Demasiado humanos, mundanos e situados: universais, em língua portuguesa

Autores

Palavras-chave:

Guimarães Rosa, Mia Couto, Teorias do pós-colonial, José Saramago

Resumo

Este artigo aborda três autores de literaturas de língua portuguesa, procurando situá-los a partir de certos questionamentos, aportados por teorias do pós-colonial, e afinados com uma provocação lançada por Saramago, em um romance de 1986. Começo considerando essa provocação, no A jangada de pedra, sobre a integração de Portugal à Europa, ao Ocidente. A partir dela, faço alguns apontamentos sobre a função integradora pressuposta no nome canônico de Guimarães Rosa, que emergiu em um momento decisivo na modernização do país, articulando coisas conflituosas como o regional e o universal. Estudo possíveis similaridades entre o modelo canônico de Rosa e o de Mia Couto, que tendo atuado no processo de independência de seu país, foi ativo nessa transição modernizadora. Parece-me que teorias do pós-colonial, assim como a metáfora crítica de Saramago, ajudam a pensar certos contornos desses dois modelos universais, pertencentes a literaturas de ex-colônias de Portugal. Com o fim de esboçá-los, farei algumas observações sobre o projeto editorial do Antes das Primeiras estórias [2011], uma antologia póstuma de contos do jovem Guimarães Rosa, prefaciada por Mia Couto. Considerarei possíveis transferências do modelo de Rosa ao de Mia Couto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-09-06

Como Citar

de Oliveira Caixeta, M. (2022). Demasiado humanos, mundanos e situados: universais, em língua portuguesa. Gragoatá, 27(59), e53940. Recuperado de https://periodicos.uff.br/gragoata/article/view/53940