Da constituição da diferença à indiferença do morrer:

produções e contraproduções acerca das mortes (e vidas) trans

Autores

Palavras-chave:

Corpos trans e travestis, Violência, Decolonial, Mídia

Resumo

As produções que abordam as violências que acometem pessoas trans e travestis contribuem para a configuração social de imaginários acerca desses corpos. A partir desse pressuposto, apresentamos nesse artigo a constituição da dissidência de gênero a partir das diferenças inscritas em uma matriz subalternizante, criadas no interior do projeto colonial e moderno de poder, com o intuito de refletir como tal dinâmica atravessa as violências a que esses sujeitos estão submetidos diariamente. Para além, observamos nuances nas produções, assim como contraproduções que promovem um enfrentamento, a fim de compreender as disputas que estão presentes nesse contexto de violências. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayane do Carmo Barretos, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais. Integrante do Grupo de Estudos em Lesbianidades (GEL/UFMG).

Joana Ziller, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora permanente do PPGCOM/UFMG. Coordenadora do Núcleo de Pesquisa em Conexões Intermidiáticas e de seu Grupo de Estudos em Lesbianidades.

Marco Aurélio Máximo Prado, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Psicologial Social pela PUC/SP. Professor do Programa de Pós-Graduação em Psicologia PPGPSI/UFMG. Coordenador do Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania LGBT (NUH/UFMG). 

Referências

BIONDI, Angie. Corpo sofredor: figuração e experiência no jornalismo. Belo Horizonte: PPGCOM UFMG, 2016.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

________________. The force of nonviolence: an ethico-political bind. New York: Verso, 2020.

___________________. Vida precária. In: Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar, São Carlos, 1(1), 2011, p. 13-33. Disponível em: https://www.contemporanea.ufscar.br/index.php/contemporanea/article/view/18 Acesso em 9 jan. 2022.

EFREM FILHO, Roberto. Corpos brutalizados: conflitos e materializações nas mortes de LGBT. In: cadernos pagu (46), janeiro-abril de 2016, p. 311-340. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645911 Acesso em 9 jan. 2022.

hooks, Bell. Talking Back: Thinking Feminist, Thinking Black. Boston: South End Press, 1989.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Tradução de Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019.

LUGONES, María. Colonialidad y gênero. In: Tabula Rasa: Bogotá - Colombia, No.9: 73-101, 2008. Disponível em: https://www.revistatabularasa.org/numero-9/05lugones.pdf Acesso em 9 jan. 2022.

______________. Rumo a um feminismo descolonial. Tradução de Juliana Watson e Tatiana Nascimento. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, set./dez. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36755 Acesso em 9 jan. 2022.

QUIJANO, Aníbal. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? 1. ed. Trad. Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2022-07-25

Edição

Seção

Dossiê