A Ancinav e os conflitos no meio cinematográfico

Arthur Autran, Marina Rossato Fernandes

Resumo


O meio cinematográfico brasileiro apresenta um histórico de divisões ocasionado pelas divergências quanto à intensidade da relação entre Estado e audiovisual. Uma recente divisão decorreu da resistência dos setores consolidados ao anteprojeto da Ancinav (Agência Nacional do Cinema e do Audiovisual), cujas propostas objetivavam regular todo setor audiovisual e abrir espaço para produção independente. O presente artigo analisa o posicionamento do meio cinematográfico, compreendendo a estruturação do setor e destacando seus principais agentes. Esta análise levanta as motivações da polarização e os efeitos que o anteprojeto traria.

 


Palavras-chave


Política audiovisual; Estado; Regulação; Ancinav

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


ALVARENGA, Marcus Vinicius. Cineastas e formação da Ancine (1999-2003). Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, SP, 2010.

AUTRAN, Arthur. O pensamento industrial cinematográfico em tempos neoliberais (1990-1993). In: HAMBURGER, Esther; SOUZA, Gustavo;

MENDONÇA, Leandro; AMANCIO, Tunico (orgs.). Estudos de cinema Socine. São Paulo: Annablume ; Fapesp, 2008.

BOCCATO, Paulo. Lista de discussão CINEMABRAZIL. 22 dez. 2004. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

BOLAÑO, César Ricardo Siqueira. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? São Paulo: Paulus, 2007.

BUTCHER, Pedro. A dona da história: Origens da Globo Filmes e seu impacto no audiovisual brasileiro. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, 2006.

DAHL, Gustavo. Entrevista concedida a Israel do Vale. In: VALE, Israel do. Gustavo Dahl quer “intervenção na área de distribuição”. Cultura e Mercado, 15 out. 2003. Disponível em . Acesso em: 22 maio 2014.

______. Entrevista concedida a Marcus Vinícius Alvarenga. In: ALVARENGA, Marcus Vinicius. Cineastas e formação da Ancine (1999-2003). Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, SP, 2010.

DIEGUES, Cacá. Lista de discussão CINEMABRAZIL. 13 ago. 2004. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2014.

______. Um desastre conceitual e técnico. O Globo, Rio de Janeiro, 06 ago. 2004a.

FARIAS, Roberto. Lista de discussão CINEMABRAZIL. 22 out. 2004. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

FERNANDES, Marina Rossato. Ancinav: análise de uma proposta. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, SP, 2014.

FÓRUM do cinema e TV é oficializado em São Paulo. Tela Viva News, São Paulo, 22 nov. 2004. Disponível em: . Acesso em: 21 dez. 2016.

GIL, Gilberto. Audiovisual, vamos ao debate. O Globo, Rio de Janeiro, 16 ago. 2004.

GOVERNO encerra parceria PIC-TV. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 26 abr. 2001. Caderno 2. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2014.

IKEDA, Marcelo. Cinema brasileiro a partir da retomada: aspectos econômicos e políticos. São Paulo: Summus, 2015.

JABOR, Arnaldo. Ai, que saudades do comunismo! O Estado de S. Paulo, São Paulo, 17 ago. 2004.

LAUTERJUNG, Fernando; POSSEBON, Samuel. Ancinav do B. Tela Viva, São Paulo, v. 13, n. 143, out. 2004.

LIMA, Heverton Souza. A Lei da TV Paga: impactos no mercado audiovisual. Dissertação (Mestrado), Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, 2015.

MARINS, Marcos Manhães. Lista de discussão CINEMABRAZIL. 22 out. 2004. Disponível em: . Acesso em: 14 mar. 2014.

MARSON, Melina Izar. Cinema e políticas de Estado da Embrafilme à Ancine. São Paulo: Escrituras, 2009. p. 132.

MUDANÇA para Ancinav vai demorar, diz diretor. Portal Terra. São Paulo, 11 nov. 2003. Cinema. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2014.

SALLES, Murilo. Ancinav: unir para democratizar. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 30 ago. 2004a.

______. Lista de discussão CINEMABRAZIL. 12 ago. 2004b. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2014.

SEMINÁRIO “Agência Nacional do Cinema e Audiovisual – ANCINAV e o fortalecimento da produção audiovisual brasileira”, Brasília: Congresso Brasileiro de Cinema; Casa Civil da Presidência da República; Ministério da Cultura; Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília, 2004.




DOI: https://doi.org/10.22409/contracampo.v36i2.1001

Apontamentos

  • Não há apontamentos.