USO PÚBLICO EM ÁREAS PROTEGIDAS: ATORES, IMPACTOS, DIRETRIZES DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2013.v1n1p13

Resumo

O artigo apresenta informações básicas sobre o uso público em áreas protegidas, entendido como prática de visitação com objetivos educativos, esportivos, recreativos, científicos e de interpretação ambiental, que dão ao visitante a oportunidade de conhecer, entender e valorizar os recursos naturais e culturais existentes. O uso público tem como referência o envolvimento de três grupos de atores representados pelos gestores, visitantes e prestadores de serviços. Neste último grupo foi incluída a participação voluntária, movimento que vem crescendo ao longo dos anos e que presta serviços à conservação de várias áreas naturais protegidas. O uso público gera benefícios pessoais, sociais, econômicos e ambientais, desde que devidamente planificado e gerenciado. As atividades também produzem riscos e causam diversos impactos negativos sociais e ambientais, podendo comprometer características das áreas e da própria visitação. Destacou-se a aplicação do sistema denominado Limite Aceitável de Câmbio (LAC) que racionaliza o uso através da escolha de indicadores de impacto, seleção de ações de manejo e monitoramento contínuo. Entretanto, ainda existe uma grande lacuna em relação às condições de infraestrutura das áreas protegidas no Brasil, que afeta a consolidação territorial, em geral, e o uso público, em particular. A despeito do fato, tem-se observado avanços que trazem boas perspectivas para o futuro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Renato Vallejo, Universidade Federal Fluminense

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1977), mestrado em Geografia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1982) e doutorado em Geografia pela Universidade Federal Fluminense (2005). Professor Titular do Departamento de Geografia da Universidade Federal Fluminense, atuando desde 1978. Tem experiência nas áreas de Ecologia Geral e Geografia, atuando principalmente nos seguintes temas: conservação da natureza, uso público em unidades de conservação, impactos ambientais, conflitos sócio-ambientais e educação ambiental.

Referências

BARROS, M. I. A. Caracterização da visitação, dos visitantes e avaliação dos impactos ecológicos e recreativos do planalto do Parque Nacional de Itatiaia. 2003. 121 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais)- Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba: São Paulo, 2003.

Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). Resolução nº 303 de 20 de março de 2002. Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Publicado em Diário Oficial [da] da União,13 maio 2002. Disponível em: < http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res02/res30302.html >. Acesso em: 26 março. 2013.

GALANTE, M. L.V.; BESERRA, M. M. L.; MENEZES, E. O. Roteiro metodológico de planejamento: Parque Nacional, Reserva Biológica e Estação Ecológica. Brasília: IBAMA/MMA, 2002. 135p.

HAAS, G. The management of public use services in protected areas: the United States Experience. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO: ATUALIDADES E TENDÊNCIAS, 3., 2002. Curitiba: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. 2002, p. 122-130.

INSTITUTO TERRA BRASIL. Manual do voluntário do Parque Nacional da Tijuca. Instituto Terra Brasil - Programa de voluntariado. Disponível em: < http://www.terrabrasil.org.br/voluntario/manualvolu.pdf >. Acesso em: 27 mar. 2013

LOBO, A. C. Manual de Monitoramento e Gestão dos Impactos da Visitação em Unidades de Conservação. São Paulo: WWF-Brasil; Governo do Estado de São Paulo. Fundação Florestal, 2010. 78 p.

MILANO, M. S. Mitos no manejo de unidades de conservação no Brasil, ou a verdadeira ameaça. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, 2., 2000. Campo Grande: Rede Nacional Pró Unidades de Conservação; Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, v. 1. 2000, p. 11-25.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Diagnóstico da visitação em parques nacionais e estaduais. Brasília: Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas, 2005.

RODRIGUES, C. G. O. O uso do público nos parques nacionais: a relação entre as esferas pública e privada na apropriação da biodiversidade. Brasília, 2009. 358 f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) - Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília, Brasília, 2009. Disponível em: < http://www.nuredam.kinghost.net/files/publicacoes/teses/tese_Camila_Rodrigues.pdf > Acesso: 25 mar. 2013

TAKAHASHI, L. Uso Público em unidades de conservação. Cadernos de Conservação, Curitiba, Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, v. 2, n. 2, out. 2004.

VIANA, F. M. de F.; ROCHA, C. H. B. Impactos ambientais em UCs. Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Juiz de Fora, UFJF/MG, 2009. 25 p. Disponível em: < www.ufjf.br/ecologia/files/2009/11/E.-Docência-Final_Fernanda.pdf >. Acesso em: 27 mar. 2013.

Downloads

Publicado

2013-12-31