De crioulo doido: paródia, vanguardas e teatro de revista

Virgínia Namur

Resumo


O artigo trata das relações entre teatro de revista e paródia, esta pensada não apenas como procedimento estilístico, mas, de modo mais amplo, como recurso estético que reflete determinada cosmovisão popular. Pautado na pluralidade, na heterogeneidade, tal recurso se mostra atemporal, adaptando-se a praticamente todos os estilos que tenham de alguma forma se associado à visão popular de mundo e neles se manifestando de diferentes modos. Por isso também se acrescenta ao estudo alguns apontamentos sobre as relações entre paródia e vanguardas do século XX.

Palavras-chave


revista; paródia; dialogismo

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. La Cultura Popular en la Edad Media y en Renacimiento - el contexto de Rabelais. Barcelona: Barral,1974;

-------------------- Problemas da Poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

CAMPOS, Haroldo. A Arte no Horizonte do Provável. São Paulo: Perspectiva, 1975. --------------------------- “Miramar na Mira”, prefácio de

Memórias Sentimentais de João Miramar. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1964.

GARCIA, Silvana. As trombetas de Jericó – teatro das vanguardas históricas. São Paulo: Hucitec, 1997.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia: ensinamentos das formas de arte do século XX. Lisboa: Edições 70, 1989.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.1116.12-23

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Virgínia Namur