#ChegadeAssedio

Potencialidades do ativismo digital no combate à violência sexual contra mulheres na América Latina

Autores

  • Aline Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP https://orcid.org/0000-0003-3850-5461
  • Osvando Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP

Palavras-chave:

América Latina, Assédio sexual, Ativismo digital, Decolonial, Mulheres

Resumo

Argumentar sobre modos de pensar os feminismos latino-americanos se faz necessário a partir de um viés decolonial formado por autoras do Sul Global.  Aliar tais saberes teóricos às práticas ativistas de mulheres dentro e fora das redes torna-se salutar para compreender como suas realidades violentas vêm sendo combatidas. Deste modo, em nosso trabalho propomos refletir sobre usos e repercussões do ativismo digital no combate ao assédio sexual sofrido por mulheres na América Latina. Para tanto, selecionamos as campanhas brasileiras #ChegadeFiuFiu e #MexeuComUmaMexeuComTodas com o intuito de examinar se as ações por elas realizadas resultaram em efeitos significativos diante da pauta em questão. Os resultados preliminares apontam que o intercruzamento entre práticas e saberes reverberaram em novas formas de organização política de mulheres, por vezes eficientes no enfrentamento à violência sexual em espaços públicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP

Pesquisadora Bolsista CAPES em nível de doutorado pelo Programa de Mídia e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP. Mestra em Comunicação pela Universidade Federal da Paraíba. Especialista em Marketing pela Universidade Federal de Sergipe. Graduada em Publicidade e Propaganda pela Universidade Tiradentes. Integra os grupos de pesquisa em Estudos de Gênero e Mídia (UFS), liderado pela profª Drª Renata Malta; PCLA - Pensamento Comunicacional Latino-americano (UNESP), liderado pela profª Drª Maria Cristina Gobbi e DIGITART - Teorias das Mídias Digitais, Tecnologias, Artes e Culturas, liderado pelo prof. Dr. Osvando José de Morais. Atualmente é professora dos cursos de artes e comunicação da FAAC/Campus Bauru - UNESP. PossuI experiência nas áreas de Estudos de Gênero e Mídia, História da Arte Moderna e Contemporânea, Cinema brasileiro contemporâneo e Cultura Brasileira.

Osvando, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - UNESP

Pós-doutor em Teorias da Comunicação e Hermenêutica pela FAAC - UNESP, Campus de Bauru. Doutor em Ciências da Comunicação pela ECA - USP. Mestre em Literatura Brasileira pela FFLCH - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP - Universidade de São Paulo. Bacharel em Letras Português e Russo pela FFLCH - USP. Professor de Teorias da Comunicação e da Cultura, Hermenêutica, Semiótica da Comunicação e Visual. Na área de Letras, docência com ênfase em Crítica Literária, nas Relações entre Literatura e Televisão, e na Adaptação de Textos Literários para Cinema e Televisão. Líder e Pesquisador do Grupo de Pesquisa GEMS - Games, Educação, Mídia e Sentido, e também do DIGITART: Teorias das Mídias Digitais, Tecnologias, Artes e Culturas, da UNESP - Campus de Bauru, certificados pela instituição e pelo CNPq. Editor e Diretor Editorial da INTERCOM - Nacional, tendo organizado publicações e coletâneas.

Referências

% DAS MULHERES disseram já ter sido vítimas de assédio em meios de transporte. Agência Patrícia Galvão, 30 set. 2019. Disponível em: https://agenciapatriciagalvao.org.br/violencia/violencia-sexual/97-das-mulheres-disseram-ja-ter-sido-vitimas-de-assedio-em-meios-de-transporte/. Acesso: 30 setembro 2021.

ABREU, Carla de. Narrativas digifeministas: arte, ativismo e posicionamentos políticos na internet. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, v. 02, n. 04, p. 134-152, jan./abr. 2017.

AMANTE, Vandreza; GUZZO, Morgani. Adriana Guzmán: o feminismo comunitário antipatriarcal é ação política, não teoria. Portal Catarinas, 02 mar. 2021. Disponível em: https://catarinas.info/adriana-guzman-o-feminismo-comunitario-antipatriarcal-e-acao-politica-nao-teoria/. Acesso: 14 setembro 2021.

BANCO MUNDIAL. Quanto você sabe sobre os afrodescendentes na América Latina? El país, 15 jul. 2019. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/06/26/internacional/1561563872_895042.html. Acesso: 13 setembro 2021.

BENTES, Ivana. (Org.). Hackear, narrar: As novas linguagens do ativismo. In: Mídia-multidão: Estéticas da comunicação e biopolíticas. Rio de Janeiro: Mauad, 2015. p. 59-72.

CAMPANHA brasileira inspira hashtags em inglês sobre primeiro assédio sexual. BBC News Brasil, 10 nov. 2015. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/11/151110_primeiro_assedio_repercussao_cc. Acesso: 21 setembro 2021.

