IDEOLOGIA E CULTURA EDUCACIONAL - Estudo crítico sobre o conservadorismo em educação no Brasil

Autores

  • Diego Fonseca Dantas Universidade Federal Fluminense (UFF)

Palavras-chave:

Educação, Filosofia, História, Conservadorismo

Resumo

O tema deste ensaio é a relação ideologia e educação, tendo como objetivo geral investigar os componentes ideológicos que deram e ainda dão forma ao conservadorismo estrutural brasileiro, e que em momentos determinados pela conjuntura histórica. O estudo toma como pressuposto o fato de o desenvolvimento da educação pública escolar de massa no Brasil ter carecido, desde a primeira hora, da iniciativa, do interesse e do apoio efetivo dos governantes do país, dentro de um contexto e caráter de classe e sobre a expansão da hegemonia do capital. Visando apreender elementos para uma crítica ontológica do pensamento conservador no campo educacional brasileiro, considerando os períodos de maior incidência, bem como a dinâmica das suas metamorfoses conceituais ao longo do tempo até a atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Fonseca Dantas, Universidade Federal Fluminense (UFF)

É Doutor em Educação pela UFF e Mestre em Ciência Política pela UFF. Graduado em Administração pela FCPERJ pela Universidade Candido Mendes. Trabalha há 20 anos no mercado de Telecomunicações; é especialista em Telecomunicações. Lançou livro de Poesia Brasileira em 2012 pela editora Ibis Libris, "Brasil Social. A verdade desvelada."

Referências

ALBUQUERQUE, M. M. Pequena história da formação social brasileira. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1981.

BALEEIRO, A. Senado Federal, Subsecretaria de edições Técnicas, 2012. 103 p. ─ (Coleção Constituições brasileiras; v. 2).

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar. Segunda versão revista. Brasília: MEC, 2016. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/documentos/bncc-2versao.revista.pdf>. Acesso em: 23 mar. 2017.

CERQUEIRA, G. A Questão Social no Brasil. Crítica do discurso político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 1982.

COUTINHO, C. N. Cultura e Sociedade no Brasil. Belo Horizonte. Oficina de Livros, 1990.

CUNHA, L. A. O ensino profissional na irradiação do industrialismo. 2ª edição São Paulo: Editora UNESP; Brasília, DF: FLACSO. 2005.

DANTAS, D. F. Ideologia e Cultura Educacional. Estudo crítico sobre o conservadorismo em educação no Brasil. In PPG Educação-UFF. 2020.

FAUSTO, B. A revolução de 30. História e Historiografia. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

__________. História Geral da Civilização Brasileira. Sociedade e Política (1930 -1964). Tomo III – O Brasil Republicano. Volume 10. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva. 8ª edição. São Paulo: Cortez & Moraes, 2006.

____________. A Gênese das teses do Escola sem Partido: esfinge e o ovo de serpente que ameaçam a sociedade e a educação. In FRIGOTTO, G. (Org.) Escola “sem” partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, LPP, 2017.

GRAMSCI, A.. Cadernos do Cárcere: Maquiavel e Notas sobre o Estado e a Política. Vol. 3. 5ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012).

LACERDA, C. Discursos Parlamentares – Coleção Brasil – século 20. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

LUKÁCS, Georg. Para uma ontologia do ser social II. São Paulo: Boitempo, 2013. Tradução: Nélio Schneider.

Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova. 1932. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. especial, p.188–204, ago. 2006 - ISSN: 1676-2584

Existe uma Filosofia da Educação Brasileira. In TRIGUEIRO, D. M. Filosofia da Educação Brasileira. 3ª edição. Rio de janeiro: Civilização Brasileira. 1987.

NETO; S. História da educação brasileira. São Paulo: Salta, 2015.

NOSELLA, P. A escola em Gramsci. Livro eletrônico. São Paulo. Cortez, 2017.

OLIVEIRA, F. Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. 1ª edição. 4ª reimpressão. São Paulo, SP: Boitempo, 2013.

REIS FILHO, D. A. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

REIS, R. R.. “Formação humana e ideias de liberdade”. In Ex Libris. Revista del Departamento de Letras. Buenos Aires, Argentina: Universidad de Buenos Aires, 2014, pp. 49-65. www.letras.filo.uba.ar/exlibris

ROMANELLI, O. O. História da educação no Brasil. 7ª edição. Rio de Janeiro: Editora Vozes 2017.

SHIROMA, E. Oto; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. Política educacional. 4ᵃ edição Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

SODRÉ, N. W. Síntese de história da cultura brasileira. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

TEIXEIRA, A. Educação no Brasil. 4ª edição. Rio de Janeiro: Editora UFRJ. 2011.

Outras fontes

Disponível em https://www.camara.leg.br/internet/constituicao20anos/DocumentosAvulsos/vol-201.pdf. acesso em 27 de outubro de 2019.

Disponível http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 27 de outubro de 2019.

Disponível http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1937-1946/Del4073.htm. Acesso em 16 de abril de 2019

Disponível http://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/137602/Constituicoes_Brasileiras_v3_1934.pdfAcesso 15 de abril de 2019

__________________________________________: Acesso em 02 de março de 2019. https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/137569/Constituicoes_Brasileiras_v1_1824.pdf.

Disponível https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html acesso em 29 de abril de 2019.

Disponível http://vejario.abril.com.br/cidade/polemica-na-escola-parque/ acesso em 12 de setembro de 2020.

Disponível https://oglobo.globo.com/economia/estacio-abre-escolas-de-ensino-medio-com-curso-profissionalizante-21998344 acesso em 12 de setembro de 2020.

Downloads

Publicado

2021-01-24