Vidas que importam

a dimensão sensível e política da autorrepresentação no audiovisual

Autores

  • Jetur Castro Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP)
  • Rosaly Brito Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.22409/contracampo.v41i2.51490

Palavras-chave:

Chacina de 2014 em Belém, Coletivo Tela Firme., Audiovisual periférico, Autorrepresentação, Intersubjetividade

Resumo

O presente trabalho busca compreender de que maneira os moradores do bairro da Terra Firme, na periferia de Belém, capital do Estado do Pará apreendem a narrativa do minidocumentário “Poderia ter sido você”, produzido pelo coletivo de mídia alternativa Tela Firme, após a chacina em 2014. O vídeo tece uma contranarrativa, ao recriar uma realidade partilhada de maneira trágica pelos moradores, buscando despertar neles identificação, em contraste com a representação hegemônica e estigmatizante do bairro e de seus moradores, que circulou massivamente no discurso midiático à época da chacina. O minidocumentário se insere em um vigoroso movimento de produção audiovisual surgido nas periferias brasileiras desde a década passada, que ultrapassa a dimensão artística e assume contornos políticos, em que a autorrepresentação desponta como uma ideia central. Essas produções buscam restituir a fala historicamente negada a esta parcela da população no espaço público. A pesquisa tem como ponto de partida a dimensão intersubjetiva da experiência na produção de sentidos nesse contexto de violência urbana. De natureza qualitativa, a pesquisa alia a observação participante, sob uma perspectiva autoetnográfica e entrevistas com moradores do bairro, membros do coletivo que produziu o vídeo e mães de jovens assassinados na chacina. Investigou-se até que ponto estes sujeitos se reconhecem e veem sua realidade projetada na narrativa do minidocumentário e se ela consegue deslocar o olhar que têm de si próprios, na contramão das representações hegemônicas do discurso midiático. Logo, o que se percebeu é que a produção audiovisual do “Poderia ter sido você” se destaca como instrumento de produção e posicionamentos discursivos do Coletivo Tela Firme diante das chacinas ocorridas nas periferias de Belém em 2014, em que os moradores se reconhecem.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jetur Castro, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP)

Doutorando em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (PPGCI-UNESP). Bibliotecário, mestre em Ciências da Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação Comunicação, Cultura e Amazônia da Universidade Federal do Pará (PPGCOM/UFPA). Integrante do Grupo de Pesquisa em Informação: Mediação, Cultura, Leitura e Sociedade (UNESP) e Grupo de Pesquisa Comunicação Política e Amazônia (Compoa/UFPA).

Rosaly Brito, Universidade Federal do Pará

Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Cultura e Amazônia (PPGCOM/UFPA).Doutora em Ciências Sociais/Antropologia, pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Mestre em Comunicação, área de concentração em Teoria e Ensino da Comunicação, pela Universidade Metodista de São Paulo (1997) e graduada em Comunicação/Jornalismo na UFPA (1981). 

Referências

ADERALDO, G. A periferia por ela mesma. Pesquisa Fapesp, n. 258.ago.2017.

AMARAL, S. Entrevista [07 de abril. 2020]. Entrevistador: J. L. Castro. Belém, 2020. 1 arquivo. Opus (18 min 14s).

ARENDT, H. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. Editora Companhia das Letras, 1999.

ASSUNÇÃO, A.C. Entrevista [29 de mar. 2020]. Entrevistador: J. L. Castro. Belém, 2020. 1 arquivo. Opus (7 min 10s).

AVIZ, E. Entrevista [03 de abr. 2020]. Entrevistador: J. L. Castro. Belém, 2020. 1 arquivo. Opus (7 min 3s).

BATISTA, F. Entrevista [31 de mar. 2020]. Entrevistador: J. L. Castro. Belém, 2020. 1 arquivo. Opus (5 min 10s).

BELLETATI, F. As produções audiovisuais de jovens da periferia e a auto-representação. Ponto Urbe. Revista do Núcleo de Antropologia Urbana da USP, n. 5, 2009.

CHANG, H. Autoethnography as method. Walnut Creek, CA: Left Coast Press, 2008.

COSTA, R. Entrevista [29 de mar. 2020]. Entrevistador: J. L. Castro. Belém, 2020. 1 arquivo. Opus (6 min 10s).

CRUZ, A. Entrevista [10 de abril. 2020]. Entrevistador: J. L. Castro. Belém, 2020. 1 arquivo. Opus (30 min 56s).

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Trad.: Luiz Orlandi e Roberto Machado. São Paulo: Graal, 2006.

FANON, F. Os condenados da Terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

HAROCHE, C. A condição sensível: formas e maneiras de sentir no Ocidente. Rio de Janeiro: Contracapa, 2008.

HAROCHE, C. Processos psicológicos e sociais da humilhação: o empobrecimento do espaço interior no individualismo contemporâneo. In: MARSON, Isabel; NAXARA, Márcia (orgs.) Sobre a humilhação: sentimentos, gestos, palavras. Uberlândia: EDUFU, 2005.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Ed34, 2003.

MAGNANI, J. G. C. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 49, p. 11-29, 2002.

MODESTO, J. Entrevista [2 de abr. 2020]. Entrevistador: J. L. Castro. Belém, 2020. 1 arquivo. Opus (6 min 10s).

PEIXOTO, R. A polícia e a senzala. In: Primeiras Linhas. Jornal laboratório da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal do Pará. Ano 1, n. 1, agosto de 2015.

PERUZZO, C. M. Aproximações entre a comunicação popular e comunitária e a imprensa alternativa no Brasil na era do ciberespaço. In: Revista Galáxia. São Paulo: n. 17, p. 131 – 146. Jun. 2009.

POLICIAL. Entrevista [29 de mar. 2020]. Entrevistador: J. L. Castro. Belém, 2020. 1 arquivo. Opus (6 min 10s).

ROCHA, L. de M. Representações e autorrepresentações: notas sobre a juventude carioca moradora de favelas e os projetos sociais de audiovisual. 35º Encontro Anual da Anpocs. Anais[...]. Caxambu, 2011.

SANTOS, M. C. J. dos. Vozes ativas das favelas 2.0 autorrepresentações midiáticas numa rede de comunicadores periféricos, 2014. 224 f. Dissertação (mestrado) – Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, Programa de Pós-Graduação em História Política e Bens Culturais, 2014.

SANTOS, S. Entrevista [28 de mar. 2020]. Entrevistador: J. L. Castro. Belém, 2020. 1 arquivo. Opus (7 min).

SERRÃO, I. Entrevista [30 de mar. 2020]. Entrevistador: J. L. Castro. Belém, 2020. 1 arquivo. Opus (7 min 10s).

SOUZA, G. O audiovisual nas periferias brasileiras: fatores para o desenvolvimento da produção. Cadernos Cenpec| Nova série, v. 2, n. 2, 2013.

SOUZA, V. Entrevista [9 de abr. 2020]. Entrevistador: J. L. Castro. Belém, 2020. 1 arquivo. Opus (4 min 10s).

WILQ, V. Quebrada? Cinema, vídeo e lutas sociais. São Paulo: Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária - USP, 2014.

ZANETTI, D. Cenas da periferia: Auto-representação como luta por reconhecimento. Revista da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, v.11, n.2, p. 01-16, maio/ago. 2008.

ZANETTI, D. O cinema da periferia: narrativas do cotidiano, visibilidade e reconhecimento social. 2010. 319 f. (Doutorado em Comunicação) - Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2010.

Downloads

Publicado

2022-08-31