Obstáculos na ‘Pista Livre’: Algumas Considerações sobre a Pragmática dos Dispositivos da ‘Lei do Trânsito’ no Rio de Janeiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/antropolitica2020.i50.a42707

Palavras-chave:

Trânsito, Lei do trânsito, Moral, Pragmatismo, Engajamento circunstancial

Resumo

O objetivo deste texto é analisar alguns dispositivos sensíveis do que chamo de lei do trânsito, a lógica moral efetivamente operada pelos envolvidos nos deslocamentos do trânsito na cidade do Rio de Janeiro – e que se coordena e/ou muitas vezes entra em conflito com a lei de trânsito, normatividade oficial destinada a regrar esse cenário. A pesquisa consistiu em um ano de observação etnográfica móvel em deslocamentos por automóvel pela cidade, observando-se in loco as interações entre vários tipos de unidades móveis (automóveis, motocicletas, bicicletas, pedestres etc.) e privilegiou uma observação radicalmente compreensiva desse mundo, a fim de descrever sua pragmática em seus próprios termos. Com isso, percebeu-se um conjunto de comportamentos fundados em um engajamento ao mesmo tempo variante (passando-se de uma a outra) e misto (coordenando-se entre si) entre três formas: um engajamento no plano; um engajamento exploratório; e aquilo que aqui denomino engajamento circunstancial. O plano é representado por um conjunto de comportamentos visando se chegar a um destino, e em relação ao qual outros elementos desse cenário são tratados como obstáculos a serem evitados. A atividade exploratória determina um fluxo tateante entre crítica industrial (a lei de trânsito não é realista) e crítica inspirada (o outro “não sabe dirigir”, isto é, não é hábil e criativo para desviar dos obstáculos e não se tornar um). E o engajamento circunstancial pressupõe uma coordenação com o mundo e os outros em termos das contingências à medida que aparecem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Vieira Werneck, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor do Departamento de Sociologia e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Pós-doutorado (FAPERJ) na Universidade Federal Rio de Janeiro. Coordenador efetivo de pesquisas do Núcleo de Estudos da Cidadania, Conflito e Violência Urbana da Universidade Federal Rio de Janeiro.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Werneck, A. V. (2020). Obstáculos na ‘Pista Livre’: Algumas Considerações sobre a Pragmática dos Dispositivos da ‘Lei do Trânsito’ no Rio de Janeiro. Antropolitica - Revista Contemporanea De Antropologia, (50). https://doi.org/10.22409/antropolitica2020.i50.a42707

Edição

Seção

Artigos