DIÁLOGOS PARA GESTÃO

DIAGNÓSTICO DA CADEIA DE OPERADORES DO TURISMO DE MONTANHA DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DOS ÓRGÃOS

Autores

  • William Gregory Mendes Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Clara Carvalho de Lemos Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Leonardo Martins Gomes Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio

DOI:

https://doi.org/10.47977/2318-2148.2021.v9n14p41

Palavras-chave:

Governança, Conservação, Operadores de turismo, Unidade de Conservação

Resumo

Nos últimos anos, os registros indicam um aumento expressivo da visitação em unidades de conservação (UC) no Brasil. As atividades relacionadas ao lazer e turismo nessas áreas, no entanto, tem potencial de conflitos e impactos significativos. Essa pesquisa debruça-se sobre os desafios do uso público do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, RJ. Busca entender como os operadores de turismo que comercializam roteiros dentro da UC percebem sua relação e comunicação com os gestores da área, à luz dos princípios de boas práticas em governança. A metodologia partiu de levantamento bibliográfico e documental, e realização de entrevistas semiestruturadas. Após análise e interpretação dos dados, realizou-se um encontro virtual entre os pesquisadores, gestores do ICMBio e operadores de turismo, para discussão dos resultados e criação de um espaço de diálogo. Foram identificados elementos a partir da visão e opinião desses atores a respeito de questões operacionais, do processo de gestão e tomada de decisão do uso público. Acredita-se, portanto, que esta pesquisa gerou subsídios que devem resultar em maior efetividade na gestão da UC e contribuir no alcance de seus objetivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

William Gregory Mendes Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduando de Turismo. Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Instituto de Geografia/Departamento de Turismo.

Clara Carvalho de Lemos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora Adjunta. Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Instituto de Geografia/Departamento de Turismo. Doutora em ciências da engenharia ambiental EESC/USP.

Leonardo Martins Gomes, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade - ICMBio

Analista Ambiental. Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. Mestre em Biodiversidade.

Referências

BARDIN, L. (2011). Análise de conteúdo. Edições 70, São Paulo: Ed. rev. e ampl.

BRASIL. (2000). Lei n° 9.985, de 18 de julho de 2000. Diário Oficial da União. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9985.htm>. Acessado em: ago. 2019.

BRASIL. (2006). Lei complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006. Diário Oficial da União. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/LCP/Lcp123.htm>. Acessado em: jun. 2020.

BORRINI-FEYERABEND, G; DUDLEY, N.; JAEGER, T.; LASSEN, B.; BROOME, N. P.; PHILLIPS, A; SANDWITH, T. (2017). Governança de Áreas Protegidas: da compreensão à ação. Série Diretrizes para melhores Práticas para Áreas Protegidas, Gland, Suiça: UICN. n. 20, p. 124.

COZZOLINO, LF; IRVING, M; SOARES, D. (2015). Gestão de áreas protegidas: análise dos marcos legais à luz dos princípios de governança democrática. Sociedade e Território, Natal, v. 27, n. 1, p. 138-156.

DRUMMOND, J.A.; FRANCO, J.L.A.; NINIS, A.B. (2006). O Estado das Áreas Protegidas do Brasil – 2005. Brasília: MMA, 200 p.

FREY, K. (2007). Governança Urbana e Participação Pública. RAC - Eletrônica, v. 1, n. 1, p. 136-150. Disponível em: <http://www.anpad.org.br/rac-e>. Acessado em: jun. 2020.

GRAHAM, J; AMOS, B; PLUMPTRE, T. (2003). Governance Principles for Protected Areas in the 21st Century. UICN: Durban.

HAUKELAND, J.V. (2011). Tourism stakeholders’ perceptions of national park management in Norway, Journal of Sustainable Tourism, v. 19, n. 2, p. 133-153.

ICMBIO – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. (2020a). Rol de Oportunidades de Visitação em Unidades de Conservação –ROVUC. 2ª Edição. Organizadores: Allan Crema e Paulo Eduardo Pereira Faria. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio.

ICMBIO – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. (2020b). Painel Dinâmico de Informações. Disponível em: <http://qv.icmbio.gov.br/QvAJAXZfc/opendoc2.htm?document=painel_corporativo_6476.qvw&host=Local&anonymous=true>. Acessado em: 31 mai. 2020.

