O Jogador da iSaúde:

gamificação como estratégia biopolítica

Autores

Palavras-chave:

Comunicação e Consumo; Gamificação; Biopolítica; iSaúde.

Resumo

Neste artigo, abordamos a apropriação de estratégias de games pelo mercado da saúde, tendo como objetivo problematizar a gamificação como uma estratégia biopolítica. Nesta perspectiva, procuramos entender como as dinâmicas gamificadas mobilizam “convocações biopolíticas” (PRADO, 2013), que produzem subjetividades características de sujeitos neoliberais. Para tanto, utilizamos o website do Labi Exames como material empírico que exemplifica o uso de estratégias de gamificação no mercado da saúde. Quanto à fundamentação teórica, mobilizamos estudiosos da biopolítica, da biomedicalização, da “filosofia neoliberal” e da gamificação – por meio dos quais caracterizamos a “iSaúde” como um contexto marcado pelo deslocamento do poder-saber médico, pelo incentivo ao autodiagnóstico e pela preponderância dos discursos neoliberais no cuidado com o corpo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia M. C. Hoff, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Docente do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Práticas de Consumo pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM/SP). Doutora em Letras pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP). E-mail: thoff@espm.br.

Ana Catarina Holtz, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP). Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP e Bacharel em Publicidade e Propaganda pela ESPM-SP. Pesquisadora integrante do Grupo de Pesquisa “Comunicação, Discursos e Biopolíticas do Consumo” (ESPM/CNPq). Bolsista PROSUP/CAPES. E-mail: anacholtz89@gmail.com

Lucas L. Fraga, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP), com bolsa Capes/PROSUP. Mestre em Comunicação e Práticas de Consumo pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP), com bolsa Capes/PROSUP. Pesquisador integrante do Grupo de Pesquisa “Comunicação, Discursos e Biopolíticas do Consumo” (ESPM/CNPq). E-mail: lucaslf.fraga@gmail.com.

Referências

CLARKE, A. et al. Biomedicalization: Technoscientific Transformations of Health, Illness, and U.S. Biomedicine. American Sociological Review, v. 68, p.161-194, Apr. 2003.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

_____________. O nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France (1978- 1979). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

________________. Microfísica do Poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 27 ed. São Paulo: Graal, 2013.

HEPP, Andreas. Deep mediatization. Londres: Routledge, 2019.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 2001.

KAPP, K.M. The gamification of learning and instruction: game-based methods and strategies for training and education. San Francisco: Pfeiffer, 2012.

LIPOVETSKY, Gilles. Felicidade paradoxal. 2a ed. São Paulo: Cia das Letras, 2010.

LIPOVETSKY, Gilles & SERROY, Jean. A Estetização do Mundo: viver na era do capitalismo estético. São Paulo: Cia das Letras, 2015.

MAZZILLI, P. Turbinando nossos selfs: um estudo exploratório sobre os aplicativos de autoajuda no cenário brasileiro. 2019, p. 200. Tese (Doutorado em Psicologia Clínica) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2019.

PRADO, José Luiz Aidar. Convocações biopolíticas dos dispositivos comunicacionais. São Paulo: EDUC, 2013.

ROSE, N. Inventando nossos selfs: psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis: Vozes, 2011.

_____________. A política da própria vida: biomedicina, poder e subjetividade no século XXI. São Paulo: Paulus, 2013.

SANTAELLA, L. O hiato entre o game e a gamificação. In: SANTAELLA, L. et al. (org). Gamificação em Debate. São Paulo: Blucher, 2018, p. 199-204.

SANTOS, Laymert Garcia dos. Consumindo o futuro. Folha de São Paulo, São Paulo, v. 27, p. 23, 2000.

Downloads

Publicado

2021-12-30