A CRÍTICA DE HUSSERL AO POSITIVISMO

Carlos Diógenes C. Tourinho

Resumo


Um olhar panorâmico sobre a obra de Husserl permite-nos notar que a intenção primária que move e articula o seu projeto filosófico é a de constituir a filosofia como uma “Ciência de Rigor”. O ideal husserliano exprime-se pela determinação em dar uma fundamentação rigorosa à Filosofia e, através dela, a todas as demais ciências, preservando, com isso, a pretensão de universalidade da investigação filosófica. Neste sentido, pode-se dizer que, ao anunciar o seu projeto filosófico, tomado por sua ânsia de rigor absoluto, Husserl estava convencido de que a fundamentação da Filosofia deveria implicar necessariamente em uma plena racionalidade da mesma, em uma clarificação do sentido íntimo das coisas por meio de uma “reflexão radical” que daria consistência racional à própria Filosofia. Husserl não se contentaria, a partir de então, com coisa alguma que não se revelasse à consciência como um dado absolutamente evidente (para usar uma expressão sua, que não se revelasse “em pessoa”), mantendo-se, com isso, fiel ao propósito de garantir não o rigor ao modo das ciências ditas “positivas”, mas sim, o rigor necessário para a fundamentação do saber filosófico a partir do que é suscetível de ser conhecido de modo originário, uma vez que a explicação empírica não poderia, apoiada na observação sistematizada e na descrição da regularidade dos fatos naturais, servir de fundamento último para este saber. Husserl partiria, então, da ideia de que para fazer da filosofia uma “ciência rigorosa”, para construir uma filosofia livre de todas as divergências, seria necessário alicerçar a filosofia sob bases sólidas, isto é, apoiá-la em evidências indubitáveis. De certo modo, fora já este o ideal de Descartes no século XVII: o de não admitir coisa alguma como verdadeira sem conhecê-la evidentemente como tal. O fim e o impulso do projeto filosófico husserliano encontram-se, portanto, intimamente determinados pela filosofia cartesiana, o que faz da fenomenologia uma espécie de “herdeira da modernidade” em pleno século XX.


Palavras-chave


Educação; Filosofia; História; Ciências Sociais; Educação Popular

Texto completo:

PDF

Referências


FRADIQUE Morujão, A. 2002. Estudos Filosóficos – Vol. 1. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda.

FRAGATA Sj, J. 1956. A Fenomenologia de Husserl como fundamento da filosofia. Braga: Livraria Cruz.

____________ 1989. Problemas da Filosofia Contemporânea. Braga: Publicações da Faculdade de Filosofia da UCP.

HUSSERL, E. ([1900-1901] 2001) Logical Investigations. Routledge. London and New York.

____________ ([1907] 2000). A Idéia da Fenomenologia. Lisboa: Edições 70.

____________ ([1913] 1950). Idées directrices pour unephénoménologie et une philosophie phénoménologique pures (Tome Premier). Paris: Gallimard.

____________ ([1929] 1992) Conferências de Paris. Lisboa: Edições 70.

____________ 1931. Méditations Cartésiennes. Paris: Librairie Armand Colin.

LYOTARD, J-F ([1954] 2004). La Phénoménologie. Que sais-je? Paris: PUF.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Encontros com a Filosofia - ISSN 2317-6628



APOIO

        

   

Fontes de indexação: