Redes de imbróglios: a regulação do streaming no Brasil e suas ambiguidades

João Martins Ladeira, Leonardo de Marchi

Resumo


O texto versa sobre a proposta ainda pendente para regular o streaming no Brasil. Como ocorreu com a televisão segmentada, debate-se no on-line a institucionalização de incentivos legais para o audiovisual. Questão importante, foi conduzida de forma insatisfatória, com pouca atenção a problemas fundamentais. Pensando a ação dos Estados através de um diagnóstico sobre o contemporâneo pautado pelas ideias de redes informacionais, espaço de fluxos e tempo atemporal, o artigo converge duas questões. Por um lado, aborda o surgimento da proposta e o que dela se deixou de lado, recuperando a visão introduzida pela Ancine sobre o tema em 2015. Por outro, indica como um acontecimento anexo – a compra da Time Warner pela AT&T – pode introduzir dificuldades no cenário.


Palavras-chave


Tecnologias da Comunicação e da Informação; Streaming; Convergência Digital

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL, Bruno Do. Sky tem até 28 de junho para se manifestar à Anatel sobre fusão Time Warner/AT&T. Teletime, São Paulo, 13 jun. 2018.

ANATEL. Informe no 15/2017/SEI/CPOE/SCP. Brasília: Agência Nacional de Telecomunicações, 19 abr. 2017a.

ANATEL. Parecer no 00302/2017/PFE­Anatel/PGF/AGU. Brasília: Procuradoria Federal Especializada Junto à Anatel, 4 maio 2017b.

ANCINE. Nota Técnica no 3/2017. Brasília: Agência Nacional do Cinema, 12 maio 2017a.

ANCINE. Notícia Regulatória - Comunicação Audiovisual sob Demanda. Brasília: Agência Nacional do Cinema, dez. 2016.

ANCINE. Relatório de Consulta Pública sobre a Notícia Regulatória sobre a Comunicação Audiovisual sob Demanda e Recomendações da ANCINE para uma regulação da Comunicação Audiovisual sob Demanda. Brasília: Agência Nacional do Cinema, maio 2017b.

AT&T. AT&T to Acquire Time Warner. ENP Newswire, 22 out. 2016.

BERBERT, Lúcia. Anatel não antecipa análise regulatória, mas impõe cautelar para evitar troca de informações 10 de agosto de 2017. Teletime, São Paulo, 10 ago. 2017a.

BERBERT, Lúcia. Ancine defende que Cade vete aquisição da Time Warner pela AT&T no Brasil. Teletime, São Paulo, 16 maio 2017b.

BERBERT, Lúcia. Cade aprova fusão Time Warner/AT&T com “remédios” e sem levar em conta a Lei do SeAC. Teletime, São Paulo, 18 out. 2017c.

BERBERT, Lúcia. Cade publica voto que aprova compra da Time Warner pela AT&T. Teletime, São Paulo, 23 out. 2017d.

BERBERT, Lúcia. Informe técnico da Anatel propõe aprovação da compra da Time Warner pela AT&T. Teletime, São Paulo, 2 maio 2017e.

BRASIL. 12.485. Lei no 12.485, de 12 de setembro de 2011. DOFC - Diário Oficial da União PUB 13/09/2011, p. 2, col. 2, 12 set. 2011.

CASTELLS, Manuel. Communication Power. New York: Oxford University Press, 2009.

CASTELLS, Manuel. The Rise of the Network Society. 2. ed. Malden: Wiley-Blackwell, 1996.

CHALABY, Jean. Producing tv content in a globalized intellectual property market: The emergence of the international production model. Journal of Media Business Studies, v. 9, p. 19–39, set. 2012.

CONSELHO SUPERIOR DO CINEMA. Desafios para a Regulamentação do Vídeo sob Demanda. Brasília: Conselho Superior do Cinema, 17 dez. 2015.

DE MARCHI, Leonardo. Análise do Plano da Secretaria da Economia Criativa e as transformações na relação entre Estado e cultura no Brasil. Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, vol. 37, n. 1, p. 193–215, jun. 2014.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. Consumidores e cidadãos: Conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1996.

GROSSMANN, Luís Osvaldo. Depois do CADE, Abert pede que Anatel e Ancine barrem AT&T/Time Warner. Convergencia Digital, São Paulo, 19 out. 2017.

HELD, David et al. Global Transformations: Politics, Economics, and Culture. Cambridge: Polity, 1999.

HESMONDHALGH, David. The Cultural Industries. 2nd. ed. New York: Sage, 2007.

KEATING, Gina. Netflixed: The Epic Battle for America’s Eyeballs. Nova York: Penguin, 2012.

LADEIRA, João Martins. Indústria cultural, desenvolvimento dependente e empresas em rede no Brasil contemporâneo: News, DirecTV, Globo e Abril. Contracampo (UFF), vol. 31, n. 1, p. 80–100, 2014.

LANIER, Jaron. Who Owns the Future? New York: Simon & Schuster, 2014.

LAUTERJUNG, Fernando. Para Manoel Rangel, a atual Condecine sobre VOD é obstáculo à criação de catálogos amplos. Teletime, São Paulo, 8 dez. 2015.

LEE, Edmund; KANG, Cecilia. U.S. Declines To Pursue Injunction In AT&T Deal. The New York Times, 15 jun. 2018. , p. B3(L).

LOBATO, Ramon. The cultural logic of digital intermediaries: YouTube multichannel networks. Convergence, vol. 22, n. 4, p. 348–360, 1 ago. 2016.

POSSEBON, Samuel. Ancine abre processo (e consulta) sobre cobrança da Condecine de VoD pelas regras atuais. Teletime, São Paulo, 27 nov. 2018.

POSSEBON, Samuel. AT&T compra a DirecTV por US$ 48,5 bilhões; América Latina está incluída. Teletime, São Paulo, 18 maio 2014.

POSSEBON, Samuel. Conselho Superior de Cinema recebe recomendações da Ancine sobre VOD e pede mais debate. Teletime, São Paulo, 16 maio 2017a.

POSSEBON, Samuel. Sem regulação, novos modelos podem inviabilizar economia do audiovisual, diz Manoel Rangel. Teletime, São Paulo, 29 maio 2017b.

SCHUMPETER, Joseph. Teoria do Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1934.

TELEFÓNICA. Viacom compra Televisión Federal S.A. (Telefe) en Argentina, a Telefónica S.A., por US$345 millones de dólares. Buenos Aires, Madrid, Nova York, 15 nov. 2016.




DOI: https://doi.org/10.22409/contracampo.v0i0.28444

Apontamentos

  • Não há apontamentos.