“Amuleto contra o vírus”: sentidos da escuta radiofônica entre pacientes hospitalizados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/rmc.v16i1.52155

Palavras-chave:

rádio, recepção, pandemia

Resumo

O texto parte de uma reportagem do Caderno DOC (Jornal Zero Hora) com depoimentos sobre a presença de aparelhos de rádio no CTI (Hospital de Clínicas de Porto Alegre/RS) para tratamento da Covid- 19.  Toma os depoimentos de pacientes e da equipe de cuidadores como fonte secundária para refletir sobre a recepção radiofônica, articulando-os com estudos desenvolvidos sob a linha de pesquisa, os quais buscaram o sentido da escuta. Essa foi uma estratégia possível diante da oportunidade oferecida pela reportagem, cujos dados eram inacessíveis por parte de pesquisadores da área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nilda Jacks

Doutora pela Escola de Comunicação e Arte da Universidade de São Paulo, USP. Professora e pesquisadora do Programa de Pòs-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - PGCOM/UFRGS. Pós-doutorado em Comunicação na University of Copenhagen (1999) e na Universidad Nacional da Colombia (2006). Bolsista PQ/ CNPq. 

Referências

AUYERO, Javier; GRIMSON, Alejandro. "Se dice de mi..." Notas sobre convivencias y confusiones entre etnógrafos y periodistas. In: Apuntes de Investigación del CECYP. n.1, p. 81-96. 1997.

GUERIN, Yhevelin Serrano. Trajetória dos receptores: Histórias de vida e resgate das mediações. Dissertação de Mestrado. PPGCOM/ UFRGS, 2000.

GOLIN, Cida. “O rádio como monitor do trânsito, termômetro e cronômetro da cidade”. In: Em Questão. Revista da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS. Porto Alegre, V.16, N. Especial, out. 2010.

GRISA, Jairo. Histórias de ouvintes. A audiência popular no rádio. Itajaí: Univali, 2003.

GUBER, Rosana. La etnografía. Método, campo y reflexividad. Buenos Aires: Norma, 2001.

KANTAR IBOPE MEDIA. Target Group Index, São Paulo, jan. 2019-dez. 2020.

JACKS, Nilda (Coord.). Meios e audiências: A emergência dos estudos de recepção no Brasil. Porto Alegre: Editora Sulina, 2008.

____. (Coord.) et al. Meios e Audiências II. A consolidação dos estudos de recepção no Brasil. Porto Alegre. Sulina, 2014.

____. (Coord.); et al. Meios e Audiências III. Reconfigurações dos estudos de recepção e consumo midiático no Brasil. Porto Alegre: Sulina, 2017.

____.; MORIGI, V.; OLIVEIRA, L. D. de. (Coord.) Porto Alegre Imaginada. Porto Alegre: Observatório Gráfico, 2012.

MORAGINSKI, Adriana Rigo. Relações de solidariedade: programa comando maior e audiência popular. Dissertação. Mestrado em Comunicação – PPGCOM/ UFRGS, 2010.

OROZCO, Guillermo. Televisión y audiências. Un enfoque cualitativo. Madrid. Ediciones de la Torre/ Universidad Iberoamericana, 1996.

TOALDO, Mariângela; JACKS, Nilda. Consumo Midiático: uma especificidade do consumo cultural, uma antessala para os estudos de recepção. In: RIBEIRO, Regiane. (Org.). Jovens, Consumo e Convergência Midiática. Curitiba: UFPR, p. 19-29, 2017. v. 1.

Zero Hora. Amuleto contra o vírus. In: Caderno DOC., Porto Alegre. 6 e 7 fev. 2021.

Downloads

Publicado

2022-01-19 — Atualizado em 2022-01-26

Versões

Como Citar

Jacks, N. (2022). “Amuleto contra o vírus”: sentidos da escuta radiofônica entre pacientes hospitalizados. Revista Mídia E Cotidiano, 16(1), 8-21. https://doi.org/10.22409/rmc.v16i1.52155 (Original work published 19º de janeiro de 2022)