O museu é uma fábrica?

Hito Steyerl, Beatriz Pimenta Velloso, Alberto Harres

Resumo


Em 1968, o filme La hora de los Hornos, exibido especificamente em fábricas de forma clan­destina, foi um manifesto de grande repercussão do Terceiro Cinema contra o neocolonia­lismo na América Latina. Nas fábricas, a cada nova exibição, era pendurado um banner que tinha impresso o seguinte texto: “Todo espectador é um covarde ou um traidor”. Sessões de cinema cuja principal intenção era quebrar as distinções entre cineasta e público, autor e produtor, para assim criar uma esfera de ação política. Hoje, filmes políticos não são mais exibidos nas fábricas. Eles são mostrados no museu ou na galeria – no espaço da arte. Ou mesmo, em qualquer tipo de cubo branco. Como isso aconteceu?


Palavras-chave


museu; ação política; espaços da arte

Texto completo:

PDF

Referências


BELLER, Jonathan L, “Kino-I, Kino-World,” in The Visual Culture Reader, ed. Nicholas Mirzoeff ,London and New York: Routledge, 2002.

ElSAESSER, Thomas “The Cinema in the Museum: Our Last Bourgeois Public Sphere?“ In International Film Studies Conference, “Perspectives on the Public Sphere: Cinematic Configurations of ‘I’ and ‘We,’” Berlin, Germany, April 23–25, 2009.

GROYS, Boris, “Politics of Installation,” e-flux journal, no. 2, January 2009.

HABERMAS,Jürgen. The Structural Transformation of the Public Sphere: An Inquiry into a Category of Bourgeois Society, trans. Thomas Burger with the assistance of Frederick Lawrence. Cambridge, MA: The MIT Press, [1962] 1991.

HOLMES Brian, “Warhol in the Rising Sun: Art, Subcultures and Semiotic Production,” 16 Beaver ARTicles, August 8, 2004.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1728.99-114

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Hito Steyerl, Beatriz Pimenta Velloso, Alberto Harres