Da cidade lúdica aos Domingos da Criação: a constelação Frederico Morais

André Leal

Resumo


O presente artigo analisa a trajetória do crítico Frederico Morais à luz de seu envolvimento com questões artísticas, sociais e políticas do período que culmina com a realização dos Domingos da Criação no MAM-RJ em 1971. Pretendemos demonstrar sua afinidade com questões que lhe eram contemporâneas na abordagem da participação do público na constituição da obra de arte e em sua transformação por parte de artistas e curadores em uma experiência aberta. Do mesmo modo, sua atuação abre o museu para o Aterro, concretizando o projeto de Affonso Eduardo Reidy. Entre as proposições de Hélio Oiticica, a ideia de Crelazer é um ponto fundamental para compreendermos a trajetória de Morais.


Palavras-chave


Frederico Morais; Crelazer; situacionismo; arte contemporâ-nea

Texto completo:

PDF

Referências


BRAGA, Paula. Hélio Oiticica: singularidade, multiplicidade. São Paulo: Perspectiva / Fapesp, 2013.

FAVARETTO, Celso Fernando. A invenção de Hélio Oiticica. São Paulo: EDUSP, 1992.

GOGAN, Jessica (Org.); MORAIS, Frederico. Domingos da Criação: uma coleção poética do experimental em arte e educação. Rio de Janeiro: Instituto MESA, 2017.

JAMESON, Fredric. The Aesthetics of Singularity. New Left Review, 92, pp. 101-132, mar./abr. 2015.

MORAIS, Frederico. Artes plásticas: a crise da hora atual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

MORAIS, Frederico. Do corpo à terra. In FERREIRA, Glória (Org.). Crítica de arte no Brasil: temáticas contemporâneas. Rio de Janeiro: Funarte, 2006. pp. 195-200.

MORAIS, Frederico. A arte não pertence a ninguém [entrevista]. Revista UFMG, Belo Hori-zonte, v. 20, n.1, pp. 336-351, jan./jun. 2013.

OITICICA, Hélio. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

OITICICA, Hélio. Experimentar o experimental. Publicado originalmente na Revista Navi-louca, 1974. Disponível em http://54.232.114.233/extranet/enciclopedia/ho/index.cfm? fuseaction=documentos&cod=362&tipo=2. Acesso em abril de 2019.

ROCHA, Paulo Mendes da. A cidade enquanto liberdade [entrevista]. GFAU. Corredor das Humanas: a poesia que poderia ter sido e que não foi. São Paulo: GFAU, 2009. pp. 20-27

SADLER, Simon. The Situationist City. Cambridge: MIT Press. 1998.

SOMMER, Michelle Farias. Contraexposição, um estado expositivo contemporâneo. Anais do 26o Encontro da ANPAP. Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas, 2017, pp. 1936-1950.

WISNIK, Guilherme. Dentro do nevoeiro: diálogos cruzados entre arte e arquitetura. Tese de doutorado, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, 2012.




DOI: https://doi.org/10.22409/poiesis.2033.413-434

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 André Leal