Enquadramentos da subjetividade no cinema brasileiro

olhares de uma câmera sensível

Autores

Resumo

Como definiríamos do ponto de vista sensível uma câmera que entrega ao espectador imagens que “normalmente” estariam fora de quadro? Este ensaio tem por objetivo explorar os efeitos de enquadramento nos filmes Redemoinho (2016), de José Luiz Villamarim e Pela Janela (2017), de Caroline Leone, partindo da reflexão sobre uma emergência de filmes brasileiros que parece estar bastante interessada em uma política cotidiana. Trata-se de um cinema cujas estéticas privilegiam o dentro do quadro e a profundidade de campo, a subjetividade das coisas, as ambiências engendradas aos personagens, as micro-ações, e assim suscitam “novas” experiências sensíveis. Entende-se que essa estética possui uma materialidade fílmica que se empenha em apreender em imagem-movimento a subjetividade do sujeito-personagem imbuído na lógica cultural racionalista, mas que também aponta para a busca por outras configurações existenciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Infância e história. Destruição e origem da história. (Trad. Henrique Burigo). Belo Horizonte: UFMG, 2008. (1ª ed. Italiano 1978)

AUMONT, Jacques. et al. A estética do filme. Campinas, SP: Papirus, 1995.

AUMONT, Jacques. O olho interminável. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 3. ed. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet; Prefácio de Jeanne Marie Gagnebin. São Paulo: Brasiliense, 1987.

COMOLLI, Jean-Louis. O espelho de duas faces. In: YOEL, Gerardo. Pensar o cinema: Imagem, ética e filosofia. São Paulo, Cosac Naify, 2015. p. 165-203.

MARCUSE, Herbert. A ideologia da sociedade industrial: o homem unidimensional. Tradução de Giasone Rebuá. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

OLIVEIRA JUNIOR, Luiz Carlos Gonçalves de. O cinema de fluxo e a mise en scène. 2010. Dissertação (Mestrado em Meios e Processos Audiovisuais) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. doi:10.11606/D.27.2010.tde-30112010-164937. Acesso em: 27 abr. 2021.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. Tradução de Mônica Costa Netto. São Paulo: EXO Experimental org; Editora 34, 2005.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento: Política e Filosofia. Tradução de Ângela Leite Lopes. São Paulo: Ed. 34, 1996.

VIEIRA JR, Erly. “Corpo e cotidiano no cinema de fluxo contemporâneo”. Revista Contracampo, nº. 29, p.110-130, 2014. Disponível em: https://periodicos.uff.br/contracampo/article/view/17521. Acesso em: 27 abr. 2021.

XAVIER, Ismail. (org.). A experiência do cinema: antologia. 2ª ed. rev. aum. Rio de Janeiro: Edições Graal/Embrafilme, 1991.

Downloads

Publicado

2021-09-01