Pagando para vencer: Cultura, Agência e Bens Virtuais em Video Games

Thiago Falcão, Daniel Marques

Resumo


Este artigo centra seu argumento em um entendimento do processo de consumo, na cultura contemporânea, através da noção de pastiche de Fredric Jameson. O intuito é discutir de que forma dinâmicas de produção industrial de bens simbólicos foram responsáveis por produtos cujo intuito não jaz necessariamente em uma diferenciação identitária, mas em seguir uma estratégia de criação de réplicas de todo um contexto simbólico pré-estabelecido. A partir daí, buscamos discutir de que forma as redes sociotécnicas no jogo Hearthstone são o resultado desta condição cultural necessariamente contemporânea que enseja princípios de design que não apenas capacitam ações dentro do jogo, mas que agenciam complexos processos de aquisição e comércio de bens virtuais.


Palavras-chave


Games; Consumo; Bens Virtuais; Hearthstone.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


AARSETH, Espen. Cybertext: Perspectives on Ergodic Literature. Baltimore: The John Hopkins University Press, 1997.

FALCÃO, Thiago. Não Humanos em Jogo. Agência e Prescrição em World of Warcraft. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Bahia, 2014.

BOGOST, Ian. Persuasive Games: The Expressive Power of Video Games. Cambridge, MA : MIT Press, 2007.

CAILLOIS, Roger. Man, Play and Games. Urbana: University of Illinois Press, 2001.

HJARVARD, Stig. The Mediatization of Culture and Society. Londres: Routledge, 2013.

JAMESON, Fredric. Postmodernism, or, The Cultural Logic of Late Capitalism. Londres: Verso, 1991.

JAMESON, Fredric. The Cultural Turn. Selected Writings on the Postmodern 1983-1998. Londres: Verso, 1998.

JANSSON, André. The Mediatization of Consumption: Towards an Analytical Framework of Image Culture. In: Journal of Consumer Culture, n. 2, v. 5, 2002.

JENKINS, Henry. Convergence Culture. Where Old and New Media Collide. New York: New York University Press, 2006.

KAVENEY, Roz. From Alien to the Matrix. Reading Science Fiction Film. London: I.B. Tauris, 2005.

KLASTRUP, Lisbeth. A Poetics of Virtual Worlds. Tese de Doutorado. IT University of Copenhagen, 2003.

KRZYWINSKA, Tanya. World Creation and Lore: World of Warcraft as Rich Text. In: H. G. Corneliussen e J. W. Rettberg. (Eds.) Digital Culture, Play, and Identity. A World of Warcraft Reader. Cambridge: The MIT Press, 2009.

LATOUR, Bruno. Reassembling the Social. An Introduction to Actor-Network Theory. Oxford: Oxford University Press, 2005.

LEHDONVIRTA, Vili.; ERNKVIST, Mirko. Converting the Virtual Economy into Development Potential: Knowledge Map of the Virtual Economy. Washington, DC: infoDev / World Bank, 2011.

LEMOS, André. Cibercultura. Tecnologia e Vida Social na Cultura Contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2002.

LUNENFELD, Peter (Ed.). The Digital Dialectic. New Essays on New Media. Cambridge: The MIT Press, 2000.

MANOVICH, Lev. Software Takes Command. New York: Bloomsbury Publishing. 2013.

MURRAY, Janet H. Hamlet no holodeck: o futuro da narrativa no ciberespaço. São Paulo: Itaú Cultura: Unesp, 2003.

SOARES, Letícia Perani. “O maior brinquedo do mundo”: a influência comunicacional dos games na história da interação humano-computador. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2016.

TAYLOR, T. L. Raising the Stakes. E-Sports and the Profissionalization of Computer Gaming. Cambridge: The MIT Press, 2012.




DOI: https://doi.org/10.22409/contracampo.v36i2.1032

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Qualis: B1
ISSN: 2238-2577