Os tempos do ser jovem: representação das temporalidades juvenis em Malhação - Viva a Diferença

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/rmc.v16i2.52223

Palavras-chave:

Temporalidades, Juventudes, Malhação

Resumo

Este artigo analisa como se dá a organização das temporalidades a partir da representação das juventudes das coprotagonistas de Malhação Viva a Diferença (2017/2018), Benê, Ellen, Keyla, Lica e Tina. Nesta abordagem, discute-se como as experiências juvenis revelam formas singulares de se relacionar com o tempo, de modo que as temporalidades são entendidas como afetadas pela heterogeneidade das experiências das protagonistas. A metodologia adotada envolve uma compreensão das televisualidades (ROCHA, 2016) por meio da análise das trajetórias biográficas das personagens. Foram elaboradas três categorias analíticas: “tempo cotidiano”, “tempo biográfico” e “tempo familiar-social”. A partir delas, observou-se que as trajetórias biográficas, bem como suas inserções sociais mais amplas, afetam a constituição da experiência temporal das jovens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Magalhães Ferreira, Universidade Federal de Ouro Preto

Mestre em Comunicação e Temporalidades pela Universidade Federal de Ouro Preto.

Denise Figueiredo Barros do Prado, Universidade Federal de Ouro Preto

Professora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Ouro Preto, Doutora em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais. O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (CAPES). 

Referências

ABRAMOVAY, M; ESTEVES, L. C. Juventude, juventudes: pelos outros e por elas mesmas. In: ABRAMOVAY, M; ANDRADE, E. R; ESTEVES, L. C. (Orgs). Juventudes: outros olhares sobre a diversidade. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; Unesco, 2007. p. 19-54.

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? In: _______. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009. p. 57-73.

DAYRELL, J. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educ. Soc., v. 28, n. 100 – Especial, p. 1105-1128, out. 2007.

DAYRELL, J. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira da Educação, n. 24, p. 40-52, 2003.

KOSELLECK, R. Estrato do tempo: estudos sobre história. 1. ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

MALHAÇÃO Viva a Diferença. Direção de Paulo Silvestrini. Rio de Janeiro: Rede Globo, 2017. Disponível na Globo Play, son., color.

FERREIRA, A. M. Viva a diferença? as representações das juventudes e das narrativas da diferença em Malhação, sob um olhar decolonial. 2021. 192 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Instituto de Ciências Sociais e Aplicadas, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2021.

MELUCCI, A. Juventude, tempo e movimentos sociais. Revista Brasileira de Educação, n. 5, p. 5-14, 1997.

ROCHA, S. M. Os visual studies e uma proposta de análise para as (tele)visualidades. Significação: Revista de Cultura Audiovisual, v. 43, n. 46, p. 179-200, 2016.

TV FRONTEIRA, Marketing. Oportunidades comerciais de Malhação Vidas Brasileiras. Presidente Prudente, 2018. Disponível em: <http://tvfronteira.com.br/mktdir/2018/03/64766ea1c4d35f0ff8937f5b6777eb9b.pdf?ts=1520423007>. Acesso em: 19 fev. 2020.

Downloads

Publicado

2022-05-27

Como Citar

Magalhães Ferreira, A., & Figueiredo Barros do Prado, D. (2022). Os tempos do ser jovem: representação das temporalidades juvenis em Malhação - Viva a Diferença. Revista Mídia E Cotidiano, 16(2), 217-238. https://doi.org/10.22409/rmc.v16i2.52223