GESTÃO DA VISITAÇÃO TURÍSTICA NO PARQUE NACIONAL SÃO JOAQUIM/SC

UM OLHAR SOBRE O PLANO DE MANEJO

Autores

  • Gabriely Silva Martins
  • Amanda Augusta da Costa Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
  • Ana Patricia Martinez Lara
  • Mariana da Silva Gois
  • Fernando Protti Bueno

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2020.v8n13p75

Palavras-chave:

plano de panejo, unidades de conversavação, turismo

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar a gestão do uso público, prioritariamente quanto à visitação turística do Parque Nacional de São Joaquim (PNSJ), a fim de compreender como a atividade turística tem sido pensada e desenvolvida na unidade de conservação (UC). Localizado no Estado de Santa Catarina, exerce a proteção de remanescentes florestais do bioma Mata Atlântica, possuindo como particularidade a precipitação de neve nos meses mais frios, principalmente em julho. Em 2017, cerca de 25 mil pessoas visitaram o Parque em julho de um total de 119.631. O plano de manejo de 2018 foi objeto de análise, especificamente no aspecto ‘turismo e lazer’. Este aspecto foi caracterizado como um dos ‘recursos e valores fundamentais’, nas dimensões ‘condições atuais’, ‘tendências’ e ‘ameaças diagnosticadas’, bem como nos itens de ‘necessidades de dados’, ‘necessidade de planejamento’ e ‘oportunidades de ações de manejo’. Os resultados evidenciaram que a condição atual de visitação é caracterizada pela falta de controle, ordenamento e monitoramento, identificando-se impactos causados em todos os atrativos do Parque, prioritariamente concentrados no Morro da Igreja. Mediante os objetivos e estratégias identificadas, tais como o aumento de visitantes e a infraestrutura de atendimento, a tendência é que piore a atual condição de visitação. Nesse sentido, a gestão da visitação é realizada de acordo com as possibilidades do Parque, que visa a elaboração de um plano de uso público ou de um plano específico de visitação, além da busca por normatizar a visitação ao principal atrativo, o Morro da Igreja.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, P. C. B; MOREAU, A. M. S. S; FONTES, E. O. Áreas naturais protegidas: um breve histórico do surgimento dos parques nacionais e das reservas extrativistas. Revista Geográfica de América Central, vol.1, nº50, pp. 195-213, 2013. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4517/451744541007.pdf. Acesso em: 30 nov. 2020.

ALVAREZ, M. M. H; MOREIRA, J. C; BURNS, R. C; ALBACH, V. M. O perfil do visitante do Parque Nacional de São Joaquim (SC): breves considerações. Revista Brasileira de Iniciação Científica: Itapetininga, v.6, n.3, 2019, p. 82-94. https://periodicos.itp.ifsp.edu.br/index.php/IC/article/view/1339/1063. Acesso 04 dez. 2020.

ARAÚJO, M. A. R; CABRAL, R. F. B; MARQUES, C. P. Uma breve história sobre a gestão de unidades de conservação no Brasil. In: NEXUCS (Org.). Unidades de conservação no Brasil: o caminho da gestão para resultados. São Carlos: RiMa Editora, 2012, p. 191-204.

BRASIL. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Parque Nacional de São Joaquim. 2020. Brasília: Instituto Mendes de Conservação da Biodiversidade: ICMBio, 2020. Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/parnasaojoaquim/. Acesso em: 12 dez. 2020.

BRASIL. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Plano de Manejo do Plano Nacional São Joaquim. 2018. Brasília: Instituto Mendes de Conservação da Biodiversidade: ICMBio, 2018c. Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/plano-de-manejo/plano_de_manejo_parque_nacional_de_sao_joaquim_2018.pdf. Acesso em: 25 nov. 2020.

BRASIL. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Roteiro Metodológico para elaboração e revisão de planos de manejo das unidades de conservação federais. 2018. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade: ICMBio, 2018a. Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/downloads/roteiro_metodologico_elaboracao_revisao_plano_manejo_ucs.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

BRASIL. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Roteiro metodológico para manejo de impactos da visitação com enfoque na experiência do visitante e na proteção dos recursos naturais e culturais. 2011. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade: ICMBio, 2011. Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/comunicacao/Roteiro_Impactos_de_Visitacao_WEB.pdf. Acesso em: 15 out. 2020.

