TIPIFICANDO O ATÍPICO – A PERFORMANCE DE GÊNERO DE PABLLO VITTAR NO INSTAGRAM

Autores

  • Lucas Bragança Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes
  • Ana Paula Miranda Costa Bergami Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes
  • Fabio Gomes Goveia Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes

DOI:

https://doi.org/10.22409/ppgmc.v11i3.9849

Palavras-chave:

Drag queen, gênero, performance, redes sociais.

Resumo

O presente artigo investiga a narrativa imagética e performática da drag queen Pabllo Vittar no Instagram a partir de um levantamento das publicações feitas pela cantora de 19 de abril a 11 de agosto de 2017, respectivamente as datas de lançamento do videoclipe de K.O – a música que catapultou sua carreira - e quando o mesmo vídeo alcançou 100 mil visualizações no YouTube. Por meio do levantamento do material coletado, estabelecemos uma tipologia das imagens e análise do engajamento dos internautas, para entender como a artista justapõe os binômios de gênero e ajuda a expandir e ressignificar as relações entre corpo, gênero e sexo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Bragança, Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes

Bacharel em Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes. Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes. Bolsista Capes.

Ana Paula Miranda Costa Bergami, Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes

Bacharel em Jornalismo pela Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes. Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes. Bolsista do Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic) da Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes.

Fabio Gomes Goveia, Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes

Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades da Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes. Doutor em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. Mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ.  Professor adjunto do Departamento de Comunicação da Universidade Federal do Espírito Santo - Ufes. Coordena o Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic) da Ufes, com foco em Visualizações de Dados e pesquisas de Data Science.

Referências

AMANAJÁS, Igor. Drag queen: um percurso histórico pela arte dos atores transformistas. Revista Belas Artes, ano 6, nº 16, set-dez 2014. Disponível em < http://bit.ly/2xSbKyb >. Acesso em 20/04/2017.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CASTELLS, Manuel. Redes de indignação e esperança. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

FRANÇA, Vera. Celebridades: identificação, idealização ou consumo? In: FRANÇA, Vera et al (org.). Celebridades do século XXI: transformações no estatuto da fama. Porto Alegre: Sulina, 2014.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

KLEAIM, Luiz Cláudio. Prefácio. In: FERREIRA, Sérgio; MONZELI, Gustavo; RODRIGUES, Alexandro (org.). A Política no Corpo: Gêneros e Sexualidades em Disputa. Vitória: Edufes, 2016.

LEMOS, André. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2013.

OIKAWA, Erika. Dinâmicas relacionais contemporâneas: visibilidade, performances e interações nas redes sociais da internet. In: PRIMO, Alex (org.). Interações em Rede. Porto Alegre: Sulina, 2013.

RECUERO, Raquel. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2014.

SCOLARI, Carlos Alberto. Narrativas Transmídias: Consumidores implícitos, mundos narrativos e branding na produção da mídia contemporânea. In: Revista Parágrafo, janeiro/junho 2015, v. 1, n. 3, p. 7-19, 2015. Disponível em < http://bit.ly/2hoyoUK >. Acesso em 30/04/2017.

SHIRKY, Clay. Lá vem todo mundo. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

_____________. A cultura da participação. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

SIBILIA, Paula. O show do Eu: A intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 2016.

SANTOS, Joseylson Fagner. Meu nome é “Híbrida”: Corpo, gênero e sexualidade na experiência drag queen. Revista Latinoamericana de Estudios sobre Cuerpos, Emociones y Sociedad. ano 4, nº9, ago-nov de 2012.

Downloads

Publicado

2017-12-20