Os desafios do trabalho de assistentes sociais e psicólogas na política de saúde mental, no norte fluminense do estado do Rio de Janeiro – RJ, em tempos de Covid- 19

Reflexões a partir da relatoria de um curso de extensão

Autores

Palavras-chave:

Política de Saúde Mental. Usuários de Drogas. Covid-19

Resumo

O presente artigo é fruto de reflexões, estudos e vivências profissionais no âmbito da política de saúde mental, álcool e outras drogas a partir das experiências individuais e profissionais, na universidade e na rede de atenção psicossocial, na atenção aos usuários de drogas. É parte da relatoria do Curso de Extensão: “A Atenção Psicossocial ao usuário de álcool e outras drogas em tempos de Covid -19” do Departamento de Serviço Social da UFF Campos. Teve como procedimentos metodológicos: levantamento bibliográfico, análise documental e observação participante, cartografia. E ousa apresentar como resultado: a invisibilidade do usuário de drogas nas políticas sociais, a pandemia como atenuante da desigualdade social e a importância da reinvenção profissional no contexto da Covid-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda de Oliveira Monteiro , Prefeitura de SJB

Assistente Social do CAPS AD, Macaé e NASF-AB, São João da Barra, Brasil. Mestre em Política Social, Universidade Federal Fluminense, Brasil.

Luana da Silveira

Docente, Departamento de Psicologia de Campos/Universidade Federal Fluminense, Brasil. Doutora em Psicologia Social, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

ANDRADE, T. M. Redução de danos: um novo paradigma? In: ALEMEIDA, A. R. B. et al. (Org.). Drogas: tempos, lugares e olhares sobre seu consumo. Salvador: EDUFBA; CETAD/UFBA, 2004.

ABREU, M. H. E. Território, política social e serviço social. Campinas: Papel Social, 2016.

AKOTIRENE, C. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro. Pólen, 2019.

BARBOSA, A. da. et al. Processo de trabalho e cuidado em saúde mental no Centro de Atenção Psicossocial da UERJ na pandemia de COVOD-19. Revista HUPE, Rio de Janeiro: UERJ, 2020.

BASTOS, Antônio Virgílio e GONDIM, Sônia (orgs.). O trabalho do psicólogo no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2010 citado por NETO, João Leite Ferreira. Psicologia, políticas públicas e SUS. São Paulo: Escuta; Belo Horizonte: FAMIG, 2011

BENEVIDES, R. A psicologia e o sistema único de saúde: quais interfaces? Psicologia e Sociedade. Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 21-25, 2005.

BRASIL (2011). Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 3.088, 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília. Edição n. 251, Seção 1, p. 59.

BRASIL. Nota Técnica nº 11/2019-. Esclarecimentos sobre as mudanças na Política Nacional de Saúde Mental e nas Diretrizes da Política Nacional sobre Drogas. Ministério da Saúde 2019; 6 fev.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Relações Raciais: Referências Técnicas para atuação de psicólogas/os. Brasília: CFP, 2017. 147 p.

FIOCRUZ. III Levantamento sobre o uso de drogas pela população brasileira. Rio de Janeiro, Editora ICICT/ Fiocruz, 2017.

FIORE, Maurício. O lugar do Estado na questão das drogas: o paradigma proibicionista e as alternativas. São Paulo: Novos estud. - CEBRAP, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002012000100002&lng=en&nrm=isso. Acesso em: 02 nov. 2020.

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 2010.

IAMAMOTO, M. V. Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo : Cortez editora, 2001.

KAROL, E.; SILVA, C.A. Da geografia da população à necropolítica: presentificação e disputas de sentido em tempos de coronavírus. Revista Tamoios, Rio de Janeiro, v.16, p. 39-49, 2020.

MACHADO, Graziela Scheffer. Reforma Psiquiátrica e serviço social: o trabalho dos assistentes sociais nas equipes dos CAPS. In: VASCONCELOS, Eduardo M. et al. Abordagens Psicossociais: Volume III: Perspectivas para o Serviço Social. São Paulo: Hucitec, 2009. Cap. 2. P. 32-120.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Revista Eletrônica Direito e Sociedade. Tradução de Renata Santini. São Paulo: N-1 edições, 2018. 80 p. disponível em: [5048.indd (unilasalle.edu.br)]. Acesso: 06 de jan. de 2020

MILLANI, H. de F. B. VALENTE, M. L. L. de C. O caminho da loucura e a transformação da assistência aos portadores de sofrimento mental. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas. São Paulo, v04, nº2, 01-19. 2008

NETO, João Leite Ferreira. Psicologia, políticas públicas e SUS. São Paulo: Escuta; Belo Horizonte: FAMIG, 2011

PASSOS, R. G. “Holocausto ou Navio Negreiro?”: inquietações para a Reforma Psiquiátrica brasileira. Argumentum, Vitória, v. 10, p.10-23, 2018

POLLO-ARAUJO; MOREIRA, Aspectos Históricos da Redução de Danos. In: NIEL; SILVEIRA (Org.). Drogas e redução de danos: uma cartilha para profissionais de saúde. São Paulo: UNIFESP, 2008.

RODRIGUES, T. Tráfico, guerra, proibição. In: LABATE, B. C. et. al. (Org.). Drogas e Cultura: novas perspectivas. Salvador: EDUFBA, 2008.

ROTELLI, F. A instituição inventada. In: NICÁCIO, M. F. S. (Org.). Desinstitucionalização. São Paulo: Hucitec, 1990. p. 89-100.

Downloads

Publicado

2021-08-14

Como Citar

Desiderio Lobo Prudencio, J., de Oliveira Monteiro , F. ., & Silveira, L. da. (2021). Os desafios do trabalho de assistentes sociais e psicólogas na política de saúde mental, no norte fluminense do estado do Rio de Janeiro – RJ, em tempos de Covid- 19: Reflexões a partir da relatoria de um curso de extensão. Mundo Livre: Revista Multidisciplinar, 7(1), 146-167. Recuperado de https://periodicos.uff.br/mundolivre/article/view/48540

Edição

Seção

Sessão temática