A personagem no jornalismo narrativo: empatia e ética

Autores

  • Marcio Serelle PUC/MG

DOI:

https://doi.org/10.22409/rmc.v14i2.42179

Palavras-chave:

Personagem, Jornalismo Narrativo, Empatia, Ética, Realismo

Resumo

Neste artigo, investigo a condição da personagem no jornalismo narrativo, tributária do realismo. A dignificação da vida ordinária e a interpenetração entre indivíduo e contexto são aspectos dessa genética. Ambas as personagens, a desse jornalismo e a do romance, proporcionam adesão afetiva com a narrativa, mas seu estatuto implica distâncias éticas. Na reflexão sobre as diferenças, identifico o limiar em que a personagem do jornalismo, atada à pessoa, se separa da personagem de ficção ao mesmo tempo em que mantém com esta vínculo na linguagem. Proponho pensar a personagem no jornalismo narrativo como ser bifronte, cuja face representada é uma redução que exerce pressões e efeitos sobre a outra face empírica. A relação entre as faces é uma questão ética para jornalistas no tratamento narrativo da personagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Serelle, PUC/MG

Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da PUC Minas. Pesquisador do CNPq.

Referências

ARBEX, D. Todo dia a mesma noite. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2018.

AUTOR, 2014.

BARTHES, R. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BENJAMIN, W. O narrador – considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, W. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. 7ª.ed. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 197-221.

BROOKS, P. Realist vision. New Haven (CT): Yale University Press, 1994.

BRUM, E. A casa de velhos. In: BRUM, E. O olho da rua. São Paulo: Globo, 2013. p. 84-131.

BURKE, E. A philosophical enquiry into the origin f our ideas of the Sublime and Beautiful. Mineola; Nova York: Dover, 2008.

CANDIDO, A. A personagem do romance. In: Candido, A. et al. A personagem de ficção 10a.ed. São Paulo: Perspectiva, 2004.

CANDIDO, A. O direito à literatura. In: CANDIDO, A. Vários escritos. São Paulo: Rio de Janeiro: Duas Cidades, Ouro Sobre Azul, 2004a. p. 169-191.

DAVIS, L. J. Factual fictions. Nova Iorque: Columbia University Press, 1996.

EAGLETON, T. How to read literature. New Have and London: The University Press, 2013.

ECO, U. Confissões de um jovem romancista. São Paulo: Cosac & Naify, 2013.

ELIOT, G. The essays of George Eliot. S.L.: Nathan Sheppard, 2009. Disponível em: https://www.gutenberg.org/files/28289/28289-h/28289-h.htm.

GOFFMAN, E. A representação do eu na vida cotidiana. 20. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

HUTCHEON, L. A theory of adaptation. Londres: Routledge, 2006.

LINDHÉ, A. The Paradox of Narrative Empathy and the Form of the Novel, or What George Eliot Knew. Studies in the Novel, vol. 48 no. 1, 2016, p. 19-42

LUKÁCS, G. Teoria do romance. São Paulo: Editora 34, 2000.

MALCOLM, J. O jornalista e o assassino. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MALCOLM, J. Profundidade de campo. In: MALCOLM, J. 41 inícios falsos. São Paulo: Companhia das Letras, 2013. p. 69-92.

MARTINEZ, M. Jornalismo Literário: revisão conceitual, história e novas perspectivas. Revista Intercom. São Paulo, v.40, n.3, p.21-36, set./dez. 2017.

MEDINA, C. A arte de tecer o presente. São Paulo: Summus, 2003.

MITCHELL, J. O segredo de Joe Gould. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

MORAES, F. Pode a subalterna a subalterna calar? Limites e transbordamentos entre

repórter e entrevistadas. Estudos em Jornalismo e Mídia, Vol. 15 Nº 1. Janeiro a Junho de 2018. p. 84-97.

NORTH, M. The Significance of Walker Evans’ Many Are Called in Two Distinct Moments, Art Journal: Vol. 2014 : Iss. 1 , Article 5, p. 34-42.

PAVIS, P. Dicionário de teatro. 3ª. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2009.

SALLES, J. M. A dificuldade do documentário. In: MARTINS, J. S.; ECKERT, C.; CAIUBY NOVAES, S. (orgs.). O imaginário e o poético nas ciências sociais. Bauru, SP: Edusc, 2005. p. 57-71.

SARLO, B. Tempo passado. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007.

SAVIANO, R. Gomorra. Rio de Janeiro: Bertrand, 2008.

SAVIANO, R. La bellezza e l’inferno . Milão: Mondadore, 2009.

SAVIANO, R. A beleza e o inferno. Rio de Janeiro: Bertrand, 2011.

SCHAMA, S. Rembrandt: o tosco na sala dos ricos. In: SCHAMA, S. O poder da arte. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p. 132-189.

SODRÉ, M; FERRARI, M. H. Técnica de reportagem. São Paulo: Summus, 1986.

SONTAG, S. Diante da dor dos outros. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SONTAG, S. Certos Mapplethorpes. In: SONTAG, S. Questão de ênfase. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. p. 301-305.

VILAS-BOAS, S. Perfis. São Paulo: Manole, 2014.

WATT, I. A ascensão do romance. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

WILKSON, A. A grande luta. São Paulo: Todavia, 2018.

WOLFE, T. Radical chique e o novo jornalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

WOOD, J. Como funciona a ficção. São Paulo: Cosac & Naify, 2012.

Downloads

Publicado

2020-05-28