CNJ SERVIÇO: o que é o crime de importunação sexual? Agência CNJ Notícias, 15 fev. 2019. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/cnj-servico-o-que-e-o-crime-de-importunacao-sexual/. Acesso: 30 setembro 2021.

COLLADO, Ana Martínez; NAVARRETE, Ana. Ciberfeminismo: também uma forma de ativismo. GenderIT, 02 jun. 2010. Disponível em: http://www.rizoma.net/interna.php?id=220&secao=desbunde . Acesso: 04 setembro 2021.

CRENSHAW, Kimberlè. Demarginalizing the Intersection of Race and Sex: A Black Feminist Critique of Antidiscrimination Doctrine, Feminist Theory and Antiracist Politics. University of Chicago Legal Forum: Vol. 1989: Iss. 1, Article 8. Disponível em: http://chicagounbound.uchicago.edu/uclf/vol1989/iss1/8. Acesso: 20 setembro 2021.

DI FELICE, Massimo. Net-ativismo: da ação social para o ato conectivo. 1ª ed. São Paulo: Paulus Editora, 2017.

DOLCE, Júlia. Levante do povo chileno é sustentado pela luta das mulheres indígenas. Publica - agência de jornalismo investigativo, 06 mar. 2020. Disponível em: https://apublica.org/2020/03/levante-do-povo-chileno-e-sustentado-pela-luta-das-mulheres-indigenas-diz-lideranca-mapuche/. Acesso: 15 setembro 2021.

FANON, Frantz. Racismo y cultura. In: Por la revolución africana, Fondo de cultura econômica. México, 1965.

FIGUEIREDO, Priscilla. Frotteurismo: o esfregar-se no outro em transporte público. Psicologia para curiosos, 27 abr. 2016. Disponível em: https://psicologiaparacuriosos.com.br/frotteurismo-o-esfregar-se-no-outro-em-transporte-publico/. Acesso: 30 setembro 2021.

GONÇALVES, Raquel Isidoro. Chega de fiu-fiu: construção social contemporânea do assédio sexual na mobilidade urbana das mulheres. Dissertação (mestrado em sociologia) – Universidade Federal Fluminense, 2019.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino americano: ensaios, intervenções e diálogos. 1ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

HIRATA, Helena. Flexibilidade, trabalho e gênero. In: HIRATA, Helena; SEGNINI, Liliana (Org.). Organização, trabalho e gênero. São Paulo: SENAC, 2007.

HOLLANDA, Heloísa Buarque de. (Org.). Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019.

MOBILIZAÇÕES: Marcha das Margaridas. Fetase, Aracaju, 25 nov. 2017. Disponível em: https://fetase.org.br/mobilizacoes/marcha-das-margaridas/. Acesso: 12 setembro 2021.

MOSCATIELLO, Giovanna. Outras cartografias: feminicídio na América Latina. Disponível em: https://outraspalavras.net/feminismos/outras-cartografias-feminicidio-na-americalatina/. Acesso: 25 setembro 2021.

MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. 5ª ed. São Paulo: Editora Autêntica, 2019.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder y clasificación social. In: Journal of World-System Research, 2000.

REIS, Josemira Silva. Feminismo por hashtags: as potencialidades e riscos tecidos pelas redes. Anais do 13º Mundos de Mulheres & Fazendo Gênero 11, Universidade Federal de Santa Catarina, 30 de julho a 04 de agosto de 2017.

RIZZO, Lia. Assédio é violência de gênero que mais atinge mulheres em todo o mundo. Vogue –Globo, Rio de Janeiro, 05 out 2021. Disponível em: https://vogue.globo.com/assedio/noticia/2021/10/assedio-e-violencia-de-genero-que-mais-atinge-mulheres-em-todo-o-mundo.html. Acesso: 08 outubro 2021.

ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: n-1 edições, 2018.

SAFATLE, Vladimir. O circuito dos afetos. São Paulo: CosacNaify, 2015.

SAGOT, Montserrat. O feminicídio como necropolítica na América Central. Labrys Feminist Studies, Costa Rica, 10 jul 2013. Disponível em: https://www.labrys.net.br/labrys24/feminicide/monserat.htm. Acesso: 22 setembro 2021.

SAMPAIO, Cristiane. Conheça o feminismo camponês popular, pauta das mulheres sem-terra. Brasil de fato, 08 mar. 2020. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2020/03/08/conheca-o-feminismo-campones-popular-pauta-das-mulheres-sem-terra. Acesso: 14 setembro 2021.

UM vírus e duas guerras: mulheres enfrentam em casa a violência doméstica e a pandemia da Covid-19. Ponte jornalismo, 18 jun. 2020. Disponível em: https://ponte.org/mulheres-enfrentam-em-casa-a-violencia-domestica-e-a-pandemia-da-covid-19/. Acesso: 23 setembro 2021.

Downloads

Publicado

2022-07-25

Edição

Seção

Dossiê