Upando com meninas empoderadas

identidades mobilizadas em práticas discursivas nas streams de Samira Close

Autores

Palavras-chave:

Identidade, Perfomatividade, Queer Game Studies, Streams, Samira Close.

Resumo

A transmissão de jogos realizada em plataformas de gamestreaming tem se revelado um lócus para queers enunciarem-se e problematizarem aspectos identitários. Nesse cenário, a drag queen e streamer Samira Close transgride a racionalidade heteronormativa na esfera midiática dos games. Considerando esse contexto, este artigo tem por objetivo compreender como sujeitos LGBTQI+ mobilizam traços identitários em suas práticas de streamar. Os dados configuram-se como cinco enunciados do gênero streams, e a análise, de caráter qualitativo-interpretativista, possui ancoragem epistemológica em conceitos como discurso, identidade e performatividade. A análise evidenciou que Samira Close performa identidades em suas streams reelaborando aspectos estilístico-linguageiros situados em cada tipologia de game a partir do pajubá e do linguajar cotidiano de LGBTQI+.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Lourdes Rossi Remenche, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Pós-doutora pela Universidade do Minho (UM/Portugal). Doutora em Linguística pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP). Professora Associada do Departamento Acadêmico de Linguagem e Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Gilmar Montargil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Jornalista. Mestre em Estudos em Linguagens pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e mestrando em Comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCOM/UFRGS). Bolsista Capes e membro do Núcleo de Pesquisa Corporolidades do Grupo de Pesquisa em Semiótica da Cultura (GPESC/UFRGS).

Nívea Rohling, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora Associada do Departamento Acadêmico de Linguagem e Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Referências

BARROSO, Renato Régis. Pajubá: O Código Linguístico da Comunidade LGBT. Dissertação (Mestrado em Letras e Artes) – Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, 2017.

BELK, Russel. Extended Self in a Digital World. Journal of Consumer Research, Chicago, 2013, p. 477-500.

BOZON, Michel. Sociologia da Sexualidade. Rio de janeiro: FGV, 2004.

BUTLER, Judith. Corpos que importam: os limites discursivos do sexo. n-1 edições: São Paulo. 1. ed. 2019.

BUTLER, Judith. Notes toward a performative theory of assembly. London: Harvard University Press, 2015.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução por Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003 [1990].

BUTLER, Judith P; ATHANASIOU, Athena. Dispossession: the performative in the political. Cambridge: Polity Press, 2013.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

CIOCCARI, Deysi; PERSICHETTI, Simonetta. Armas, Ódio, Medo e Espetáculo em Jair Bolsonaro. Revista Altejor, São Paulo, v. 2, n. 18, p. 201-214, jul-dez 2018.

COLLING, Leandro; ARRUDA, Murilo Souza; NONATO, Murilo Nascimento. Perfechatividades de gênero: a contribuição das fechativas e afeminadas à teoria da performatividade de gênero. Cadernos Pagu, Campinas, v. 57, 2019.

CONDIS, Megan. Gaming Masculinity: Trolls, fake geeks, and the Gendered Batller for Online Culture. Iowa City: University Of Iowa Press, 1. ed, 2018.

CRESWELL, J. Research design: Qualitative, quantitative and mixed methods approaches (2nded.). Thousand Oaks, CA: SAGE Publications. 2003.

CURY, Maria Eduarda. Facebook rivaliza com YouTube e Twitch com foco em novatos e diversidade. Exame. 16 out. 2019. Disponível em: https://exame.abril.com.br/tecnologia/facebook-rivaliza-com-youtube-e-twitch-com-foco-em-novatos-e-diversidade/ Acesso em: 8 fev. 2020.

DOURADO, Tatiana Maria Silva Galvão. Fake News na eleição presidencial de 2018 no Brasil. Tese de Doutorado (Pós-Com Cibercultura). Universidade Federal da Bahia, 2020.

FERNANDEZ-VARA, Clara. Introduction to game analysis. London: Routledge, 2. ed, 2019.

GEE, James Paul. Identity as analytic lens for research in education. Review of Research in Education, v. 25, 2000. p. 99-125.

