Sobre criatividade, tempo e pensamento em diferentes áreas das Indústrias Criativas

Autores

  • Patrícia Cecília Burrowes Escola de Comunicação - Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO/UFRJ)

DOI:

https://doi.org/10.22409/ppgmc.v12i2.13182

Palavras-chave:

criatividade, processos criativos, indústrias criativas, subjetividade

Resumo

Este trabalho decorre da pesquisa Criatividade e Indústrias Criativas, em que é problematizada a noção de criatividade na Indústria Criativa. Nessa área da economia se arrolam atividades diversas cujo traço em comum seria lançarem mão da criatividade como um recurso econômico essencial na formação do preço. Detenho-me aqui em duas áreas: arte e publicidade. Este artigo aborda suas aproximações e distanciamentos, a partir de observação participante em ateliês, conversas com artistas, uma visita à exposição O Consumo Feliz, e a experiência como redatora publicitária. O conceito de contemporâneo em Agamben, a noção de campo criador de Caiafa e estudos sobre processos criativos, de Ostrower, são base para a discussão dos agenciamentos coletivos de enunciação (Deleuze & Guattari) em questão e das subjetividades aí produzidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Cecília Burrowes, Escola de Comunicação - Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO/UFRJ)

Profa. Adjunta do Departamento de Expressão e Linguagens (DEL)

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó, SC: Argos, 2009.

AUTOR. "Compre essa ideia, consuma esse produto", ou como a publicidade nos enreda em sua teia. In: Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia, v.21, n.3, 2014.

CAIAFA, Janice. Nosso século XXI: Notas sobre arte, técnica e poderes. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2000.

CAMNITZER, Luis. O artista, o cientista e o mágico. In: Ilusões. Rio de Janeiro: Casa Daros, 2015

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Felix. Mil Platôs: Capitalismo e esquizofrenia, vol.2. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

ECO, Umberto. A definição da arte. Lisboa: Edições 70, 2011 (1981)

KASTRUP, Virginia. A invenção de si e do mundo: Uma introdução do tempo e do coletivo nos estudos da cognição. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. [1a edição: Papirus, 1999]

MINISTÉRIO DA CULTURA. Plano da Secretaria da Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações, 2011 – 2014. Brasília, 2011.

MORAIS, Frederico. 801 definições sobre arte e o sistema da arte. Rio de Janeiro: Record, 2002

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. Petrópolis: Vozes, 1987.

SANTOS, Rui Afonso. O Consumo feliz. Lisboa: Museu Coleção Berardo, 2014 (disponível em <http://pt.museuberardo.pt/exposicoes/o-consumo-feliz> acesso em 03 de maio de 2018)

UNCTAD United Nations Conference on Trade and Development. Creative Economy Report, 2008.

Downloads

Publicado

2018-08-31

Como Citar

Burrowes, P. C. (2018). Sobre criatividade, tempo e pensamento em diferentes áreas das Indústrias Criativas. Revista Mídia E Cotidiano, 12(2), 230-244. https://doi.org/10.22409/ppgmc.v12i2.13182