#CONTRATARIFA: Produção e Circulação de Hashtags pelo Jornalistas Livres

Autores

  • Maria Clara Aquino Bittencourt Universidade do Vale do Rio dos Sinos

DOI:

https://doi.org/10.22409/ppgmc.v9i9.9779

Palavras-chave:

hashtags, produção e circulação, coletivos midiáticos, Jornalistas Livres

Resumo

Como parte de uma pesquisa que investiga processos de produção e circulação de informação no contexto dos movimentos em rede, através de análises sobre a atividade comunicacional do que chamamos de coletivos midiáticos, nosso objetivo aqui é identificar, através de um estudo de caso, como as hashtags são utilizadas pelo coletivo midiático Jornalistas Livres, na cobertura de um dos atos contra o aumento da passagem do transporte público, em São Paulo, acontecido no dia 21 de janeiro de 2016. Avaliamos o impacto do uso das hashtags na produção e circulação de conteúdo pelo grupo e a potencialidade da prática para o aumento da visibilidade dos conteúdos que um coletivo produz e coloca em circulação em diferentes ferramentas de comunicação digital que utiliza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Clara Aquino Bittencourt, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Pesquisadora e professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos/RS - jaquino@unisinos.br

Referências

AQUINO BITTENCOURT, M.C. Hipertexto 2.0, folksonomia e memória coletiva: um estudo

das tags na web. E-Compós (Brasília) n. 9, nov. 2007. Disponível:

http://www.compos.org.br/seer/index.php/e-compos/article/viewArticle/165. Acesso: 04/04/16.

___________________________. O hipertexto como potencializador da memória coletiva: um

estudo dos links na web 2.0. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do

Sul. 2008. 175p. Disponível: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/12761/

pdf?sequence=1 Acesso: 04/04/16.

___________________________. Convergência entre Televisão e Web: proposta de

categorização analítica. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Saul.

208p. Disponível: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/72495 Acesso: 06/04/16.

AMORIM, F.; ANGONESE, M. O medo na rede: o reflexo no Twitter da violência nos

protestos de junho de 2013. Trabalho apresentando no XXIV Encontro Nacional da Compós.

Anais... Disponível: http://www.compos.org.br/biblioteca/compos-2015-33047d40-aa7b-4fd9-

-5d92582e7df7comautoria_2744.pdf Acesso: 06/04/16.

BASTOS, M.T.; RECUERO, R.; ZAGO, G. Taking Tweets to the Streets: a spatial analysis of

the Vinegar Protests in Brazil. In: First Monday, v. 19, n.3. 2014b. Disponível:

http://firstmonday.org/ojs/index.php/fm/article/view/5227 Acesso: 07/04/16

BRAGA, J.L. Circuitos versus campos sociais. In: MATTOS, MA. JANOTI JUNIOR, J.;

JACKS, N. Mediação e Midiatização. Livro Compós2012. Salvador, Brasília. EDUFBA,

Compós, 2012.

FAUSTO NETO, A. Fragmentos de uma analítica da midiatização. Revista Matrizes, n. 2, abril

Disponível:http://200.144.189.42/ojs/index.php/MATRIZes/article/ view/5236/5260

HJARVARD, S. A midiatização da cultura e da sociedade. São Leopoldo: Editora Unisinos,

NOVELLINO, M.F.S. Instrumentos e metodologias de representação da informação. In: Inf.,

Londrina, n.2, jul/dez. 1996.

AQUINO BITTENCOURT 39

JENKINS, H.; FORD, Sam; GREEN, Joshua. Spreadable media: creating value and meaning in

a networked culture. New York University, 2013.

DREYFUS, H. On the Internet. Londres: Routledge, 2001.

MALINI, F.; GOUVEIA, F.; CIARELLI, P.; CARREIRA, L.; HERKENHOFF, G.;

REGATTIERI. L.; LEITE, M.V. #VemPraRua: narrativas da revolta brasileira. Trabalho

apresentado no Grupo de Interés Comunicación Digital, Redes y Procesos. XII Congresso da

ALAIC – Associação Latinoamericana de Investigadores da Comunicação. Limpa/Peru, 2014.

Disponível: http://www.labic.net/wp-content/uploads/2015/09/VemPraRua-Narrativas-daRevolta-brasileira.pdf

Acesso: 07/04/06

PARISER, E. O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro:

Zahar, 2012.

PRADO, M. Ciberativismo e noticiário: da mídia torpedista às redes sociais. Alta Books

Editora: Rio de Janeiro, 2015

VOSSEN, G.; HAGEMANN, S. Unleashing Web 2.0. From concepts to creativity. Burlington:

Elsevier, 2007.

RECUERO, R.; ZAGO, G.; BASTOS, M.T. O Discurso dos #ProtestosBR: Análise de

Conteúdo do Twitter. In: Revista Galáxia (Online), 2014a. Disponível:

http://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/17911 Acesso: 07/04/16

RECUERO, R.; ZAGO, G.; BASTOS, M.T.; ARAÚJO, R. Hashtags Functions in the Protests

Across Brazil. In: Sage Open, v. 1, p. 1-20, 2015 Disponível:

http://sgo.sagepub.com/content/5/2/2158244015586000. Acesso: 07/04/16

TORET, J. Una mirada tecnopolítica sobre los primeros días del #15M, Tecnopolitica, Internet

y Revoluciones sobre la Centralidad de Redes Digitalez en #15M. Barcelona: Icaria Editorial,

WAL, T.V. Explaining and showing broad and narrow folksonomies. 2005. Disponível em:

http://www.vanderwal.net/random/entrysel.php?blog=1635. Acesso: 07/04/16

Downloads

Publicado

2016-08-12

Edição

Seção

Artigos Seção Temática