Notícias

  • Chamada para v. 27, n. 59 (set - dez 2022)

    2021-09-12

    A mundanidade dos estudos pós-coloniais

    Organizadores: Alfredo Cesar Melo (Unicamp) e Anita Martins Rodrigues de Moraes (UFF)

    Desde a publicação de Orientalismo (1978) e Cultura e Imperialismo (1992), de Edward Said, os estudos pós-coloniais disseminaram-se amplamente, encontrando novos lugares de enunciação e fomentando abordagens críticas diversas. O nexo entre conhecimento e poder tornou-se uma questão ainda mais sensível para os estudos literários, de maneira que categorias correntes como “primitivo/civilizado”, “arcaico/moderno”, “iletrado/letrado”, “regional/cosmopolita”, “particular/universal”, “subdesenvolvido/desenvolvido”, que pareciam seguras e estáveis, revelaram-se invenções historicamente localizáveis e comprometidas não só com uma concepção linear e evolutiva da história como com programas coloniais e imperiais.

    Nos últimos anos, com movimentos como Black Lives Matter, que questionaram monumentos e espaços públicos erguidos em homenagem a colonizadores e escravagistas na Europa, Américas e África, a crítica pós-colonial ocupou a praça pública e as redes sociais, por vezes utilizando como sinônimos os termos "pós-colonial" e "decolonial". Por outro lado, em países como a França, os estudos pós-coloniais foram tratados pelo governo como inimigos da nação, capaz de ameaçar a identidade nacional com uma agenda supostamente importada das universidades norte-americanas. Tal transbordamento do debate acadêmico para a esfera pública mais ampla evidencia que os estudos pós-coloniais estão no mundo, sendo apropriados e instrumentalizados por diferentes atores sociais em suas lutas políticas.

     Diante desse cenário, interessa examinar com mais vagar os pressupostos ideológicos, os contextos específicos de produção e as lógicas de instrumentalização das diversas teorias pós-coloniais. Pretende-se, assim, contribuir para uma maior precisão conceitual no diálogo e confronto crítico entre os estudos subalternos indianos, o Grupo Modernidade/Colonialidade, a crítica ao Orientalismo e ao Ocidentalismo, os estudos africanos e da diáspora africana, as epistemologias do sul, a teoria crítica da raça e os feminismos. 

    Período de submissão: 02/10/2021 a 01/03/2022  

    Saiba mais sobre Chamada para v. 27, n. 59 (set - dez 2022)