Prática profissional do Assistente Social na Saúde

Dificuldades e possibilidades de superação do imediatismo

Autores

Palavras-chave:

Serviço social, Saúde, Prática profissional

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir o trabalho profissional do/a assistente social no campo da saúde pública, especificamente, no campo da urgência, apresentando uma análise crítica das dificuldades e possibilidades da realização do trabalho, que devido ao caráter emergencial encontra-se permeado pelo pragmatismo das ações. Ao considerarmos o pragmatismo como método filosófico que tem por características, a supervalorização da experiência e a desvalorização do conhecimento histórico e teórico, pontuamos que uma prática profissional pautada no pragmatismo traz aos assistentes sociais constantes desafios, que tem como traço, geralmente, a imediaticidade na atenção das demandas. No entanto, concluímos que mesmo diante das dificuldades, é latente a possibilidade de uma práxis social transformadora e crítica, ainda que dificultada pelas características do trabalho. Para esta análise, nos aproximamos do trabalho profissional do Serviço Social, em uma Unidade Pré-Hospitalar, em Campos dos Goytacazes/RJ, possibilitado através do estágio supervisionado em Serviço Social, realizado em 2017/2018

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Naraline Beraldi Galdino, Universidade Federal Fluminense

Graduada em Serviço Social pela Universidade Federal Fluminense

Maria Clélia Pinto Coelho, Universidade Federal Fluminense

Professora Adjunto do Departamento de Serviço Social da UFF Campos

Mestra em Políticas Sociais pela Universidade Estadual do Norte Fluminense- UENF

Referências

BRAVO, Maria Inês Souza. Política de Saúde no Brasil. In: MOTA, Ana Elizabeth et al. (org.). Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. 2. ed. São Paulo: OPAS, OMS, Ministério da Saúde, 2007, p. 88-110.

BRAVO, Maria Inês Souza. Serviço Social e Reforma Sanitária: lutas sociais e práticas profissionais. São Paulo: Cortez Editora, 1996.

BRAVO, Maria Inês Souza; MATOS, Maurílio Castro de. Reforma Sanitária e projeto ético-político do Serviço Social. In: BRAVO, Maria Inês Souza et al. (org.). Saúde e Serviço Social. São Paulo: Cortez, Rio de Janeiro: UERJ, 2004, p. 25-47.

BRASIL. BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE. MISTÉRIO DA SAÚDE. Lei n. 8080: 30 anos da criação do sistema único de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2020, n.p. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/ultimas-noticias/3295-lei-n-8080-30-anos-de-criacao-do-sistema-unico-de-saude-sus. Acessado em: 05 out. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: 1988, n.p. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acessado em: 1 nov. 2019.

BUSS, Paulo M. Saúde pública hoje. In: HORTALE, Virginia Alonso; FIÚZA, Carlos Otavio Moreira; BODSTEIN, Regina Cele Andrade; RAMOS, Célia Leitão (org.). Pesquisa em saúde coletiva, fronteiras, objetos e métodos. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2010, p. 35-56.

COELHO, Marilene A. Imediaticidade na prática profissional do assistente social. In: FORTI, Valéria; GUERRA, Yolanda (org.). Serviço Social: temas, textos e contextos. Coletânea nova de Serviço Social. Rio de Janeiro: Lumen Júris Editora, 2010, p. 31-53.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. 30 anos do Congresso da Virada. (CFESS Manifesta). 2009. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/congresso.pdf . Acessado em: 10 nov. 2019.

CREMESE - CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SERGIPE. SUS completa 20 anos, mas não implanta seus princípios fundamentais, 2010. Disponível em: http://www.cremese.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=20986:suscompleta-20-anos-mas-nao-implanta-seus-principios-fundamentais&catid=3. Acessado em: 10 de nov. 2019.

DICIONÁRIO FINANCEIRO. Índice de Gini: o que é e como é calculado? Gini do Brasil e do mundo, 2019. Disponível em: https://www.dicionariofinanceiro.com/indice-de-gini/. Acessado em: 8 de nov. 2019.

FIOCRUZ. Determinantes Sociais da Saúde. 2014. Disponível em: https://pensesus.fiocruz.br/determinantes-sociais. Acessado em: 15 de nov. 2019.

FIOCRUZ. Sérgio Arouca. 2013. Disponível em: https://portal.fiocruz.br/sergio-arouca. Acessado em: 15 de nov. 2019.

GUERRA, Yolanda Aparecida Demetrio. Expressões do pragmatismo no Serviço Social: reflexões preliminares. Revista Katálysis, Florianópolis. v. 16, n. esp., 2013, p. 39-49.

HELLER, Agnes. Estrutura da vida cotidiana. In: COUTINHO, Carlos Nelson; KONDER, Leandro. (org.) O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra, 1970.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Serviço Social em tempo de capital fetiche: capital financeiro, trabalho e questão social. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2015.

MENDES, Eugenio Vilaça. O SUS que temos e o SUS que queremos: uma agenda. Revista Mineira de Saúde Pública, n. 4, ano 3, jan./jun. 2004, p. 4-26.

SANTOS, Cláudia Mônica. Na prática a teoria é outra? Mitos e dilemas na relação entre teoria, prática, instrumentos e técnicas no Serviço Social. Rio de janeiro: Lumem Juris, 2010.

TEIXEIRA, Sonia Fleury. Reflexões teóricas sobre democracia e reforma sanitária. In: TEIXEIRA, Sonia Fleury (org.). Reforma sanitária, em busca de uma teoria. 3. ed. São Paulo: Cortez; 2006, p. 17-46.

TEIXEIRA, Sonia Fleury; MENDONÇA, Maria Helena. Reformas sanitárias na Itália e no Brasil: comparações. In: TEIXEIRA, Sonia Fleury (org.). Reforma sanitária, em busca de uma teoria. 3. ed. São Paulo: Cortez; 2006, p. 193-227.

Downloads

Publicado

2020-12-19

Como Citar

Galdino, N. B., & Coelho, M. C. P. (2020). Prática profissional do Assistente Social na Saúde: Dificuldades e possibilidades de superação do imediatismo. Mundo Livre: Revista Multidisciplinar, 6(2), 325-348. Recuperado de https://periodicos.uff.br/mundolivre/article/view/46471

Edição

Seção

Sessão temática