A comunicação como trabalho no capitalismo de plataforma: o caso das mudanças no jornalismo

Roseli Figaro, Ana Flávia Marques

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar as mudanças no mundo do trabalho do jornalista no cenário do crescimento do trabalho digital e capitalismo de plataforma. Ainda sob os efeitos da crise de 2007, o processo de reestruturação do sistema de produção capitalista tem provocado mudanças na base sociotécnica que indica transformações estruturais na sociedade. O binômio comunicação e trabalho é a abordagem teórico-metodológica para compreender essas inovações na geração de valor do capital, o qual não pode prescindir de processos comunicacionais para a própria existência das plataformas e, consequentemente, na cadeia global de valor.


Palavras-chave


Trabalho de plataforma; Capitalismo de Plataforma; Comunicação e Trabalho; Redação Virtual; Jornalismo.

Referências


ABRAMO, PERSEU. Padrões de manipulação da grande imprensa. São Paulo. Fundação Perseu Abramo, 2008.

BELL, Emily.; OWEN, Taylor. A imprensa nas plataformas. Como o Vale do Silício reestruturou o jornalismo. (publicação da edição brasileira da Columbia Journalism Review). Revista de Jornalismo ESPM, Jul.Dez., 2017. Disponível em :https://academiccommons.columbia.edu/doi/10.7916/D8D79PWH

ANDERSON, C.W.; BELL, Emily; SHIRKY, Clay. Jornalismo Pós-Industrial: adaptação aos novos tempos. Tradução Ada Felix. Revista de Jornalismo da ESPM, São Paulo, ano 2, n 5, p. 30 – 89, 2013.

CASTELLS, Manuel. Sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

DARDOT, Pierre.; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo.Ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo2016.

[NN]. [NN] 2018.

FRANCISCATO, Carlos Eduardo. A tecnologia móvel como plataforma de inovação no jornalismo de cidades. Revista Líbero. Revista eletrônica do Programa de Mestrado em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero. 2018 Disponível http://seer.casperlibero.edu.br/index.php/libero/article/view/952/973 Acesso em 08/05/2019

FUCHS, Christian. Social Media. A critical introduction. London: Sage, 2014.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere. 6 Volumes. Civilização Brasileira. RJ. 2006.

HUWS, Ursula. A formação do cibertariado. Trabalho virtual em um mundo real. Campinas: Edunicamp, 2017.

JENKINS, Henri. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

LIMA, Cecilia Almeida. MOREIRA, Diego. CALAZANS, Janaina. Netflix e a manutenção de gêneros televisivos fora do fluxo. Revista Matrizes. V.9 - Nº 2 jul./dez. São Paulo, USP, 2015.

DOI:http://dx.doi.org/10.11.606/issn.1982-8160.v9.i2p.237-256

LIMA, Claudia Nonato. Jornalistas, blogueiros migrantes da comunicação: em busca de novos arranjos para o trabalho jornalístico com maior autonomia e liberdade de expressão. Tese de doutorado Ciências da Comunicação. ECA-USP, 2015.

MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2001.

[NN]. [NN]. 2019.

NOUROUDINE, Abdallah. A linguagem: dispositivo revelador da complexidade do trabalho. In: SOUZA E SILVA, M. Cecília P., FAÏTA, Daniel. (orgs.) Linguagem e trabalho. Construção de objetos de análise no Brasil e na França. São Paulo: Cortez, 2002.

SCHUMPETER, Joseph. A. Capitalismo, Socialismo e Democracia. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1961.

SRNICEK, Nick. Capitalismo de plataformas. Buenos Aires: Caja Negra, 2018.

TUCHMAN, Gay. Making News by Doing Work: Routinizing the Unespected. Americam Journal of Sociology. 1979

SLEE, Tom. Uberização. A nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Elefante, 2017.

VOLOCHINOV, Valentin. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Editora 34, 2017.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação. 5. ed. Lisboa: Presença, 2012.

WU, Tim. Impérios da comunicação. Rio de Janeiro: Zahhar, 2012.

ZUBOFF, Shoshana. The age of surveillance capitalism. New York: PublicAffairs, 2019.

WILLIAMS, Raymond. Cultura e materialismo. São Paulo: Edunesp, 2011.




DOI: https://doi.org/10.22409/contracampo.v39i1.38566

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
Qualis: B1
ISSN: 2238-2577