GOULART, Lucas; NARDI, Henrique Caetano. GAMERGATE: cultura dos jogos digitais e a identidade gamer masculina. Revista Mídia e Cotidiano, Niterói, v. 11, n. 3, 2017. p. 250-268.

HALBERSTAM, Jack. Queer Gaming Gaming, Hacking, and Going Turbo. In: RUBERG, Bonnie; SHAW, Adrienne. Queer Game Studies. Minneapollis: Univ. Minessotta Press. Edição Ebook Kindle, 2017. Cap. 19.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. São Paulo: DP&A. 2006.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Organização: Arthur Ituassu. Tradução: Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro: Editora PUC-RIO: Apicuri, 2016.

HALL, Stuart. “Notes on deconstructing ‘the popular’”. In: DUNCOMBE, Stephen. Cultural Resistance: A Reader, Nova York: Verso Press, 2002 [1981]. p. 185-192.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 14. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 103-133.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2011.

MAICZAK, Jefherson [Entrevistado]. In: PACÍFICO, Ana Carolina; et. al. Dá um Close Nelas. Curitiba. 2016. 25 min (Web), color. Disponível em https://www.google.com/url?sa=t&source=web&rct=j&url=https://vimeo.com/171143277&ved=2ahUKEwicyqriuJ3fAhWDUJAKHfo6DZgQkq0BMAJ6BAgCEAE&usg=AOvVaw2nd7hJ0yBvEZ__Yy7dsn7D Acesso em: 13 dez. 2018.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Tradução de Ronald Polito e Sérgio Alcides. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.

MESSENBERG, Débora. A direita saiu do armário: a cosmovisão dos formadores de opinião dos manifestantes de direita brasileiros. Revista Sociedade e Estado. v. 32, n. 3, set./dez. 2017.

MISKOLCI, Richard. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, ano 11, n. 21, jan./jun 2009. p. 150-162.

OLIVEIRA, Megg Rayara Gomes de. O diabo em forma de gente: (r) existências gays afeminados, viados e bichas pretas na educação. Tese de doutorado (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2017.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto Contrassexual. Políticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

PRECIADO, Beatriz. Testo junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. n-1 edições: São Paulo. 1. ed. 2018.

REYES, Mariel Soto. Twitch just lost another star streamer, this time to Facebook Gaming. Business Insider. 26 nov. 2019. Disponível em: https://www.businessinsider.com/twitch-loses-star-streamer-to-facebook-gaming-2019-11 Acesso em: 3 jan. 2020.

RUBERG, Bonnie. The Queer Games Avant-Garde: How LGBTQ Game Makers Are Reimagining the Medium of Video Games. Durham: Duke University Press Books. 2020.

RUBERG, Bonnie. Video Games Have Always Been Queer. New York: NYU Press, 2019.

RUBERG, Bonnie; SHAW, Adrienne. Introdution. In: RUBERG, Bonnie; SHAW, Adrienne (Eds.). Queer Game Studies. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2017.

SAMIRA CLOSE. VOD de streams. Facebook Gaming. 2018-2021. Disponível em: https://www.fb.gg/samiraclose/ Acesso em: 13 maio. 2021.

SHAW, Adrienne. Do you identify as a gamer? Gender, race, sexuality, and gamer identity. New Media & Society, n. 14. v. 1, p. 28-44.

SHAW, Adrienne. What is Video Game Culture. Games and Culture, n. 5, v. 4, 2010, p. 403-424.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 14. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 73-102.

SMITH, Tom; OBRIST, Marianna; WRIGHT, Peter. Live-Streaming Changes the (Video) Game. EurolTV'13: 11th European Conference on Interactive TV and Video, Como, Itália, 2013, p. 131-138.

TAYLOR, T. L. Watch me play: Twitch ad the Rise of Game Live Streaming. Princeton: Princeton University Press, 2018.

VOLÓCHINOV, Valentin. Marxismo e filosofia da linguagem. Problemas fundamentais do método sociólogico na ciência da linguagem. Tradução de Sheila Grillo e Ekaterina Volkóva Américo. 1. ed. Editora 34: São Paulo. 2017 [1929].

Downloads

Publicado

2021-09-01