E nessa cena a vovó da Pabllo já era transgressora: performances queer na música pop brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22409/contracampo.v38i1.28054

Palavras-chave:

Cena musical, música pop, performance, queer.

Resumo

A partir da noção de cena musical, nos propomos – neste artigo – a aproximar algumas performances realizadas a partir dos anos de 1970 por artistas do teatro e da música e certas performances queer da cena musical pop contemporânea brasileira. Observamos estas performances em produções que se dedicaram e dedicam a colocar em questão os limites impostos pelos papéis sociais de gênero; que denunciam o patrulhamento heteronormativo sobre os corpos; e que investem na visibilização de identidades fluidas e diversas. Temos por interesse nesta aproximação perceber um comum que se fez amparado em outras éticas, surgidas de novas circulações estéticas; como a performance daqueles corpos conteve e contém uma potência transformadora da consciência; como o pop se faz político.

Biografia do Autor

Carlos Magno Camargos Mendonça, Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFMG

Professor Associado do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais ? DCS/UFMG-, professor permanente no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFMG. Graduado em Comunicação Social - Jornalismo - pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais ? PUCMG - (1992), mestre em Comunicação Social pela UFMG (1999) e doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP - (2007). Pós-doutorado realizado na Universidad Complutense de Madrid ? UCM-, Espanha (2011/2012). Desenvolve pesquisas com foco na relação entre comunicação e estudos de gênero, performance, corpo, homossexualidade masculina e propaganda, com financiamentos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig). É um dos líderes de pesquisa do Núcleo de Estudos em Estéticas do Performático e Experiência Comunicacional - NEEPEC. Para além de artigos em periódicos, capítulos de livros e livros organizados, no Brasil e no exterior, é autor do livro ?E o verbo se fez homem. Corpo e Mídia.? (2013). Membro da equipe de pesquisadores do projeto de cooperação internacional UFMG/Universidad Complutense de Madrid (Espanha). Bolsista Produtividade CNPq - PQ 2.

 

Felipe Viero Kolinski Machado, UFOP

tualmente é Bolsista de Pós-Doutorado do CNPq (Bolsa de Pós-Doutorado Júnior - PDJ/CNPq: 150038/2018-6) junto ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Professor Substituto no Curso de Jornalismo da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). É doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), com bolsa CAPES. Realizou estágio doutoral no exterior, com bolsa CAPES/PDSE, junto ao Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA/ISCTE-IUL), em Lisboa/Portugal (11 meses). É mestre em Ciências da Comunicação também pela UNISINOS, com bolsa CNPq. Realizou estágio junto ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) (3 meses). É jornalista pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), com bolsa FNDE. Integra os grupos de Pesquisa Núcleo de Estudos Tramas Comunicacionais: Narrativa e Experiência (UFMG), Convergência e Jornalismo (ConJor) (UFOP) e o Laboratório de Investigação do Ciberacontecimento (LIC - UNISINOS). Possui experiência profissional em rádio e em televisão e, como docente, já ministrou disciplinas teóricas, metodológicas e laboratoriais (radiojornalismo) na área da comunicação e do jornalismo. Em suas pesquisas interessa-se, principalmente, pelos sentidos mobilizados e construídos, nas mídias e no jornalismo, sobre geração, gêneros e sexualidade

Referências

ALCANTARA, João André da Silva. As (des) construções do macho nordestino em videoclipes: um estudo das performances de Daniel Peixoto e Johnny Hooker. Recife: UFPE, 2017. 117 f. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2017.

AUTOR, 2015.

AUTOR, 2018.

AUSLANDER, Philip. Performing glam rock: gender and theatricality in popular music. The University of Michigan Press. 2009

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. São Paulo: Editora Record, 2012.

CARDOSO FILHO, Jorge et al. Pabllo Vittar, Gloria Groove e suas performances: fluxos audiovisuais e temporalidades na cultura pop. Revista Contracampo, v. 37, n. 3, 2018.

