O corpo e o passado insepulto na ficção latino-americana do século XXI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/contracampo.v41i1.52912

Resumo

O artigo propõe uma reflexão sobre a configuração da temporalidade em narrativas latino-americanas do século XXI que, de modo direto ou indireto, ficcionalizam acontecimentos coletivos traumáticos. Partimos da hipótese de que, através de uma estética fantasmática, o passado ganha centralidade como dimensão temporal que se impõe ao presente. A permanência do passado no presente é metaforizada, recorrentemente, pela presença dos ausentes, pela apresentação figural dos mortos, dando-se destaque ao destino dos corpos, sejam os corpos torturados ou desaparecidos das vítimas, sejam os corpos degenerados daqueles que se mantiveram do lado da violência estatal. Para desenvolver tal hipótese, serão colocadas em diálogo obras cinematográficas e literárias contemporâneas como, por exemplo, os filmes Aranha, de Andrés Wood, A Chorona, de Jayro Bustamante, e romances, como Corpos intermináveis, de Cláudia Lage, e Degeneração, de Fernando Bonassi.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Lucia Follain de Figueiredo, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Vera Lúcia Follain de Figueiredo é doutora em Letras, professora Associada do Departamento de Comunicação Social da PUC-Rio e pesquisadora do CNPq.  É autora, dentre outros trabalhos, dos livros: Narrativas migrantes: literatura, roteiro e cinema (PUC/7 letras), Os crimes do texto: Rubem Fonseca e a ficção contemporânea (UFMG) e Da profecia ao labirinto: imagens da história na ficção latino-americana (Imago/UERJ). Organizou os livros Mídia e Educação (Gryphus) e Comunicação, representação e práticas sociais (PUC/ Ideias e Letras), este último com dois outros co-autores.  

Referências

BONASSI, Fernando. Prova Contrária. São Paulo: Objetiva, 2003.

BONASSI, Fernando. Degeneração. Rio de Janeiro: Record, 2021.

DONGHI, Tulio Halperin. El espejo de la historia: problemas argentinos y perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: Sudamérica, 1987.

FUKS, Julian. A Resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: PUC-Rio/Contraponto.

LAGE, Cláudia. O corpo interminável. Rio de Janeiro: Record, 2019.

PIGLIA, Ricardo. Tres propuestas para el próximo milênio (y cinco dificultades). Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2001.

PRON, Marcelo. O espírito dos meus pais continua a subir na chuva. São Paulo: Todavia, 2018.

SAAVEDRA, Carola. O inventário das coisas ausentes. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

SARLO, Beatriz. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Cia. das Letras; Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007.

VERÍSSIMO, Érico. Incidente em Antares. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

Filmes

O ARANHA, de Andrés Wood (Chile, Argentina, Brasil, 2019).

A CHORONA, é impossível fugir do passado, de Jayro Bustamante (Guatemala/França, 2019).

HOJE, de Tata Amaral (Brasil, 2013).

O CLUBE, de Pablo Larrain (Chile, 2015).

CACHORROS, de Marcela Said (Chile, 2018).

Downloads

Publicado

2022-05-01