JAMAL, T.; STRONZA, A. (2009). Collaboration theory and tourism practice in protected areas: stakeholders, structuring and sustainability. Journal of Sustainable Tourism, v. 17, n. 2, p. 169–189.

JARDIM, G.S.; LEMOS, C.C. (2021). O turismo no contexto da pandemia: desafios de governança e sustentabilidade frente à covid-19. In: COSTA, A.D.; PADILHA, M.N.; PEREIRA, T.F.P.D. (organizadores). Territórios do Turismo: perspectivas de passados, presentes e futuros possíveis. Boa Vista: Editora IOLE / Rio de Janeiro: EdTur. 327 p.

KALTENBORN, B.P.; QVENILD, M.; NELLEMANN, C. (2011). Local governance of national parks: The perception of tourism operators in Dovre-Sunndalsfjella National Park, Norway: NorskGeografiskTidsskrift - Norwegian Journal of Geography, v, 65, n. 2, p. 83-92.

LOUREIRO, C.F.B.; CUNHA, C.C. (2008). Educação ambiental e gestão participativa de unidades de conservação: elementos para se pensar a sustentabilidade democrática. Campinas: Ambiente & Sociedade, v. 11, n. 2, p. 237-253.

LU, Y; CHEN, L.D. (2009) Contribution of tourism development to protected area management: Local stakeholder perspectives. The International Journal of Sustainable Development and World Ecology, v. 16, n. 1, p. 30-36. Disponível em: <https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/13504500902757189>. Acessado em: jul. 2020.

MACHADO, C.J.S.; COSTA, D.R.T.R.; VILANI, R.M. (2012). A análise do princípio da participação social na organização federal dos conselhos gestores de unidades de conservação e mosaicos: realidade e desafios. Revista Brasileira De Gestão E Desenvolvimento Regional, Taubaté, v. 8, n.3, p. 50-75.

MENDONÇA, F.C; TALBOT, V. (2014). Participação social na gestão de unidades de conservação: uma leitura sobre a contribuição do Instituto Chico Mendes. Biodiversidade Brasileira-BioBrasil, Brasília, v. 4, n. 1, p. 211-234.

MMA – Ministério do Meio Ambiente (2006). Diretrizes para Visitação em Unidades de Conservação/Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Biodiversidade e Florestas. Diretoria de Áreas Protegidas. Brasília: Ministério do Meio Ambiente.

OLIVEIRA, A.C.; SILVA, E.F.P.; SILVA, G.C.; ABREU, G.J.; COLONEZE, J.F.; SOUZA, J.E.F.P.; MARANHÃO, T.C. (2018). Sustentabilidade das concessões em unidades de conservação: contribuições a partir da experiência do Parque Nacional da Serra dos Órgãos. Revista da JOPIC, São Paulo, v. 1, n. 3, p 93-105.

RODRIGUES, C.G.O. (2018). “Visitante-Cidadão” e Visitante-Consumidor”: reflexões sobre o uso público dos parques nacionais. In: NASCIMENTO, E.P.; COSTA, H.A. (orgs.). Turismo e sustentabilidade: verso e reverso. Rio de Janeiro: Garamond.

SANTOS, A.A.; REZENDE, J.L.P.; BORGES, L.A.C.; BORÉM, R.A.T. (2011). Cadeia de serviços turísticos: possibilidade de inclusão social nos parques nacionais brasileiros. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 208-227.

SEBRAE. (2018). Anuário do trabalho nos pequenos negócios: 2016. 9. ed. São Paulo - SP: DIEESE.

SOUZA, N.P.; NELSON, S.P.; BADIALLI, J.E.L.; LIMA, M.A.V.; PADUA, S.M. (2010). Como compatibilizar conservação, desenvolvimento e turismo: a experiência do baixo Rio Negro, Amazonas. Revista Brasileira de Ecoturismo, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 173-190.

SOUZA, T.V.S.B; SIMÕES, H.B. (2019). Contribuições do Turismo em Unidades de Conservação Federais para a Economia Brasileira - Efeitos dos Gastos dos Visitantes em 2018: Sumário Executivo. ICMBio. Brasília.

TELES, R.M.S.; LIMA, T. (2011). Gestão participativa em unidades de conservação: desenvolvimento de um método de avaliação de conselhos gestores. In: TELES, R.M.S. (org.). Turismo e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Elsevier, p. 133-144.

Downloads

Publicado

2021-12-10