do Rio Grande do Sul e dá outras providências. Diário Oficial do Estado. Porto Alegre, RS. 1992. Disponível em: http://www.al.rs.gov.br/filerepository/repLegis/arquivos/09.519.pdf. Acessado em 05 de dez. 2020.

SÃO PAULO. Secretaria de Meio Ambiente. Manual de Monitoramento e Gestão dos Impactos da Visitação em Unidades de Conservação. São Paulo, 2009. 78 p. Disponível em https://www.wwf.org.br/?27544/Manual-de-Monitoramento-e-Gestao-dos-Impactos-da-Visitacao-em-Unidades-de-Conservacao. Acessado em 05 de dez. 2020.

SCHÜTTE, M. S. Pedra do Sino: Impacto sobre a biota e capacidade de carga turística de uma trilha no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, RJ. 2009. 147 f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Florestais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica. Disponível em: http://www.if.ufrrj.br/pgcaf/pdfdt/Dissertacao%20Michel%20Schutte.pdf. Acessado em 05 de dez. 2020.

SESTREN-BASTOS, M. C. (Coord.). Plano de Manejo Participativo do Parque Natural Morro do Osso. Porto Alegre: Secretaria Municipal do Meio Ambiente. 2006. Disponível em http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/smam/usu_doc/plano_de_manejo_morro_do_osso_com_anexos.pdf. Acessado em 05 de dez. 2020.

SOBRAL-OLIVEIRA, I. S.; CUNHA, C; GOMES, L. J.; SANTOS, J. Planejamento e trilhas para o uso público no Parque Nacional Serra de Itabaiana, SE. Revista Turismo Visão e Ação, v. 11, n. 2, p. 242-262. 2009. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/rtva/article/view/624/975. Acessado em 05 de dez. 2020.

TAKAHASHI, L; MILANO, M. S.; TORMENA, C. A. Indicadores de impacto para monitorar o uso público no Parque Estadual Pico do Morumbi, Paraná. R. Árvore, Viçosa, v. 29, n. 1, p. 159-167. 2005. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/rarv/v29n1/24245.pdf. Acessado em 05 de dez. 2020.

TEIXEIRA, P. R.; AHLERT, S. O uso de geotecnologias na análise dos impactos ambientais no Salto Ventoso (Farroupilha/RS). Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 5, n. 3, p. 309-324. 2011. Disponível em https://rbtur.org.br/rbtur/article/view/454/476. Acessado em 05 de dez. 2020.

VALLEJO, L. R. Uso público em áreas protegidas: atores, impactos, diretrizes de planejamento e gestão. Anais do Uso Público em Unidades de Conservação, Niterói, n. 1, v. 1. 2013. Disponível em https://periodicos.uff.br/uso_publico/article/view/28674/27057. Acessado em 05 de dez. 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-31