A Composição Política de Angola (após a vitória do MPLA nas eleições de 31 de Agosto de 2012)

Autores

  • Pedro Borges Graça Universidade de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.15175/1984-2503-20157207

Resumo

O presente se constrói a partir do passado e da projeção do futuro. E exatamente isso que a Angola faz nesse momento. O motor principal é, seguramente, o MPLA e, em grande medida, o presidente José Eduardo dos Santos (JES) e seu ‘pequeno comitê” de confiança. Desde as últimas eleições de 31 de agosto de 2012, existe uma nova legitimidade nacional e internacional em relação ao poder do presidente e àquele do MPLA, efetivamente expressa pelo voto e por uma vitória de cerca de 70%. Por ora, não se verifica e nem se prevê qualquer mudança significativa na composição política que se constitui, até então, como a base do status quo de Angola, desde a paz instalada em 2002. Sem ruptura ou alteração profunda na composição política, estamos diante de um cenário de evolução na continuidade e será necessário esperar dois ou três anos para que se possa verificar se JES e o MPLA frustraram ou não as expectativas dos angolanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Borges Graça, Universidade de Lisboa

Professor da Universidade de Lisboa. Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas. Centro de Estudos Estratégicos do Atlântico.

Publicado

2015-05-31

Como Citar

Graça, P. B. (2015). A Composição Política de Angola (após a vitória do MPLA nas eleições de 31 de Agosto de 2012). Passagens: Revista Internacional De História Política E Cultura Jurídica, 7(2), 378-390. https://doi.org/10.15175/1984-2503-20157207