O ato nostálgico da linguagem: de Fernando Pessoa ao Fado da loucura

Ernani Cesar de Freitas, Iverton Gessé Ribeiro Gonçalves

Resumo


O presente artigo busca analisar os movimentos enunciativos nostálgicos que se manifestam no ato linguageiro de produções literárias - e artístico-culturais - do discurso do colonialismo português. O objetivo desse trabalho é verificar os mecanismos discursivos usados para atender ao comportamento nostálgico que o Sujeito Comunicante deixa transparecer no Sujeito Enunciante, à luz dos estudos semiolinguísticos de Charaudeau (2008a, 2008b) – sujeitos da linguagem e composição dos circuitos interno e externo do ato linguageiro –, os postulados de Jankelevitch (1974) sobre a nostalgia, além dos escritos de Lourenço (1978, 2014) e Santos (2003) acerca das peculiaridades do colonialismo português. A pesquisa caracteriza-se como descritiva e bibliográfica, com abordagem qualitativa. O corpus desse trabalho é composto pelo poema Mar Português, de Fernando Pessoa, e o Fado Loucura, de Júlio de Sousa. O fado que canta a loucura de Portugal desperta as vozes dos poetas portugueses, como Fernando Pessoa, para reviver as conquistas e as grandes navegações.


Palavras-chave


Ato da linguagem; Nostalgia; Discurso Colonial; Colonialismo português.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22409/gragoata.v24i50.34168

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 


A Gragoatá é uma revista dos Programas de Pós-graduação em Letras da UFF:

Ir para Pós Estudos de Linguagem Ir para Pós Estudos de Literatura


ISSN (impresso) 1413-9073 - de 1996 a 2013
ISSN (online) 2358-4114 - de 2014 em diante


A Gragoatá está indexada nas seguintes bases:

Portal de Periódicos da UFF

Latindex Porbase Google Acadêmico Diadorim Periódicos Capes EZB DOAJ Sumários.Org ErihPlus


Licença Creative Commons
A Gragoatá utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.