Os testemunhos de catástrofes nas revistas brasileiras: do medo individual à paternização midiática1

Márcia Franz Amaral

Resumo


O artigo faz uma reflexão sobre as especificidades dos acontecimentos catastróficos na atualidade e sua cobertura pela mídia e mostra como os discursos sobre as catástrofes se modificam ao longo do tempo. No discurso jornalístico atual, ressaltam-se os relatos das fontes testemunhais e de emoções como o medo e a angústia. A pesquisa analisa a citação literal das fontes nas matérias sobre a maior catástrofe brasileira, o deslizamento ocorrido na região serrana do Rio de Janeiro em janeiro e fevereiro de 2011 nas revistas Veja, Época e IstoÉ. Consideramos que a citação das fontes testemunhais integraram um determinado efeito patêmico, a partir do aporte teórico de Patrick Charaudeau.

Palavras-chave


Cobertura de catástrofes, fontes jornalísticas, emoção no jornalismo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/contracampo.v0i26.260

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Qualis: B1
ISSN: 2238-2577