BRASIL, Instrução Normativa nº 5 de junho de 2018. Dispõe sobre diretrizes e procedimentos administrativos para o monitoramento da visitação em unidades de conservação federais, conforme as informações contidas no processo 02070.002802/2018-93. Diário Oficial da União. Brasília, 5 de jun. 2018. Seção 1, p. 43. 2018b. Disponível em: https://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/portarias/intrucao_normativa_5_2018.pdf. Acesso em: 30 nov. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9985.htm. Acesso em: 20 nov. 2020.

DETZEL, V. A.; DETZEL, L. C. F.; SILVA, M. L. T.; GOMES, M. E. A. C. Parcerias ambientais público-privadas Parque Nacional de São Joaquim: projeto piloto. Brasília: Detzel Consultores Associados S/S EPP e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. 2018. Disponível em: http://diretoriopre.mma.gov.br/index.php/category/51-bid-cef-ibam-brm1120-desenvolvimento-de-parcerias-ambientais-publico-privadas?download=238:projeto-piloto-parcerias-ambientais-publico-privadas-parque-nacional-de-sao-joaquim. Acesso em: 25 nov. 2020.

KINKER, S. Ecoturismo e conservação da natureza em parques nacionais. Campinas: Papirus, 2002.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Parque Nacional de São Joaquim. 2020. São Paulo: Unidades de Conservação no Brasil: ISA, 2020. Disponível em: https://uc.socioambiental.org/pt-br/arp/998#ambiente. Acesso em: 12 dez. 2020.

LECHNER, L. Planejamento, implantação e manejo de trilhas em unidades de conservação. Cadernos de Conservação, ano 03, nº 03, junho, 2006. Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. 2006.

OMENA, M. T. R. N. Parque Nacional São Joaquim: do papel à realidade. Uma proposta para a gestão do uso público. 2014. 164f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Centro de Ciências Agroveterinárias, Lages, 2014. Disponível em: https://www.udesc.br/arquivos/cav/id_cpmenu/1481/Dissertacao_Mestrado_Eng_Florestal_Michel_Omena2_15687492281777_1481.pdf . Acesso em: 10 dez. 2020.

PAES-LUCHIARI, M. T. Turismo e patrimônio natural no uso do território. In: PAES-LUCHIARI, M. T.; BRUHNS, H. T.; SERRANO, C. (Org.). Patrimônio, natureza e cultura. Campinas: Papirus, 2007, p. 25-45.

PARDINI, H. O desafio do uso público nas unidades de conservação brasileiras. In: NEXUCS (Org.). Unidades de conservação no Brasil: o caminho da gestão para resultados. São Carlos: RiMa Editora, 2012, p. 125-133.

SERRANO, C. Patrimônio, natureza e cultura: uma introdução a olhares e práticas. In: PAES-LUCHIARI, M. T.; BRUHNS, H. T.; SERRANO, C. (Org.). Patrimônio, natureza e cultura. Campinas: Papirus, 2007, p. 09-21.

TAKAHASHI, L, Y; CEGANA, A, C, V. Como monitorar o impacto dos visitantes utilizando o sistema LAC - limite aceitável de câmbio. Revista Turismo em Análise, v. 16, n. 2, p. 206-222, 2005. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rta/article/view/63737/66502. Acesso em: 07 dez. 2020.

THE WORLD CONSERVATION UNION (IUCN). Guidelines for protected area management categories. Cambridge: IUCN, 1994. Disponível em: https://portals.iucn.org/library/efiles/documents/1994-007-En.pdf. Acesso em: 26 nov. 2020.

VALLEJO, L. R. Uso público em áreas protegidas: atores, impactos, diretrizes de planejamento e gestão. Anais do Uso Público em Unidades de Conservação. Rio de Janeiro, v.1, n.1. p.13-26, 2013. Disponível em: https://periodicos.uff.br/uso_publico/article/view/28674. Acesso em: 04 dez. 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-31