Sobre a Revista

A Antropolítica: Revista Contemporânea de Antropologia foi criada em 1995 como resultado da cooperação entre os domínios da Antropologia e Ciência Política (PPGACP) na Universidade Federal Fluminense. Em 1994, os Departamentos de Antropologia e de Ciência Política criaram o Programa de Pós-graduação em Antropologia e Ciência Política (PPGACP). Neste mesmo ano, é adotada uma política editorial que visava institucionalizar uma integração acadêmica que se realizava através de seminários, encontros e pesquisas comuns realizadas no âmbito das relações do PPGACP e instituições de pesquisa nacionais e internacionais. Esta política editorial diversificou-se em duas direções: a primeira é a Revista Antropolítica, que teve seu primeiro número publicado em 1996 e está em seu 51º número.
A partir de 2006, a Revista foi vinculada exclusivamente ao Programa de Pós-Graduação em Antropologia (PPGA). Desde então, Antropolítica conta com um comitê editorial (executivo), responsável pela edição da revista, um Conselho Editorial composto de pesquisadores de instituições nacionais e estrangeiras, contando ainda com a colaboração de inúmeros pareceristas, fundamentais para a manutenção da qualidade da revista. Os colaboradores são importantes cientistas sociais do Brasil e do exterior (França, Argentina e Estados Unidos).

A Antropolítica, desde seu lançamento até seu número 14, de 2003, é uma publicação semestral, com artigos e resenhas. A partir do número 14 (1o semestre de 2003), iniciamos a publicação de Dossiês Temáticos, coordenados por pesquisadores de Programas de Pós-graduação em Antropologia (PPGA), através dos quais divulgamos contribuições originais às principais temáticas de pesquisa em nosso Programa.

Desde 2006, fazemos a divulgação eletrônica da revista, facilitando seu acesso, devido à intensificação de nossas relações institucionais. A penetração da revista nas Ciências Sociais brasileiras e do exterior foram, no decorrer destes anos, desenhando um novo perfil para a revista que, refletindo as linhas de pesquisa do Programa, publica, cada vez mais, autores de outras instituições acadêmicas estrangeiras e brasileiras.

Em 2010, devido aos altos custos de impressão e com a grande abrangência e popularidade das revistas eletrônicas, a Comissão Editorial propôs que a Revista Antropolítica, em seu 29º número, se torne uma Revista Eletrônica.
É fundamental acentuar que, ao completar mais de quinze anos de atividades sem interrupção, com todas as dificuldades de recursos humanos e materiais, reafirmamos nossa proposta de publicar textos que possam contribuir de modo significativo para as Ciências Sociais.

Com periodicidade quadrimestral, cada número é composto por um Dossiê temático, organizado por um docente do Programa de Pós-Graduação em Antropologia, uma seção de artigos de temática livre, uma seção intitulada de Olhares Cruzados, com o propósito de abrigar artigos que contribuam para a refl exão sobre diálogos internacionais, uma seção intitulada Trajetórias e Perspectivas, voltada para a publicação e divulgação de artigos e ensaios que abordem reflexões sobre o fazer antropológico, a partir das experiências e trajetórias de antropólogos brasileiros e estrangeiros, bem como do histórico de constituição e/ou consolidação de áreas ou campos de pesquisa no Brasil e em outros países. A seção pode incluir trabalhos oriundos de memoriais, entrevistas, ensaios, homenagens, entre outros artigos e/ou ensaios, que permitam conhecer e discutir perspectivas específicas do campo da Antropologia e das Ciências Sociais. E, por fim, uma seção composta por resenhas.

Todas as colaborações recebidas serão submetidas a pareceristas. Entretanto, os colaboradores interessados deverão submeter seus artigos de acordo com as normas de publicação científica (6022/2003 e 6021/2003). Poderão ser publicados textos escritos originalmente em espanhol, francês ou inglês, exceto aqueles que não forem inéditos. Nesse caso, o artigo deverá ser traduzido para o português.