O cinema documentário e os arquivos da memória

Mírian Sousa Alves, Dúnya Pinto Azevedo

Resumo


A partir do documentário Rua Santa Fé, da chilena Carmen Castillo, e da noção de memória para diferentes pensadores contemporâneos, esse artigo investiga a máquina do cinema documentário como possibilidade de registro e reconhecimento mnemônicos.  A memória do trauma e o registro audiovisual da experiência vivida pela cineasta são aqui investigados como ferramentas de reconstituição/reconhecimento da subjetividade. O ponto de partida são as reflexões propostas por Paul Ricoeur em torno das noções de memória e esquecimento. O que se percebe, com esse estudo, é que o cinema documentário, como um arquivo, pode explicitar e compartilhar com os espectadores as marcas impressas no corpo de seu diretor. Além disso, seu processo de produção, ao promover uma relação com a cidade e com os objetos de infância, podem ainda desencadear aquilo que Ricoeur nomeia como o “pequeno milagre da memória feliz”. Tal especificidade marca o documentário Rua Santa Fé e pode estender-se às narrativas de outras produções audiovisuais contemporâneas.


Palavras-chave


imagens-lembrança - esquecimento de reserva - documento – testemunho

Texto completo:

PDF

Referências


BERGSON, Henri. Matéria e Memória. Ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2006.

COMOLLI, Jean-Louis. Ver e poder. A inocência perdida: cinema, televisão, ficção, documentário. Tradução de Augustin de Tugny, Oswaldo Teixeira e Ruben Caixeta. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008.

DIDI-HUBERMANN, Georges. O que vemos, o que nos olha. Tradução de Paulo Neves - São Paulo: Editora 34, 1998.

DUBOIS, Philippe. Cinema, vídeo, Godard. Tradução de Mateus Araújo Silva. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

FELMAN, Shoshana. Educação e crise, ou as vicissitudes do ensino. In: Catástrofe e representação. Arthur Netrovski e Márcio Seligmann Silva (orgs.), São Paulo, Escuta, 2000.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

GAGNEBIN, Jeanne. Lembrar escrever esquecer. São Paulo. Ed. 34, 2009.

_________________. Testemunho da Shoah e literatura. Disponível em http://diversitas.fflch.usp.br/files/active/0/aula_8.pdf.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo. Vértice. 1990.

HUYSSEN, Andreas. Culturas do passado-presente. Modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio de Janeiro: Contraponto, 2014.

LAUB, D. Truth and testimony: the Process and the struggle. In Caruth, C. (org.). Trauma. Explorations in memory (pp. 61-75). Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1995.

LE GOFF, Jacques. História e Memória. Campinas, São Paulo, Ed. Unicamp, 2003.

LEVI, Primo. Os afogados e os sobreviventes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

NUNES, B. Narrativa histórica e narrativa ficcional. In: PRADO JR., B.; PESSANHA, J. A.; NEVES, L. F. B. et al. Narrativa: ficção e história. Rio de Janeiro: Imago, 1988.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François [et al.]. Campinas: UNICAMP, 2008.

_________ . Tempo e narrativa: o tempo narrado. Tomo III. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010c.

SELIGMANN SILVA, Márcio. Narrar o trauma – as questões dos testemunhos de catástrofes históricas. 2008. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pc/v20n1/05.




DOI: https://doi.org/10.22409/ppgmc.v8i8.9770

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano - PPGMC 
Universidade Federal Fluminense - UFF
Endereço: Rua Tiradentes, nº 148 - Ingá - Niterói - Rio de Janeiro - CEP 24.210-510
e-mail: pmc.ega@id.uff.br
Site: http://www.ppgmidiaecotidiano.uff.br

Telefone/Fax: (21) 2629-9684/ (21) 2629-9681