CONNEL, Robert W. Masculinidades. Universidad Nacional Autónoma de México, Coordinación de Humanidades, Programa Universitário de Estudios de Género, 2003.

COUTO JUNIOR, Dilton Ribeiro; SILVA, João Paulo de Lorena. Corpos transviados ao Sul do Equador: o que Linn da Quebrada tem a nos (des) ensinar?. Revista Cocar, v. 12, n. 23, p. 318-341, 2018.

ERIBON, Didier. Reflexões sobre a questão gay. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2008.

FREIRE FILHO, João; FERNANDES, Fernanda Marques. Jovens, Espaço Urbano e Identidade: Reflexões sobre o Conceito de Cena Musical. XXVIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 5 a 9 de setembro de 2005.

GARCÍA, David Córdoba. Teoría queer: reflexiones sobre sexo, sexualidad e identidad. Hacia una politización de la sexualidad. In: CÓRDOBA, David; SÁEZ, Javier; VIDARTE, Paco. Teoría queer. Políticas bolleras, maricas, trans, mestizas. Madrid. Editorial Egales, p. 21-66, 2005.

JANOTTI JR, Jeder e GOMES, Itânia (orgs.) Comunicação e estudos culturais. Salvador: EDUFBA, 2011.

JANOTTI JR, Jeder. Rock me like the devil: a assinatura das cenas musicais e das identidades metálicas. Recife: Livrinho de papel finíssimo Editora: 2015.

JANOTTI JUNIOR, Jeder. Cultura pop: entre o popular e a distinção. In: SÁ, Simone Pereira; CARREIRO, Rodrigo e FERRARAZ, Rogério (org.). Cultura Pop. Salvador: Edufba, p. 45-56, 2015.

LEIBETSEDER, Doris. Queer track: subersive strategies in rock and pop music. London: Routledge , 2016.

LOBERT, Rosemary. A Palavra Mágica: a vida cotidiana dos Dzi

Croquettes. Campinas: Editora Unicamp. 2010

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

MISKOLCI, Richard. Teoria queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica: UFOP – Universidade Federal de Ouro Preto, 2012.

PARANHOS, Adalberto. Políticas do corpo & música popular: mulher e sexualidade no brasil (1970-1980). XXII Encontro Estadual de História da Anpuh-SP. Santos, 2014.

PRECIADO, Beatriz. “Terror Anal: apuntes sobre los primeros días de la revolución sexual”. In HOCQUENGHEM, Guy. El deseo homosexual. Espanha: Ed.Melusina, S.L. 2009.

SÁ, Simone Pereira; CARREIRO, Rodrigo e FERRARAZ, Rogério (org.). Cultura Pop. Salvador: Edufba, 2015.

SÁ, Simone Pereira. Will Straw: cenas musicais, sensibilidades, afetos e a cidade. In: JANOTTI JR, Jeder e GOMES, Itânia (orgs.) Comunicação e estudos culturais. Salvador: EDUFBA, 2011.

SANTOS, Felipe André Schutz dos. Liniker: Um corpo queer em explosão. Porto Alegre: UFRGS, 2016. 108 f. Monografia – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

SOARES, Thiago. Percursos para estudos sobre música pop. . In: SÁ, Simone Pereira; CARREIRO, Rodrigo e FERRARAZ, Rogério (org.). Cultura Pop. Salvador: Edufba, p. 19-33, 2015.

TURNER, Victor. Dramas, Campos e metáforas. Ação simbólica na sociedade humana. Niterói: EdUFF, 2008.

VARGAS, Herom. Secos e Molhados: experimentalismo, mídia e performance. Anais do XIX Encontro Anual da Compós, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 08 a 11 de junho de 2010.

WARNER, Michael (editor). Fear of a Queer Planet: Queer Politics and Social Theory. Minneapolis/London, University of Minnesota Press, 1991.

Downloads

Publicado

2019-04-29