Protagonismo feminino em desenhos animados: gênero e representações no entretenimento audiovisual

Autores

  • Mônica Vitória Mendes
  • Denise da Costa Oliveira Siqueira

DOI:

https://doi.org/10.22409/ppgmc.v12i2.10065

Palavras-chave:

Representações, Corpo, Gênero, Desenho Animado, Entretenimento

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar representações da mulher em heroínas de desenhos animados, investigando de que forma esse tipo de produção audiovisual questiona e/ou reforça estereótipos de feminilidade, reproduzindo valores patriarcais e demandas mercadológicas. A partir de um entendimento de gênero como construção social, busca-se fazer um mapeamento de representações, a fim de entender como o protagonismo feminino é fabricado atualmente em narrativas de animações e identificar que discursos veiculam. Com base em pesquisa de coleta de dados, observação e análise de animações televisivas da grade de programação brasileira e de produções cinematográficas recentes, o trabalho conta com referencial teórico que inclui Heleieth Saffioti e Laura Mulvey, fundamentando questões de gênero, e Edgar Morin e Douglas Kellner para discutir as relações entre mídia e cultura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

FEATHERSTONE, Mike. Cultura do consumo e pós-modernismo. São Paulo: Nobel, 1995.

FRASER, Nancy. O feminismo, o capitalismo e a astúcia da história. Mediações. Londrina, v. 14, n. 2, p. 11-22, jul./dez. 2009.

JABLONSKI, Bernardo. Preconceitos, estereótipos e discriminação. In: RODRIGUES, Aroldo; ASSMAR, Eveline M. L.; JABLONSKI, Bernardo. Psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2010. p. 135-163.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia – estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru: EDUSC, 2001.

LAURETIS, Teresa de. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Tendências e Impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 206-242.

McROBBIE, Angela. Feminism, postmodernism and the “Real Me”. In: DURHAM, Meenakshi Gigi; KELLNER, Douglas. Media and cultural studies: keyworks. Londres: Blackwell Publishing, 2006. p. 520-532.

MENDES, Mônica Vitória. Não se nasce menina ou super-heroína, torna-se: gênero e representações em animações televisivas. 129 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Faculdade de Comunicação Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX: neurose. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

MULVEY, Laura. Prazer visual e cinema narrativo. In: XAVIER, Ismail (Org.). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Edições Graal/Embrafilme, 1983. p.437-453.

OLIVEIRA, Selma Regina Nunes. Mulher ao quadrado: as representações femininas nos quadrinhos norte-americanos: permanências e ressonâncias (1895-1990). Brasília: EdUnB, 2007.

SAFFIOTI, Heleieth. Conceituando o Gênero. In: RODRIGUES, Carla; BORGES, Luciana; RAMOS, Tânia R. Oliveira (Orgs). Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Funarte, 2016. p.385-394.

______. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu. Campinas, n.16, p.115-136, 2001.

SHUSTERMAN, Richard. Entertainment: a question for aesthetics. British Journal of Aesthetics. Londres, v. 43, n. 3, p. 289-307, jul. 2003.

SIQUEIRA, Denise da Costa Oliveira. “Eu sou a diva que você quer copiar”: corpo, gênero e interação nos videoclipes. Anais da XXVI Compós, GT Práticas interacionais e linguagens na comunicação. São Paulo: 2017.

______. Mídia, educação e entretenimento: a produção de sentidos na divulgação da ciência. In: TAVARES, Denise, REZENDE, Renata (orgs). Mídias e divulgação científica: desafios e experimentações em meio à popularização da ciência. Rio de Janeiro: Ciências e cognição, 2014. p. 76-91.

______. Entretenimento e mediação: representações de ciência e de escola em desenhos animados. In: PINTO, Gisnaldo Amorim (org.). Divulgação científica e práticas educativas. Curitiba: CRV, 2010. p. 167- 180.

SIQUEIRA, D.C.O.S.; VIEIRA, M.F. De comportadas a sedutoras: representações da mulher nos quadrinhos. Comunicação, mídia e consumo, v.5, n.13, 2008, p. 179-197.

SODRÉ, Muniz. Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear em rede. Petrópolis: Vozes, 2002.

Downloads

Publicado

2018-08-31

Como Citar

Mendes, M. V., & Siqueira, D. da C. O. (2018). Protagonismo feminino em desenhos animados: gênero e representações no entretenimento audiovisual. Revista Mídia E Cotidiano, 12(2), 125-144. https://doi.org/10.22409/ppgmc.v12i2.10065