Magia, poesia e feitiço: entre Mário de Andrade e Dante Milano

Autores

  • Alexandre Fernandes Corrêa Universidade Federal do Rio de Janeiro (Campus Macaé)

DOI:

https://doi.org/10.22409/gragoata.v21i41.33423

Palavras-chave:

poesia, Modernismo, magia, literatura.

Resumo

Estudo histórico-cultural sobre singularidades literárias expressas por dois poetas brasileiros a propósito da patrimonialização da coleção-museu de magia negra em 1938. O pano de fundo da reflexão atinge o vasto campo do imaginário artístico do período modernista nas primeiras décadas do século XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Fernandes Corrêa, Universidade Federal do Rio de Janeiro (Campus Macaé)

Bacharel em Ciências Sociais: Antropologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro (1986), Mestre em Antropologia Cultural na Universidade Federal de Pernambuco (1993), Doutor em Ciências Sociais (Antropologia) na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2001) e Pós-doutorado em Antropologia, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (2006). Segundo Pós-Doutorado em Antropologia (UERJ-2009). Atualmente é professor Associado III da Universidade Federal do Maranhão. Experiência na área de Antropologia Urbana e Sociologia da Cultura, atuando nas seguintes áreas: Patrimônio Cultural, Memórias Sociais, Novos Patrimônios, Simbolismo e Imaginário, Arte e Literatura. Membro do Programa de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (UFMA). Líder do Grupo de Pesquisas e Estudos Culturais (CRISOL). Membro do Conselho Estadual de Cultura do Maranhão (2008-9).

Downloads

Publicado

2016-12-28

Edição

Seção

Artigos de Literatura